Vinho, verão, viagem

O enoturismo no Brasil evoluiu tanto quanto nossos vinhos e oferece opções de diversão para os mais variados gostos e até para quem não bebe

Sílvia Mascella Rosa em 7 de Dezembro de 2009 às 14:49

O escritor e filósofo inglês G.K. Chesterton, que nasceu no final do século XIX, cunhou o seguinte pensamento: "O viajante vê aquilo que vê. O turista vê aquilo que veio ver". Mesmo considerando a censura implícita na frase, o turismo no século XXI é capaz de contentar tanto os viajantes quanto os turistas, e talvez até fazer com que eles troquem de lugar. O mais importante é que a experiência de ambos seja prazerosa e enriquecedora, principalmente se o destino é enoturístico. Isso equivale a dizer que quem veio provar vinhos seja capaz de levar consigo uma parte da história do país, de suas belezas e conquistas e quem veio somente passear, seja seduzido pelo trabalho sério e encantador que a vitivinicultura brasileira vem cultivando nas últimas décadas; tudo isso cercado de belas paisagens.
Com o objetivo de facilitar a escolha daqueles que pretendem aproveitar o verão no país e acompanhar o descanso com excelentes vinhos, ADEGA sugere alguns tipos de roteiro. Escolha seu estilo e agarre sua taça, pois os parreirais estão pesados de frutos e os caminhos esperando seus passos!

Hotel e Spa do Vinho

Vinho e Romance
Tirar férias para namorar e aproveitar uma paisagem exuberante, com dias ensolarados e noites frescas, tudo acompanhado de espumantes especiais é o sonho de muita gente. Ele se concretiza com uma passagem pelas cidades de Gramado e Canela, onde estão hospedagens charmosas e arquitetura diferenciada, além de culinária de primeira linha. Praticamente todos os restaurantes e bons hotéis dessas cidades têmem suas cartas os grandes vinhos e espumantes brasileiros.

Vinícola Miolo
Pousada Don Giovanni
Valmarino

Mas para tornar essa experiência ainda mais especial, é preciso viajar mais 100 quilômetros até o Vale dos Vinhedos e hospedar-se no luxuoso Hotel e Spa do Vinho, que fica em frente da Vinícola Miolo e oferece todas as mordomias que um casal pode desejar, até mesmo massagem a dois. Além, é claro, da proximidade de várias vinícolas do Vale. A paisagem que se avista do hotel (embora não tão linda como seu parceiro) é de tirar o fôlego, principalmente na época da colheita que casa com as férias de verão. Se o objetivo for ficar mais escondido, vale a pena seguir até a Pousada Don Giovanni (no distrito de Pinto Bandeira), que inaugurou recentemente uma "caseta" alguns metros acima de sua sede, onde o casal fica hospedado com discrição, silêncio e muitos mimos - como uma banheira de hidromassagem ao lado de um janelão com vista para os vinhedos e o nascer do sol. Sem circular muito é possível conhecer a vinícola Cave de Amadeu, a Valmarino e a própria Don Giovanni. Todas elas fazem parte do grupo dos Vinhos de Montanha e têm espumantes pra lá de especiais em suas linhas de produtos, essenciais para belos momentos a dois.

#Q#
Roali Majola
Cooperativa Vinícola Aurora

Vinho e História
A tradição dos imigrantes permeia todo o estado do Rio Grande do Sul e divide espaço com os gaúchos das fronteiras com o Uruguai e Argentina e um restante de cultura dos índios que por lá viviam no século XIX.
Mas o mundo do vinho no sul é praticamente um museu a céu aberto da história da imigração italiana para o Brasil. Cada vinícola faz questão de dizer de onde sua família veio e há quantas gerações, buscam parentes na Itália e tecem uma imensa teia que reúne novamente os dois países. A oportunidade de conversar com um produtor e saber da história de sua família é uma ocasião inesquecível para os viajantes, que mal percebem as horas passarem e o vinho consumido durante a conversa. Só no Vale dos Vinhedos são 31 vinícolas (87% delas são pequenas ou médias), a grande maioria familiares e que preservam suas tradições também como forma de manter o fluxo enoturístico na região, uma grande fonte de renda na última década.

Bento Gonçalves

Para manter vivas essas tradições, passeios, festas e grupos folclóricos permeiam a Serra Gaúcha, mas estão particularmente concentrados na cidade de Bento Gonçalves, pioneira em enoturismo no Brasil. O ideal é hospedar-se por lá onde a estrutura vem se modernizando a cada ano para receber melhor os turistas e de lá partir para os passeios. Vale a pena visitar a Cooperativa Vinícola Aurora, uma das mais antigas do país, cuja sede está em uma das ruas principais, o pórtico de entrada e a igreja São Bento - ambos em formato de pipa - e a Via del Vino, no centro, que concentra os prédios mais antigos da cidade. Como contraponto de tanta história, uma pedida é visitar a recém inaugurada Vinícola Lovara, que preserva a casa antiga de seu fundador, mas em seu entorno foi construída uma moderna e ousada vinícola.

#Q#

Almir Dupont
Caminhos de Pedra

O roteiro Caminhos de Pedra (o primeiro roteiro a se profissionalizar na região) é realizado em uma área rural da cidade. Lá foram preservadas e recuperadas as casas de pedra e madeira típicas dos imigrantes. Durante o passeio pode-se ver a moagem de erva mate, a tecelagem artesanal, a fabricação de massas caseiras e de produtos a base de leite de ovelha, presentes nos restaurantes da região. Alguns deles, como a Casa Vanni e o Nona Ludia, recebem às vezes um grupo de atores em roupas de época que recriam a saga dos primeiros moradores, cantando e contando histórias.

Vinícola Dal Pizzol
Vinícola Salton

Com a família e em grupos é possível visitar a Vinícola Dal Pizzol, no distrito de Monte Lemos, com uma bela área preservada que se transforma em um parque seguro para as crianças (com animais de pequeno e médio porte soltos entre as árvores), além de um vinhedo modelo, com parreiras de todo o mundo e videiras históricas que foram plantadas na região há quase 100 anos. Um pouco mais adiante, no distrito de Tuiuty, fica a Vinícola Salton, que completa 100 anos em 2010 e tem um passeio guiado por sua enorme sede que pode ser feito em grupos grandes ou em família. No mesmo distrito vale a pena provar a culinária tirolesa do Pignattella.

Visitar a região do Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul, significa conhecer as tradições e a história do vinho no Brasil

Vinho e Aventura
Faz pouco tempo que os vinhos do estado de Santa Catarina entraram de vez na carta do Brasil, portanto a estrutura enoturística do estado ainda é precária. Mas, se o viajante estiver passeando em Florianópolis e tiver disposição e um pouco de tempo, pode descobrir que os caminhos que conduzem até os vinhos de Santa Catarina são cheios de aventura.
A Serra do Corvo Branco, por si só, é um passeio imperdível para os amantes da natureza. Mas tenha certeza de não beber absolutamente nada antes de pegar essa estrada. Suas curvas são fechadas, com descidas íngremes e uma paisagem de tirar o fôlego. A parada é na cidade de Urubici, que tem todo tipo de hospedagem para os que gostam de rapel, arborismo e pesca. Quando a noite cai, mesmo no verão, o friozinho abre espaço para os bons vinhos, a comida e a conversa animada.

#Q#

Villa Francioni

No dia seguinte vale seguir viagem em direção a São Joaquim, onde está a mais bela vinícola do estado, a Villa Francioni, com boa infraestrutura, lindos vinhedos e vinhos especiais. Ainda na região, o Snow Valley é garantia de aventura diurna com pêndulo, muro de escalada, cachoeiras e até uma trilha que leva a um bosque de xaxins gigantes.
Seguindo até a cidade de Lages, pode-se visitar os vinhedos da Vinícola Santo Emílio, no município de Urupema, em uma região alta e fria, onde a pedida são os passeios a cavalo (que saem de Lages) e podem durar até sete dias, com noites em fazendas e acompanhamento de guias.

Vinícola Santo Emílio

No Rio Grande do Sul, vale a pena ficar em Canela, que concentra vários parques bem equipados para os turistas em busca do contato direto com a natureza (entre eles o do Caracol, da Ferradura, Alpen e Fazenda da Serra). É possível fazer rafting no rio Paranhana (com três horas de duração) e durante o verão esse esporte pode até ser praticado à noite. As opções de hospedagem são variadas, bem como de restaurantes e bares, nos quais a influência alemã é bem presente.

