Café

O processo da torra

Muito cuidado para não perder o aroma e sabor do café

Juliano Ribeiro em 9 de Fevereiro de 2010 às 06:43

fotos: SXC.hu

Dentre as várias peculiaridades que podem ser enumeradas quando se pretende descrever a qualidade dos cafés consumidos em todos os cantos do Brasil e do mundo, podemos destacar a espécie produzida, a região de plantação, as etapas de colheita e finalmente, a torra dos grãos. Cada uma destas etapas deve ser observada e tratada com muita atenção, pois apenas através da combinação perfeita de todas elas é que se tem um café com os atributos sensoriais ideais.

MAIS: Siga ADEGA no Facebook e concorra ao livro Bebida, abstinência e temperança!

Mesmo parecendo aparentemente simples, o processo de torra dos grãos de café deve ser muito bem estudado e adaptado para cada região consumidora. Só para se ter uma ideia, durante a torra, o efeito das altas temperaturas provoca transformações físicas e químicas severas nos grãos, liberando gases que formam os princípios responsáveis pelos aromas e sabores do café torrado.

Pode parecer simples, mas o processo de torra deve ser bem estudado, pois provoca mudanças químicas e físicas severas no grão

É neste processo que os principais compostos voláteis e não voláteis são formados. Assim, certas características do sabor, tradicionalmente associadas com à origem ou região, e consideradas de alta qualidade, podem ser perdidas por uma torra inadequada. É devido à torra que o café é considerado um dos produtos mais modificados durante o seu processamento.

De acordo com estudos científicos, durante a torra dos grãos ocorre uma degradação considerável dos polissacarídeos, dos açúcares, dos ácidos clorogênicos e dos aminoácidos. As concentrações da cafeína, trigonelina e lipídios permanecem quase inalteradas. Este processo também produz níveis elevados de produtos de caramelização, principalmente dos açúcares.

#Q#


Etapas da torra

Se pudéssemos dividir a etapa de torra em fases, notaríamos aproximadamente três momentos distintos. Primeiramente, uma fase inicial de secagem, em que a umidade é eliminada. O interessante nesta etapa é que o aroma exalado dos grãos passa a ser parecido com o de massa crua de pão misturada com fermento e a coloração dos grãos se torna amarelada.

Já numa segunda fase, um grande número de reações complexas ocorre devido à temperatura elevada (entre 190 e 210° C). No meio científico, denominamos estas reações de pirolíticas. É nesta fase que a composição química dos grãos é drasticamente modificada, com a liberação de uma grande quantidade de dióxido de carbono e a formação de centenas de compostos associados ao aroma e sabor do café. Por fim, uma terceira fase rápida de refrigeração usando ar ou água como agente de resfriamento.


Tempo de torra e seus efeitos

fotos: SXC.hu
Há três momentos distintos das fases de torra

Um parâmetro muito importante no processo de torra é a quantidade de calor transferida aos grãos. Ela pode ser controlada pela temperatura interna do torrador e tempo de torra. A coloração dos grãos, por exemplo, é diretamente relacionada com a temperatura final de torra. Assim, quanto maior a temperatura, mais escuro fica o café. Os graus de torra são usualmente descritos como clara, média e escura e têm impacto considerável na concentração de vários compostos importantes. Em certos casos, graus de torra mais escuros são utilizados com o intuito de mascarar a presença de defeitos ou alterações comuns em cafés.

Já o tempo de torra influencia nas reações dentro dos grãos. Quanto maior o período de torra, mais amargo e com aroma não muito satisfatório ficará o café, enquanto que um período muito pequeno de torra pode ser insuficiente para completar todas as reações pirolíticas, resultando em um café com baixas características organolépticas.

Qual grau de torra é o mais correto para se apreciar um bom café? Isso depende do gosto de cada apreciador. Cafés muito torrados são melhor apreciados em coadores de pano ou papel e cafés com torra mais clara em expressos.

Juliano Ribeiro é doutor em química pela UNICAMP e especialista em café


Café Gourmet

Artigo publicado nesta revista

10 coisas que você precisa saber para entender os vinhos da Borgonha

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 194,40R$ 367,20R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 21,60R$ 64,80R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 64,80 6x R$ 61,20
Assinando agora você GANHA também POSTER DESCRITORES AR GUIA ADEGA 2017/2018
10 coisas que você precisa saber para entender os vinhos da Borgonha

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas