Gina de Azevedo Marques
Conta a mitologia grega que Baco, deus do vinho, é filho de Zeus com Perséfone, deusa do ciclo das colheitas.
Uma das variantes da mitologia grega conta que Baco é siciliano. Filho incestuoso de Zeus, o rei dos deuses do Olímpo, com Perséfone, deusa do ciclo das colheitas. Ele teria sido concebido em uma gruta na Sicília, onde a sua avó, Deméter, deusa da fertilidade da terra, escondeu a belíssima filha para protegê-la dos desejos de outros deuses. Foi então que Zeus, transformou-se em serpente e conseguiu fecundá-la. Não é de se estranhar esta versão, porque a Sicília no VIII século antes de Cristo fazia parte da Magna Grécia e o mito de Baco, deus do vinho por excelência, está implicitamente ligado à origem desta terra.

Em 1860 foram encontradas videiras nativas que surgiram milhões de anos antes da presença do homem nesta ilha. Hoje, graças às condições ambientais favoráveis, a Sicília chega a produzir anualmente cerca de 400 milhões de litros de vinho. Sendo que nos últimos anos a quantidade tem diminuído para favorecer a qualidade, que evoluiu com a história e a ajuda da ciência.

"A mudança foi drástica. Nos anos 80, a Sicília produzia toneladas de uvas internacionais, como Chardonnay, Cabernet e Merlot, por exemplo. Nas últimas duas décadas, passamos a priorizar o nosso estilo original, valorizando o brand ''Made in Sicily''. Portanto, viva o vinho nativo! Obviamente de qualidade.", explica Dario Cartabellotta, diretor do Instituto Regional da Videira e do Vinho da Sicília (IRVV).

A revolução qualitativa do vinho siciliano aplica um principio antigo: o respeito da biodiversidade. O ambiente ao redor, o solo e o clima, ressaltam as características originais da bebida. A diferença é que hoje existem estudos científicos para aprimorar as qualidades do produto.

Em 2005, o IRVV junto com a Unidade Operativa de Biotecnologia italiana criou um banco de germoplasma para conservar e estudar os "genes" das melhores plantas. O objetivo da conservação genética é aprimorar a qualidade e também evitar que uma praga possa extinguir uma variedade nativa, como aconteceu no passado com o inseto filoxera que destruiu muitas vinhas européias.

#Q#

A influência das dominações da ilha

 Com uma posição geográfica estratégica no Mediterrâneo, a Sicília sofreu a influência de diversas dominações dos gregos, fenícios, cartagineses, romanos, árabes, bizantinos e normandos. Cada uma destas civilizações deixou traços na cultura siciliana, na arquitetura, nos costumes, na comida e no vinho.

A região siciliana, que inclui diversas ilhas, é dotada de  microclimas exclusivos com características heterogêneas, cujas colheitas das uvas chegam a durar de julho a novembro, caso raro no mundo. Contando com estas vantagens, eles produzem vinhos de diversos tipos: doces, tintos, brancos. Cada um com a própria personalidade. Não é à toa que a Sicília conquistou o selo de certificação de qualidade européia com 22 vinhos DOC (Denominação de Origem Controlada) e um DOCG (Denominação de Origem Controlada e Garantida).

Os vinhos nativos

Na parte oriental da Sicília concentra-se a produção dos tintos, enquanto na ocidental dominam os vinhos brancos. Conhecido como o Príncipe da Viticultura Siciliana, o Nero D''Avola reina entre tintos da ilha. Com amplo e intenso aroma de frutas vermelhas, o vinho pode ser encontrado puro ou cortado com outras uvas. E sua origem vem dos tempos da dominação grega.

Quando combinado com a uva Frappato, exprime a variedade máxima: o Cerasuolo di Vittoria (o único DOCG), que com notas de cereja e romã é considerado o elixir dos deuses. Esta uva foi introduzida pelos espanhóis e é produzida no sudeste da ilha entre Ragusa, Siracusa e Vittoria.

Ainda na parte oriental, a imponência do Etna e suas constantes erupções criam um ambiente variado a 360°. O escuro solo vulcânico favorece os  vinhos tintos, mas alguns brancos também são produzidos. O melhor deles é o Etna Bianco, com a uva Carricante, cujo aroma traz notas de pêssego e flores brancas.

 

Solo vulcânico da região do Etna favorece a produção de vinhos tintos.

Os vinhedos em torno ao Etna estão entre 350 a 1000 metros acima do nível do mar. Nesta área encontram-se variedades nativas de centenas de anos, como as uvas tintas Nerello Mascalese e a Nerello Cappuccio. Esta última quase foi extinta, mas hoje a produção foi recuperada. O resultado é um vinho de elevada graduação alcoólica (entre 13 e 14%) e destinado a um longo envelhecimento com notas de rosa e ciclâmen.

#Q#

Nas ilhas Eólias, no nordeste da Sicília, tuteladas pela Unesco a "zona das sete pérolas do Mediterrâneo" é produzido um ótimo vinho doce: o Malvasia. Esta casta de uvas brancas foi trazida pelos gregos. A cor amarela dourada, com reflexos âmbar, e notas olfativas de damasco e mel transformam-no em vinho ideal para a meditação.

Já o Marsala, produzido no leste perto de Trapani, é um vinho licoroso com características diferentes. Sua história é o exemplo das diversas culturas que influenciaram a ilha. Em 1773 o comerciante inglês John Woodhouse no porto de Marsala degustou o vinho local e quis levar alguns barris para a Inglaterra. Para enfrentar a longa viagem de navio, foi adicionada aguardente de uva a fim de preservar as características e elevar o teor alcoólico. O resultado foi excelente.

  Hoje o Marsala é um vinho único, mas com tipos que variam na cor, do âmbar ao dourado até o vermelho rubi, e no sabor seco ou doce. As uvas mais usadas são Grillo e Catarratto que também produzem vinhos brancos.

O Catarratto se caracteriza pela elevada acidez que influencia positivamente o aroma fresco com notas olfativas de flores brancas. Enquanto a uva Grillo, devido ao alto teor de açúcar, tem vocação para forte graduação alcoólica que chega a 16%, o que permite uma longa conservação.

Entre os brancos, a Inzolia (ou Ansonica) é a mais antiga uva nativa. A videira é muito resistente ao clima seco e, graças às características particulares das folhas, pede menor absorção de água. Os fermentados, de tonalidade amarela palha são leves e aromáticos com notas de flores brancas silvestres com graduação alcoólica média de 12,5%.

A influência antiga dos árabes deixou um marco na enogastronomia siciliana. Eles trouxeram a uva passa, denominada também Moscato de Alexandria ou  Zibibbo, que é a essência do Passito da ilha de Pantelleria, que fica mais próxima da Tunísia do que da Itália. Trata-se de um vinho branco doce e aveludado, com notas de damasco, mel e tâmara, que pode ser tomado como aperitivo, mas é ideal para a sobremesa.

 

A colheita do Zibbibo é definida pelos italianos como heróica. O trabalho é longo e manual. Após colher os cachos, os camponeses os deixam secar em estufas protegidas da chuva. Só depois cada frutinha seca, que contém alto teor de açúcar, é separada uma a uma para se fazer um vinho que até Baco lamberia os beiços.

.

.

.


Enoturismo

Últimas Enoturismo

18-04-2013
11:16 Menina e Moça
22-01-2013
08:34 Ao perfume dos vinhedos
04-09-2012
11:31 Riviera
13-06-2012
07:55 Enogastronomia na terra da liberdade
16-04-2012
12:03 De Miró a Gaudí, a Adrià
21-09-2011
12:46 Uma viagem à Sicília através da biodiversidade do vinho
12-08-2011
11:30 Vinhas vistas do alto dos castelos
18-07-2011
13:45 Paris
28-06-2011
08:14 Entre tapas, quesos y vinos
04-05-2011
05:48 Vinho e neve
Mais Enoturismo »
Almaviva

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano



Receba o boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas

Mais lidas

1 Bons vinhos abaixo de R$50 Notícias
2 5 maneiras criativas de abrir uma garrafa de vinho sem saca-rolhas Notícias
3 Como tirar uma mancha de vinho? Notícias
4 Qual a influência do tamanho das bolhas no sabor do Champagne? Notícias
5 Que taça escolher? Capa
6 Lista traz 10 garrafas de vinho que custaram fortunas Notícias
7 Qual adega comprar? Escola do vinho
8 Conheça os mais caros e desejados vinhos do mundo Notícias
9 Vinhos e queijos, a combinação perfeita Notícias
10 Aprenda a servir o vinho na temperatura correta Notícias