Cristiano Rosa
Pousada Quinta dos Marques
Almir Dupont
Rio das Antas

Para compensar o despojamento de um dia de contato com a natureza, hospede-se na bela Pousada Quinta dos Marques, onde é possível fazer massagem e ofurô em uma cabine na beira da mata de pinheiros e praticar meditação sob as árvores depois de dormir em travesseiros de pena de ganso aromatizados com lavanda do próprio jardim. Em Bento Gonçalves, o Rio das Antas também concentra várias atividades como rafting em corredeiras e tirolesa e fica bem perto das vinícolas do Vale dos Vinhedos.


A região sul tem diversas opcões para você se integrar à natureza e, ao mesmo tempo, descobrir os encantos da produção de vinhos

#Q#

época de colheita de uvas

É bom lembrar ao viajante que não tem medo de natureza que o começo do ano é época de colheita de uvas. Assim, além de uma paisagem que vai ficar colada na retina por um longo tempo, é possível colocar a mão nas uvas e experimentar um dia de vinhateiro. Dentro do vale, a Vinícola Pizzato oferece um passeio para grupos no primeiro sábado de fevereiro que inclui desde o plantio das uvas, colheita e vinificação até a pisa dos grãos, culminando com um delicioso almoço harmonizado com os vinhos da casa.

Sílvia Rosa
Pousada da Casa Valduga

Vinho e Família
O verão é a época mais movimentada para as férias em família, assim muita gente imagina que uma região produtora de vinhos não seja o passeio ideal para levar crianças e adolescentes. Antes de mais nada é preciso dizer que uma grande parte dos produtores de vinhos também produzem excelente suco de uva integral, que faz bem para a saúde e é uma valiosa alternativa para os refrigerantes tão apreciados pela garotada. Na Casa de Madeira - dentro do Vale dos Vinhedos - é possível visitar a fábrica de sucos e comprar vários produtos diferenciados, com zero de álcool.

Spa do Vinho
Daniela Villar

A viagem com os pequenos pode ir para lugares como Gramado, que tem a Aldeia do Papai Noel - dentro do lindo parque Knorr -, o Mini Mundo e o Lago Negro nas redondezas. Depois é só atravessar os poucos quilômetros até a cidade de Canela, onde fica a Cascata do Caracol e o Parque da Ferradura, opções agradáveis para toda a família. Já na região dos vinhos, Bento Gonçalves é o ponto de partida do passeio de Maria Fumaça até Carlos Barbosa, com belas paisagens, vinho, suco e música folclórica.

Os adolescentes vão adorar ficar na cidade de Bento Gonçalves, onde a paquera rola fácil na avenida em frente ao Hotel Dall'Onder e os pais podem ficar de olho enquanto provam uma pizza em um dos restaurantes da mesma avenida. Os que se hospedam dentro da Pousada da Casa Valduga terão piscina à disposição e uma área grande e segura para explorar enquanto os pais fazem um rápido curso de vinhos. Já nos hotéis Villa Michelon e Spa do Vinho, monitores se encarregam de entreter a criançada enquanto os pais curtem o lado vinífero da viagem ou um especialíssimo banho de imersão em uvas e um tratamento estético com produtos franceses.

Vinho e Gastronomia
Para os viajantes que querem mudar de paisagem, de rotina e de cardápio, o Rio Grande do Sul tem variadas culinárias regionais que combinam bem com seus vinhos. Obviamente a Serra Gaúcha sofre uma influência marcante da imigração italiana, bem representada nas tradicionais galeterias que ultrapassaram as fronteiras do estado.

#Q#

Garibaldi
Sílvia Rosa
Peterlongo

Escolher uma cidade como ponto de partida de um tour enogastronômico pode ser um tanto difícil para o turista, então a dica de ADEGA é a cidade de Garibaldi, a capital dos espumantes. Lá, hospede-se no histórico hotel Casacurta, cujo charmoso restaurante é cuidado pela proprietária Ana Maria, uma das mulheres de maior bom gosto da região. Durante o dia visite vinícolas tradicionais, como a Peterlongo e a Chandon e para jantar (além da Hostaria Casacurta) vá conhecer a Trattoria Primo Camilo, do ex-jogador de futebol Pessali, que consegue juntar ambiente histórico, decoração charmosa, bons vinhos e culinária caprichada em um só lugar.

Saindo de Garibaldi, logo na entrada do Vale dos Vinhedos fica o elegante restaurante Don Ziero, que faz parte da Vinícola Cordelier e é uma opção diferenciada para uma refeição no Vale. Os restaurantes das vinícolas dentro do vale, como a Miolo, a Torcello e a Casa Valduga, costumam receber grupos com uma estrutura bem montada. Na Casa Valduga, que tem em sua propriedade a primeira pousada em vinícola do vale, também possui restaurantes que recebem o turista que viaja por contra própria. A culinária pode ou não ser a tradicional da região, que o cuidado no preparo é o mesmo.

Na estrada que liga Bento Gonçalves a Garibaldi fica o Castelo Benvenutti, endereço conhecido de todos. Ele abriga uma loja de vinhos brasileiros muito completa, um hotel boutique em estilo polonês (Zamek), o "Vin Caffé", que tem em seu cardápio alguns pratos poloneses especiais, uma loja de decoração e restaurantes da rede Di Paolo, que prepara os mais famosos galetos da região em sistema de rodízio com capricho artesanal e excelente carta de vinhos. Na entrada da cidade de Bento Gonçalves fica outra casa famosa do grupo, o Canta Maria.

Em Gramado, existem variados e bons restaurantes que conseguem se manter ao largo da obrigatoriedade de café colonial. Uma excelente opção é o restaurante Le Cacerie, dentro do Hotel Casa da Montanha, especializado - como o nome indica - em carnes de caça, com uma carta de vinhos bem especial para acompanhar cada prato. Lá também é possível provar o melhor da culinária suíça no Belle du Valais.

Fazenda Ouro Verde

Vinho e Verão
Por fim, os viajantes que não abrem mão de sol e água durante as férias podem tomar o rumo da viagem mais ousada que o enoturismo brasileiro propõe atualmente: o Vale do Rio São Francisco, entre os estados da Bahia e Pernambuco. Os vôos levam o viajante até a cidade de Petrolina, onde é possível alugar um carro (também existem excursões) para conhecer algumas das mais de 10 vinícolas da região (em um raio de até 70 km de Petrolina). Bons exemplos são a Miolo, com sua Fazenda Ouro Verde - no lado baiano -, e a Vinibrasil (do grupo português Dão Sul) à beira do São Francisco - no lado pernambucano..

#Q#

Vinibrasil

Prepare-se, pois o calor é intenso (embora seco), mas as paisagens são encantadoras e inesperadas. A hospedagem nas cidades de Petrolina e Juazeiro não é excelente, mas também está longe de ser ruim e elas têm razoável infraestrutura para os turistas, além do atrativo maior que é o impressionante rio São Francisco (em que é possível fazer passeios de barco), a barragem de Sobradinho e, é claro, os vinhos.

Prove os sushis preparados com peixes de rio, acompanhados dos espumantes de lá e também a carne de bode (apresentada em uma inacreditável miríade de pratos no famoso Bodódromo) acompanhada de um vinho rosé fresco. Na volta de Petrolina, para atenuar o calor, faça uma parada na cidade do Recife e aproveite as praias, fechando o passeio com chave de ouro!

Para quem quer aproveitar bastante o sol, a região do Vale do São Francisco é uma boa opção. Além do visual deslumbrante do "Velho Chico", novos projetos vitivinícolas são grandes atrativos

*Consulte através da internet os horários de funcionamento de restaurantes, vinícolas e passeios. Alguns hotéis têm preços mais interessantes para reservas feitas online e com antecedência.


Enoturismo

Artigo publicado nesta revista

Almaviva

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 202,80R$ 405,06R$ 202,80R$ 202,80
Assine Agora porR$ 182,52R$ 324,04R$ 119,96R$ 119,96
Desconto
EconomizaR$ 20,28R$ 81,02R$ 82,84R$ 82,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 60,84 6x R$ 54,00
Assinando agora você GANHA também 1 Pôster das Cores do Vinho 1 Etilômetro + Pôster das Cores do Vinho
Almaviva

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas