Tendências australianas

Margaret River e Adelaide Hills são as regiões da Austrália onde estão as principais novidades

Por Steven Spurrier em 18 de Maio de 2015 às 00:00


Região de Adelaide Hills é conhecida por sua paisagem estonteante

Minhas regiões favoritas na Austrália, tanto pelo visual quanto pelo vinho, são Adelaide Hills, no sul, e Margaret River, no oeste. A razão dessa preferência é um senso de europeização que encontro nos vinhos, algo que está ausente nos de Barossa, Coonawarra e Hunter Valley, regiões mais quentes com vinhedos de história muito mais longa – que, devo confessar, nunca visitei.

Durante três semanas na Austrália em fevereiro, vivenciando um clima soberbo que logo se tornou uma safra prematura, encontramos amigos e seus vinhos de Margaret River e, depois, Adelaide Hills, e sentimos muita fé nas safras mais recentes assim como otimismo no futuro.


Os três single vineyard – Calgardup, Rocky Road e Burnside – de McHenry Hohnen se destacam entre os Chardonnay de Margaret River

Margaret River

Degustações nos Cullen e McHenry Hohnen mostraram quão bem Malbec e Petit Verdot podem desempenhar

Uma das maiores regiões vitivinícolas da Austrália, atualmente com mais de 5 mil hectares plantados, produzindo em média 60% de brancos e 40% de tintos. O clima é Mediterrâneo com condições de crescimento quase ideais, sem temperaturas excessivas no verão e no inverno. No oeste, o oceano Índico proporciona frescor, as chuvas são adequadas, mas a umidade não é demasiada, e as noites frias permitem que as uvas alcancem um bom equilíbrio de açúcares e acidez.

O foco da minha visita foi uma degustação coordenada por Nick Power, CEO da Margaret River Wine Association, com 10 Chardonnay de diferentes de safras, de três a nove anos, e mais particularmente uma prova dominada por Cabernet Sauvignon de 23 propriedades com safras alternando de quatro a 10 anos.

Nos Chardonnay, as duas estrelas foram os bem estabelecidos Pierro, cujo vigoroso 2013 só foi superado pelo Art Series 2012 de Leeuwin Estate (ainda fechado, mas muito elegante), enquanto que, em 2005, Pierro retomou o trono. Então, vieram três propriedades novas para mim: Higher Plane, no estilo cítrico de Chablis, Hutton Triptych, com o agradável 2009, e o Hay Shield Hill, floral e com frutas de verão.

Mesmo que as plantações tanto de Sauvignon Blanc quanto de Sémillon atualmente ultrapassem as de Chardonnay, a uva borgonhesa simplesmente determina um preço muito mais elevado nas mãos certas, o que ficou comprovado pelos três single vineyard – Calgardup, Rocky Road e Burnside – de 2013 de McHenry Hohnen (David Hohnen foi um dos fundadores da Cape Mentelle, agora de propriedade da LVMH), por um belo 2011 Allingham Vineyard de Howard Park e por um cítrico porém rico “Kevin John” 2012 de Vanya Cullen.


Art Series Chardonnay de Leeuwin Estate, um dos melhores da região


Apesar de não ser a uva mais plantada, Chardonnay ganha proeminência  em Margaret River

A degustação de Cabernet Sauvignon provou, sem dúvida, que essa região é uma boa casa para os varietais de Bordeaux que mostram, em sua maioria, um bela habilidade de envelhecer sem perder frescor. Originalmente considerada uma variedade independente, o que ficou claro foi o quão bem a Cabernet Sauvignon, como em Bordeaux, adapta-se a uma pequena proporção de outras uvas bordalesas no blend. De fato, degustações nos Cullen e McHenry Hohnen mostraram quão bem Malbec e Petit Verdot podem desempenhar – Mangan Vineyard 2012 de Cullen, com 54% Petit Verdot e 46% Malbec, foi um vinho muito emocionante –,  assim como Merlot que, quando suportada por essas uvas bordalesas mais robustas, mostra firmeza adicionada ao seu charme fácil.

Mas a Cabernet Sauvignon permanece a espinha dorsal dos tintos de Margaret River – Cabernet Franc ainda é uma raridade – com diferenças no estilo e na longevidade bastante acentuadas de vinho para vinho.


Enquanto os Chardonnay de Margaret River tendem a se tornar mais refrescantes, Pierro mantém o seu estilo mais amplo


Margaret River foi uma das primeiras regiões demarcadas da Austrália

Apesar de Margaret River ser uma das primeiras três regiões na Austrália a ter seus limites geográficos legalmente definidos pelo Dr. John Gladstone, as primeiras vinhas foram plantadas há menos de 50 anos, com os vinhos sendo feitos figurativamente nas calças dos proprietários. Dessa forma, o perfil da Cabernet Sauvignon só começou a emergir nos anos 1980, quando o conhecimento foi adquirido enquanto as vinhas amadureciam.

O almoço em Cullen Wines terminou com uma das últimas garrafas de Cabernet/Merlot de 1983, vermelho tawny na cor, mas com agilidade, fruta madura, ainda mostrando a elegância e o vigor de um vinhedo histórico. Uma semana depois, jantando na casa de Michael e Stacey Hill-Smith com Brian e Anne Croser, um Brane Cantenac 1924 mostrou as mesmas características aos 90 anos de idade. No mundo do vinho, os Cabernet Sauvignon de Margaret River estão apenas na adolescência.

Dessa degustação fascinante, as propriedades bem estabelecidas – Moss Wood, Cullen (cujo Diana Madeline 2012 com 76% de Cabernet Sauvignon, 17% Merlot, 7% Cabernet Franc, e com duas décadas, levou a minha melhor nota), Leeuwin Estate, Cape Vale, Cape Mentelle, Evans & Tate e Howard Park – mostram-se consistentes, com a profundidade do Xanadu de 2007 superando sua suavidade de 2011, com muito boas safras mais jovens de Voyager 2010, Lenton Brae 2012 e Fraser Gallop “Parterre” 2012.

O mote comum entre as safras mais jovens, que espelha o que ocorre no mundo do vinho, foi a maior expressão do vinhedo e menor trabalho na cantina. O álcool foi modesto, entre 13,5 e 14,5%, com carvalho bem mesclado e taninos finos e firmes. Os vinhos mais jovens estavam mais do meu gosto, apesar de o Art Series 2005 de Leeuwin Estate ter levado a minha segunda melhor nota, acima do 2011, que vai chegar a isso durante a próxima década. Cabernet Sauvignon e blends bordaleses têm um presente ótimo e um futuro ainda melhor em Margaret River.

No geral, encontrei uma atmosfera refrescante de “trabalho em progresso”, sem nada tido como certo. Os Chardonnay estão se tornando mais magros, refrescantes e até mesmo um pouco fechados quando jovens – enquanto Mike Peterkin de Pierro permanece firme em seu aclamado estilo mais amplo. O Sémillon está invadindo o Sauvignon Blanc, especialmente em Cullen e McHenry Hohnen, e estas duas propriedades são fortes em Malbec e Petit Verdot. Pinot Noir está desaparecendo – Pierro uma vez mais permanece firme favorecendo-o. O Merlot está ganhando marcha – um 100% sem sulfito 2014 de Cullen foi pura groselha – enquanto Cabernet Franc ainda está em estágio experimental. De acordo com Nick Power, a região pode dobrar sua área de vinhedos, uma possibilidade que geralmente vejo com certo receio, mas não tanto para Margaret River.

Adelaide Hills


A geração mais jovem de enólogos está indo em direção a regiões mais frias, lotes menores e individualidade total

Adelaide Hills no sul da Austrália é uma região vibrante de clima frio, conhecida tanto por sua paisagem estonteante quanto por seus vinhos premium. Ela fica localizada no Monte Lofty Ranges a oeste de Adelaide, esticada em uma estreita faixa de aproximadamente 70 quilômetros de comprimento, com vinhedos em altitudes de 450 a 650 metros. As curvas e ondulações criam uma diversidade de climas, com Chardonnay e Pinot Noir apresentando-se bem nas áreas mais frias, Sauvignon Blanc talvez sendo a uva branca dominante, com bolsões de Riesling e Pinot Gris, enquanto que, para os tintos, Shiraz e Cabernet Sauvignon apresentam boa maturação e estrutura.

Em minha primeira visita a Adelaide Hills com Michael Hill Smith e Brian Croser, Smith ainda trabalhava com seu primo Robert na histórica Yalumba Estate antes de criar Shaw + Smith com outro primo, Martin Shaw, em 1989, e Croser estava fazendo seu nome em Petaluma, que posteriormente foi adquirida pelos cervejeiros australianos Lion Nathan, e a agora é de propriedade da cervejaria Kirin do Japão.

Sham + Smith teve início depois de um longo almoço em que os dois primos decidiram realizar um sonho antigo de fazer vinhos juntos. Michael Hill Smith foi o primeiro Master of Wine australiano e o vencedor do primeiro Madame Bollinger Tasting Trophy. Martin Shaw se graduou em Roseworthy College em 1981 e trabalhou com Brian Croser em Petaluma por oito anos antes de se estabelecer como Flying Winemaker com conexões na França, Espanha, Chile, Austrália e Nova Zelândia. A ideia deles era fazer vinhos excitantes e refinados exclusivamente de Adelaide Hills, e que pudessem estar entre os melhores do país. É certo dizer que eles conseguiram e recentemente colocaram metas ainda maiores com a compra de 20 hectares do excepcional Tolpuddle Vineyard perto de Hobart, na Tasmânia.

Michael me mostrou suas últimas criações: Sauvignon Blanc 2014 – prata pálido, nariz com grapefruit tropical, floral agradável, clareza, levemente exótico no palato, seco como osso, com acidez de dar água na boca; M3 Chardonnay 2013 – belo amarelo-limão, nariz cítrico, palato lindamente expressivo com fruta ainda emergindo, um bom vinho para amantes da Borgonha (o 2010, degustado depois, estava soberbo); Pinot Noir 2013 – cor brilhante, agradável nariz floral de Pinot, mas também com sarça, boa suavidade no palato e pegada no final, estilo muito europeu; Shiraz 2013 – cor profunda, nariz agradável de frutas negras crocantes com profundidade e pegada no palato, como um Crozes-Hermitage top, um clássico Syrah/Shiraz.

24 das Indicações Geográficas australianas são tão ou mais frias que Bordeaux

Depois provamos os primeiros dois engarrafamentos de seu primo em Tolpuddle Vineyard das safras 2012 e 2013, a primeira sendo um ano frio e a segunda, muito mais quente. Chardonnay 2012 – amarelo-limão, nariz cítrico de maçã-verde no estilo Chablis com boa amplitude e sabores de Chassagne-Montrachet no palato, uma boa expressão de Chardonnay; Chardonnay 2013 – mais floral e fruta mais realçada no nariz, talvez mais clareza e precisão no palato, muito bom, mas ainda muito jovem; Pinot Noir 2012 – vermelho intenso, nariz terroso/herbáceo, ótima doçura de meio de palato em um estilo amplo mas ainda fresco; Pinot Noir 2013 – cor brilhante, mais floral, mais Vosne-Romanée em comparação com o perfil de Beaune de 2012, vibrante, boca saborosa, ainda muito fresco, um grande vinhedo de Pinot Noir. Shaw + Smith representa o melhor da Austrália moderna. Suas famílias possuem raízes profundas no passado e suas visões focam no futuro.

Em seguida, visitamos a novíssima vinícola de Petaluma, finalizada pouco antes da colheita, onde Andrew Hardy nos mostrou uma gama de vinhos que ainda carregam a marca de Croser. Coincidentemente, o próprio Croser reconquistou a posse da vinícola original, que agora vai se tornar casa dos seus próprios vinhos TappaNappa – três décadas depois de ter colocado Petaluma no mapa do vinho fino australiano.

Começamos com três espumantes – um pálido Rosé NV com cerejas selvagens, um agradável cítrico baseado em Chardonnay 2011 e um soberbo 2002 com dégorgement tardio, cuja dosagem zero propiciou sabores de maçã e pera aparecendo sobre a textura cremosa. Dois Riesling de Clare Valley se seguiram – um Henlin Hill 2014, calcário e com pêssego branco, e um Watervale 2013 muito clássico, floral e enérgico. Depois, dois Chardonnay – um 2013 com sabores amplos de fruta e rochas de vinhas de 30 anos no vinhedo original de Piccadilly e um belo Tiers 2012 com frutas de verão e mineralidade, o vinho que é a marca registrada de Brian Croser. Terminamos com três tintos – um Coonawarra Malbec 2012 suave e sutil, um Adelaide Hills Shiraz 2012 com frutas negras e defumados, e um blend de Cabernet/Merlot/Shiraz 2010 robusto e com grande futuro. A marca Petaluma ainda significa qualidade.

Refletindo sobre o passado, Croser disse que o pior período para os vinhos australianos foram os anos 1990, devido à dominação das grandes companhias e o uso excessivo de madeira. Agora, segundo ele, as grandes empresas são bastante irrelevantes e a madeira é quase algo do passado. A geração mais jovem está indo em direção a regiões mais frias, lotes menores e individualidade total. Ele também acha que a visão da Austrália como um “país quente” está um pouco equivocada, apontando que 24 das suas Indicações Geográficas são tão ou mais frias que Bordeaux. Isso pode surpreender a maioria das pessoas, mas, como sempre, o vinho é uma longa viagem de descoberta.


Perfil tendência Margaret River Adelaide Hills Austrália novidades

Artigo publicado nesta revista

Revista ADEGA 115 · Maio/2015 · Syrah

Do Rhône, para a Austrália e o mundo / Saiba tudo sobre a uva de duas grafias e muitas histórias / Seleção especial de rótulos e estilos

Tinto ou Branco?

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 202,80R$ 405,06R$ 202,80R$ 202,80
Assine Agora porR$ 182,52R$ 324,04R$ 119,96R$ 119,96
Desconto
EconomizaR$ 20,28R$ 81,02R$ 82,84R$ 82,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 60,84 6x R$ 54,00
Assinando agora você GANHA também 1 Pôster das Cores do Vinho 1 Etilômetro + Pôster das Cores do Vinho
Tinto ou Branco?

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas