Revista ADEGA

Quiz

25 passos sem volta do fanático por vinhos

Faça nosso quiz e descubra que tipo de enófilo você é

Arnaldo Grizzo em 5 de Outubro de 2018 às 11:00

 

É difícil não se apaixonar pelo mundo do vinho. Depois que começamos a apreciar essa bebida, é complicado não se deixar levar por esse mundo de encantamentos que não estão somente nos aromas e sabores, mas em tudo o que o envolve, desde a história até o ritual da degustação.

 

Sendo assim, será que o vinho está tomando um papel importante na sua vida? Será que você já está contagiado pelo “vírus do vinho” (como diz o enólogo Santiago Achaval ao definir a relação das pessoas com o líquido)?

Para ajudá-lo responder essa pergunta, ADEGA então propõe um divertido quiz. Nele, elencamos 25 alternativas com atitudes típicas de enófilos. Confira em quais você se enquadra e, ao final, veja qual o seu perfil.

 

Perfis

Enófilo convencional: Você se enquadra em até 5 das alternativas apresentadas abaixo.

Enófilo inveterado: Você percebe que de 5 a 10 alternativas encaixam-se no seu perfil.

Completamente apaixonado por vinho: Entre 10 e 15 alternativas, o vinho já está na sua lista de prioridades.

Fanático por vinho: Viu-se de 15 a 20 alternativas? O vinho é quase uma religião para você.

Louco por vinho: Se “acertou” mais de 20 alternativas, quer dizer que você “vive o vinho”.

Doente por vinho: Enquadra-se nas 25 opções apresentadas? Você é um fundamentalista!

 

 

ALTERNATIVAS

 

1

Já não cabem mais vinhos nas adegas e nem no armário debaixo da escada.

– Todo enófilo começa comprando alguns poucos vinhos para beber no dia a dia e logo se vê colecionando rótulos. No início, improvisa lugares para guardar, como um armário debaixo da escada, por exemplo. Depois, resolve comprar uma pequena adega. Com o tempo, a adega se revela pequena demais. Em breve, todos os cômodos da casa acabam tendo vinhos estocados.

 

2

Você se pega girando e cheirando até taças de água.

 

– O gesto de girar a taça para volatizar melhor os aromas se torna tão comum que, mesmo quando não está degustando um vinho, continua com esse “tique nervoso” não importa qual a bebida que esteja na sua mão e tampouco o tipo de copo. Cuidado apenas para não derrubar café quente em si mesmo!

 

 

3

Você passa a planejar suas férias em função de locais onde pode visitar uma vinícola ou, ao menos, comprar bons vinhos para trazer na mala.

– De repente, aquelas férias de verão na praia começam a ser trocadas de local e de estação, indo para o inverno e regiões vitivinícolas. A família quer esquiar? Ótimo, que tal primeiro uma passadinha por Mendoza ou algum vale chileno? Querem ir para a Disney? Sem problema, vamos vasculhar Miami em busca de lojas de vinho. E tudo se ajeita.

 

4

Você sabe dizer as 18 uvas autorizadas em Châteauneuf-du-Pape.

– E você ainda diz: “Originalmente eram 13, mas houve uma subdivisão de algumas castas e, com isso, agora a soma são 18”. Você também sabe que Tempranillo, Tinta Roriz e Aragonês são a mesma variedade. Sabe ainda que Pouilly-Fuissé e Pouilly-Fumé são coisas completamente diferentes e, mais, sabe pronunciar os dois nomes com perfeição.

 

5

Você deixa de comprar uma garrafa porque aquela safra não foi das melhores.

– Você sabe que Château Margaux é um grande vinho e sonha em ter um em sua adega. De repente, dá de cara com uma garrafa com um preço razoável em uma loja. A mão começa a coçar. No entanto, você olha e vê que é da safra de 1973 (um ano muito ruim em Bordeaux), fica decepcionado e vai embora sem cerimônia.

 

6

Você sempre acha que um vinho está jovem demais para ser aberto.

– “Um infanticídio”. O termo não sai da cabeça daqueles que começam a provar grandes vinhos de safras antigas – que mostram outras características além da boa fruta, acidez e taninos. Eles, contudo, logo se veem guardando “vin de table” na esperança/ilusão de que aquele líquido se torne algo que nunca será. Além disso, você começa a achar que praticamente todo vinho merece ser decantado.

 

7

Você fica irritado ao ir a um restaurante e ser servido em taças de vidro comum.

– Quando você começa a perceber que o tipo de taça faz muita diferença na apreciação de um vinho, uma das coisas que mais lhe deixa frustrado é degustar um vinho em uma taça “sem vergonha” de vidro. Quando não em um recipiente ainda mais inapropriado, de boca larga e bojo baixo. Aí então é de matar, pois você possui jogos de taças específicos para cada variedade de uva em casa.

 

8

Você se incomoda ao ver alguém segurando uma taça pelo bojo e não pela haste.

– Uma das primeiras coisas que o enófilo aprende é que a taça de vinho deve sempre ser segurada pela haste, nunca pelo bojo – para não esquentar a bebida e também não sujar o cristal. Então, presenciar essa cena é como ver alguém usar a toalha como guardanapo...

 

9

Você passa a colecionar mais garrafas do que vai conseguir beber em 50 anos.

– Apreciar vinho e colecionar são quase que sinônimos. Nenhuma paixão por vinho resiste ao ato de colecionar garrafas. Esse “vício” tende a começar sutilmente, mas logo vira uma obsessão e tudo é motivo para colocar mais uma garrafa na adega. De repente, você percebe que não vai conseguir beber tudo o que guardou, mas, ainda assim, continua comprando freneticamente.

 

10

Você rapidamente joga fora um vinho que não é do seu agrado e parte para outra garrafa sem dó.

 

– Este talvez seja um dos sinais de maior maturidade “enofílica”. No começo, todos nós tendemos a ter algum respeito diante de uma garrafa aberta, mesmo que o vinho não esteja correspondendo às expectativas. Provamos várias vezes. Pedimos a opinião dos amigos. Ficamos inseguros. Com o tempo, todavia, ao menor sinal de problema (seja defeito, seja apenas uma questão de gosto), logo aquela garrafa vai para o lixo e abre-se outra.

 

 

11

Durante um jantar, você se incomoda que as pessoas não estejam prestando atenção no vinho.

– Os amigos se reúnem. Uns falam sobre a comida. Outros, sobre futebol. Outros ainda, sobre política. Você, no entanto, está lá, amuado, no seu canto, pensando: “Eu daria mais pontos para esse Corton-Charlemagne do que o Vasco somou nos últimos três campeonatos brasileiros”.

 

12

Você é capaz de detectar aromas de rambutão, pitaia, jambo e chirimoya nos vinhos.

– Quando se é um iniciante, se alguém diz que tal vinho tem cheiro de coco, você mergulha o nariz na taça para tentar reconhecer esse aroma. Quando já se tem alguma experiência, porém, você passa a exibir seus dotes olfativos encontrando nos vinhos os aromas mais improváveis e os atesta sem medo.

 

13

Você começa a comprar vinhos de que nunca ouviu falar apenas para descobrir se são bons.

– No começo, os amigos são sua “fonte confiável” na hora de comprar vinhos. Depois, você passa a ver resenhas de especialistas para se basear. Por fim, basta esbarrar no rótulo mais esdrúxulo da prateleira para que você o compre, leve para a casa e poste seus comentários nas redes sociais.

 

14

Você perde o medo de dar opinião sobre um vinho, mesmo que os outros discordem.

– O enófilo iniciante tende a ser um pouco tímido. Quando os amigos discutem um vinho, ele raramente sai do: “Interessante”. Com o tempo, ao perceber que há espaço para certa subjetividade nas discussões, passa a ousar: “É um Chardonnay do Novo Mundo, mas com alma francesa”. E se alguém discordar? Simples: “Provei um Chablis com essa estirpe semana passada”.

 

15

Você leva sua própria garrafa para a festa de formatura de sua filha, pois não quer beber frisante.

– Se antes você topava qualquer coisa, agora não. Quando fica sabendo que o espumante da formatura ou do casamento de seu amigo é um demi-sec, logo dá um jeito de levar uma garrafa “de algo bom”. A vida é curta demais para beber mal, não é mesmo?

 

16

Quando você vai ao restaurante e, antes de pedir os pratos, fica elucubrando as possibilidades de harmonização.

– Pedir um peixe com vinho tinto nunca mais! Agora, tão logo o garçom lhe traz o menu, você pede a carta de vinhos e fica averiguando quais pratos vão combinar com aquele vinho que pretende beber.

 

17

Você deixa de levar vinhos de que gosta e passa a levar vinhos simples para o jantar com seus amigos, pois eles não entendem nada mesmo.

– Na primeira vez, você quer impressionar, seleciona um Bordeaux de uma safra especial. Quando você menos espera, seus amigos estão entornando as taças sem cerimônia, a garrafa acaba e você ainda está tentando decifrar os aromas. Para finalizar eles ainda perguntam: “Só trouxe uma garrafa?”

 

18

Você fica irritado pelo vinho não estar na temperatura correta.

 

– Colocar o tinto no balde de gelo e só sentir os taninos é coisa do passado. Agora você sabe que o vinho se expressa melhor quando na temperatura correta. E, na ânsia de acertar, anda com um termômetro. E, se a temperatura sobe um grau, faz um escândalo e impede que o vinho continue sendo servido.

 

 

19

Você planeja um jantar apenas para abrir um vinho.

– Para um enófilo de verdade, qualquer pretexto é pretexto para abrir um vinho. Pode ser tanto uma promoção no trabalho quanto um dia de aborrecimentos. Mas nada melhor do que um jantar, pois nele você planeja tudo em função do vinho.

 

20

Você se pega discutindo o conceito de mineralidade.

– Nada mais cativante para um enófilo do que comentar e discutir o vinho que está sendo provado. Contudo, com o tempo, os comentários que iam do mero “gosto ou não gosto”, passam para “maceração carbônica é uma tendência” e afins.

 

21

Você guarda rolhas e garrafas vazias como troféus.

– Não é difícil reconhecer a casa de um enófilo. Basta entrar e dar uma olhada na estante da sala. Se no lugar de livros, troféus e medalhas de esportivas houver garrafas vazias, rolhas, certificados de cursos de sommelier etc, você já matou a xarada.

 

22

A adega é o seu lugar preferido da casa.

– Sua esposa planejou o quarto do bebê com cuidado, juntos, vocês decidiram qual seria o melhor modelo de cozinha, os detalhes do banheiro etc. Mas o cômodo cuja dedicação (e talvez o gasto também) foi maior, indubitavelmente, é a adega, com prateleiras personalizadas, controle de temperatura e umidade de última geração etc.

 

23

Você passa a ligar para os restaurantes perguntando se eles aceitam que leve vinho e qual o valor da taxa de rolha.

– Na verdade, você sequer gosta de pensar em degustar seus vinhos fora do “conforto e segurança” de sua casa, mas, quando não há como fugir, a primeira providência é selecionar bem o restaurante e não tirar o olho do sommelier. No fim, você mesmo quer fazer o serviço do vinho para não correr riscos.

 

24

Você se irrita quando o garçom entrega a carta de vinhos para outra pessoa na mesa.

 

– “Como assim ele não é capaz de perceber que eu sou a pessoa que mais entende de vinhos nesta mesa?” Esse é o seu primeiro pensamento. Para logo em seguida fica ainda mais irritado quando a pessoa que recebeu a carta fica lhe perguntando: “O que você acha desse vinho?”

 

 

25

Você faz da abertura da garrafa um ritual sagrado.

– Quando alguém lhe traz um vinho com tampa de rosca, você olha torto. Ao abrir a garrafa, você tem todos os aparatos. Corta lacre, corta gotas, salva-gotas, termômetro, decanter e vela, além, obviamente, de seu saca-rolhas preferido. Tirar a rolha é um momento único.


Notícias quiz fanático enófilo

Artigo publicado nesta revista


Gran Reserva

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
Digital
1 ano
Digital
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaDigitalDigital
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241224
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 432,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 64,80R$ 100,00
Desconto
EconomizaR$ 151,20R$ 332,00
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também Guia ADEGA Guia ADEGA Vinhos do Brasil 2018/2019 + Poster "as cores do vinho"

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas