Santa bebida

Qual teria sido o vinho da última ceia?

Arqueólogos fazem uma análise técnica para imaginar preferências dos personagens bíblicos de dois séculos atrás

Por Maria Bolognese em 4 de Setembro de 2017 às 08:22



Protagonista em muitos trechos bíblicos, o vinho ainda é um forte símbolo do cristianismo. E se em um exercício os aspectos religiosos fossem colocados de lado, e uma análise focada na bebida crística, fosse feita. Quais seriam as preferências dos consumidores de vinhos na época em que Jesus viveu?
 
Arqueólogos e historiadores já encontraram provas substanciais de vinificação nas regiões que Jesus teria percorrido. Para o arqueólogo Patrick McGovern, professor do Museu de Arqueologia da Universidade da Pensilvânia, o vinho servido na Última Ceia poderia ter sido muito semelhante ao Amarone de hoje, com base em evidências existentes sobre as práticas de vinificação na área naquele momento histórico.
 
A literatura sobrevivente diz que os vinhos locais da antiga Jerusalém e Judá foram descritos como escuros e ricos. McGovern relata ainda que o vinho das terras altas da Transjordânia central era notoriamente tão forte que “induzia o corpo a pecar".
 
De acordo com o pesquisador, apenas os melhores vinhos eram envelhecidos e bebidos puros. A maioria era misturada com água ou mesclada com uma gama de especiarias e ervas, como pimenta, absinto, alcaparras e açafrão, o que sugere uma semelhança com os contemporâneos coquetéis à base de vinho e as versões de mulled wine, ou vinho quente, por aqui.
 
No Evangelho de Marcos, um vinho de mirra é oferecido a Jesus depois que os soldados o vestiram e ele se recusa. A mirra e outras resinas de árvores exóticas provavelmente teriam sido adicionadas aos vinhos do período. 
 
Segundo o pesquisador, a ideia não era apenas encobrir os sinais de um vinho em deterioração, embora isso fosse um incentivo adicional, mas, sim, manter os vinhos por mais tempo e produzir novos e excitantes gostos para os paladares cansados.
 
Outros pesquisadores também estão analisando as características dos vinhos apreciados há 2.000 anos. Guy Bar-Oz, do Instituto Zinman de Arqueologia da Universidade de Haifa de Israel, escolheu uma abordagem mais técnica para a análise, e está investigando o DNA de restos de sementes de uva para aprender mais sobre técnicas de vinificação no período. 
A hipótese inicial sobre vinhos antigos da região do Negev, no sul de Israel, é que eles podem ter sido bastante poderosos; uma vez que uma característica da região é grande insolação e salinidade do solo. 
 
A fotossíntese elevada e a pressão osmótica devido à salinidade do solo produzem uvas doces com grandes quantidades de açúcar. Então, talvez a qualidade do vinho do Negev tenha sido obtida por seu maior teor de álcool. É o que explica Bar-Oz, alertando que ainda é apenas uma especulação; uma vez que a pesquisa ainda está em andamento.

Notícias

10 hotéis de luxo entre vinhedos

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 194,40R$ 345,60R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 21,60R$ 86,40R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 64,80 6x R$ 57,60
Assinando agora você GANHA também POSTER DESCRITORES AR GUIA ADEGA 2016/2017
10 hotéis de luxo entre vinhedos

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas