As variações do Chablis

Conheça os estilos do vinho branco mais famoso do mundo e confira a avaliação dos melhores rótulos disponíveis em nosso mercado


Chablis é o vinho branco mais conhecido em todo o mundo. O nome Chablis ecoa na memória dos decanos amantes do vinho por vários motivos. Este branco francês é um clássico, notoriamente charmoso, seco e delicioso, a companhia perfeita para ostras frescas. Por outro lado, o nome Chablis também se tornou conhecido por ser um dos vinhos mais imitados ao redor do mundo. Da Califórnia à Austrália; mesmo no Brasil dos anos 1970 a 1990 era muito comum sacarmos rolhas de brancos insípidos ostentando o nobre nome borgonhês no rótulo. Hoje esta prática felizmente foi proibida, e apreciamos o bom e verdadeiro Chablis.

Mapa da França

Oficialmente parte da Borgonha, a região do Chablis está geograficamente afastada, localizada mais ao norte, quase na região do Champagne. Esta Appellation d’Origine Contrôlée (AOC) ocupa cerca de três mil hectares ao redor da pequena cidade de Chablis. O clima é semi-continental, sem influência marítima, com grandes contrastes de temperaturas. Os invernos são longos e frios, os verões, mornos, com boa insolação. Geadas e chuvas de granizo assolam eventualmente a região, tornando variáveis as qualidades das safras. Para comprar bons Chablis é importante saber os bons anos. Safras recentes de destaque são 2002, 2003 e 2005.

Savigny-lè s-Beaune, em Borgonha, França

O solo da região é, em geral, argilocalcáreo. Os melhores exemplares vêm dos arredores da cidade de Chablis, onde predomina um solo calcário chamado Kimmeridgian, de origem muito antiga, remontando ao período Jurássico. Em geral, quanto mais próximos ao centro da região, melhores os solos e os vinhos, ao passo que quanto mais na periferia, menor a qualidade do vinhedo e do produto final. A uva é sempre a mesma, a Chardonnay, a única permitida. Portanto, o que faz a diferença no estilo dos vinhos é o solo e os métodos de elaboração.

Existem quatro tipos de Chablis que, em uma hierarquia crescente, seriam: Petit Chablis, Chablis, Chablis Premier Cru e Chablis Grand Cru. Podemos dividir estas quatro categorias em dois grupos, os dois primeiros são vinhos mais leves, geralmente sem passagem por madeira. Os Petit Chablis são quase sempre os mais simples, produzidos na periferia da região, leves e feitos para serem bebidos mais jovens. Os Chablis básicos, também chamados de “Chablis AOC”, são os mais populares, o arquétipo dos Chablis. Eles podem ser excelentes compras.

Os Chablis Premiere Crus trazem em seus rótulos a denominação Premier Cru, acompanhada do nome de um dos cerca de 40 vinhedos dispersos pela região que possuem esta classificação, como Vaillons ou Fourchaumes (veja nos vinhos testados). Não basta, todavia, ser um Premier Cru para ser um bom vinho. O nome do produtor conta bastante.

Os Chablis grand Crus são a elite e raramente decepcionam. São apenas sete os vinhedos classificados como Grand Cru: Les Clos, Blanchots, Les Preuses, Bougros, Grenouilles, Valmur e Váudesir. Existe ainda o vinhedo La Moutonne, que não possui a classificação de Grand Cru, mas tem o mesmo status, pois fica entre os vinhedos Váudesir e Les Preuses. Os Grand Crus são sempre caros, mas geralmente ganham na relação preço x qualidade quando comparados aos grandes da Côte d´Or, como o já citado Montrachet. Em geral, o estilo dos Chablis Grand Cru é austero por ter acidez marcante, ser muito seco e mineral, complexo e encorpado. Enquanto harmonizamos uma Chablis comum com ostras frescas, os Premier Cru e os Grand Cru pedem pratos de maior intensidade de sabor, como salmão defumado, eventualmente com molhos cremosos, e suportam até uma ousadia como o foie gras.

ADEGA testou às cegas 17 Chablis, entre Petit Chablis, Chablis AOC, Premier Crus e Grand Crus, descobrindo boa tipicidade, bons preços e grandes vinhos. Confira a Tabela de Notas na página 64.

#Q#

PETIT CHABLIS
Petit Chablis 2005

Domaine Bernard Defaix, Borgonha - França (Enoteca Fasano, R$98,00). Não passa por madeira. Palha claro brilhante com reflexos esverdeados. Aromas de boa intensidade e ótimo frescor, com frutas maduras na frente. Paladar leve e macio, com 12,5% de álcool.

Petit Chablis La Porte
d’or 2005

Cave de Chablis, Borgonha - França (Expand, R$98,00). Palha claro brilhante com reflexos esverdeados. Não passa em madeira. Aromas intensos e muito frescos, comandados por frutas maduras, como abacaxi e pêssego, e cítricos, como maçã verde. Paladar leve, macio, boa acidez, com 12,5% de álcool. Estilo mais cremoso e moderno do que o “nervoso” clássico de Chablis. As frutas mais maduras ditam o ritmo.

CHABLIS
Chablis 2005

Laroche, Borgonha - França (World Wine/La Pastina, R$90,00). Sem passagem por madeira, com fermentação malolática, permanece com as borras por seis meses em tanques de Inox. Amarelo palha claro e brilhante, com reflexos dourados. Aromas intensos e típicos, com maçãs, frutas maduras, como pêssego e abacaxi, e o inconfundível toque mineral. Paladar de médio corpo, acidez excelente, como se espera de um bom Chablis, bem equilibrada com 12,5% de álcool. De ótimo produtor, excelente compra.

Chablis 2005

Jean-Paul & Benoît Droin, Borgonha - França (Vinci, uS$53,90). Sem passagem por barris de carvalho. Amarelo palha claro e brilhante, com reflexos esverdeados. Aromas com esplêndido frescor, muita maçã verde, kiwi, lima, algo de grama cortada, fundo mineral. Paladar leve e fresco, acidez excelente, muito vivo, equilibrado com 12,5% de álcool, longo. um belo Chablis, típico, com acidez vibrante. Pequeno produtor, muito premiado, ótima compra.

Chablis 2006

Faiveley, Borgonha - França (Mistral, uS$49,90). Sem passagem por barris de carvalho. Amarelo palha claro e brilhante, com reflexos esverdeados. Aromas de grande frescor, cítricos, maçã verde, flores, com toque mineral elegante. Paladar leve, fresco, acidez bem equilibrada com a textura e 12,5% de álcool. Chablis com ótima tipicidade, muito leve, delicioso. Produtor de grande prestígio.

Chablis 2005

Domaine William Fèvre, Borgonha - França (Grand Cru, R$95,00). Sem passagem por barris de carvalho. Amarelo palha claro e brilhante com reflexos esverdeados. Aromas elegantes, cítricos, lima, limão, maçã verde, flores brancas, mineral típico, toque de mel. Paladar leve, com ótima acidez, equilibrada com boa maciez e 12,5% de álcool, longo. um belo Chablis de estilo clássico, limpo e elegante.

Chablis 2003

Maison Champy, Borgonha - França, (Vinci, uS$56,00). Amarelo palha com reflexos dourados. ótimo ataque no nariz, com um mineral muito marcado na frente, junto com frutas maduras, abacaxi, pêssego, amanteigados. Paladar untuoso, macio, com 13% de álcool, média persistência. um Chablis pronto, com forte personalidade.

Chablis 2005

Abel Pinchard, Borgonha - França (Casa Flora/Porto a Porto, R$80,00). Palha claro e brilhante. Bom ataque no nariz, com certa doçura de frutas mais maduras nos aromas, cítricos, coco, amanteigados. Paladar de leve a médio corpo, untuoso, com 13% de álcool, boa acidez, elegante, longo. um bom Chablis AOC, frutrado e macio.

#Q#

Chablis PiCQ 2005

Gilberto PICq, Borgonha - França (Premium, R$99,40). Amarelo palha claro e brilhante, com reflexos esverdeados. Aromas intensos e boa complexidade, frutas mais maduras, minerais bem presentes, bom frescor. Paladar de médio corpo, ótima acidez, macio, com 12,5% de álcool, longo. Estilo mais maduro e frutado. um belo Chablis AOC.

Chablis 2004

Patriarche, Borgonha - França (Paralelo 35 Sul, R$70,20). Fermentado em barris de carvalho francês, onde permanece por 12 meses. Palha claro e brilhante. No nariz tem bom ataque, com aromas de flores brancas, frutas cítricas e um toque mineral elegante e fresco. Paladar leve, boa acidez, 12,5% de álcool equilibrados com seu corpo e maciez. um Chablis com boa tipicidade no estilo jovem e fresco. Se alguém pensou em ostras frescas pensou certo.

Chablis 2005

Louis Latour, Borgonha - França (Aurora, R$104,26). Amarelo palha com reflexos dourados. Aromas de frutas bem maduras, toque de mel, abacaxi, minerais, maçã, pêssego, baunilha. Paladar de médio corpo, macio, com 13% de álcool, boa acidez, embora não “nervoso” como os Chablis mais típicos.

CHABLIS PREMIER CRU
Chablis Premier Cru
V vaillons 2005

Jean Gagnerot, Borgonha - França (Vitis Vinifera, R$164,00). Amadurecido por três meses sob suas borras em tanques de inox e, posteriormente, de seis a nove meses em barricas de carvalho francês. Palha claro com reflexos dourados. Aromas nos quais o toque metálico típico é bem presente, a madeira é discreta e está bem casada com frutas maduras, cítricos e mel. Paladar de médio corpo, macio com 12,5% de álcool, equilibrados com boa acidez, fim de boca longo e mineral, com toque de ervas. Estilo mais voltado ao frescor e mineralidade com elegância.

Chablis Premier Cru
Montmains 2005

Joseph Drouhin, Borgonha - França (Mistral, R$150,10). Passa nove meses em barricas. Palha claro brilhante, com aromas muito frescos, nos quais as frutas vêm na frente, a madeira não aparece, toques minerais imprimem elegância e distinção, aromas se abrem ao longo da degustação na taça, mostrando especiarias, flores brancas, maçã verde. Paladar leve, esplêndida acidez, 12,5% de álcool, bastante longo. Classe e tipicidade, apenas um pouco magro para um 1er Cru.

Chablis Premier Cru
Fourchaumes 2004

Lamblin & Fils, Borgonha - França (Casa do Vinho, R$139,00). Amadurece por seis meses em carvalho francês. Amarelo palha com reflexos dourados. Aromas intensos de boa finesse e complexidade, lembrando maçã, pêssego, mel, flores brancas, minerais. Paladar de médio corpo, boa acidez, bem equilibrada com 13% de álcool, longo.

Chablis Premier Cru
Vaillons 2005

Philippe Bouchard, Borgonha - França (Vinea Store, R$169,00). Amarelo palha claro, reflexos dourados, brilhante. Aromas com mineralidade e fruta madura bem amalgamados, com típico toque metálico, abacaxi maduro, baunilha, muito fresco, ervas aromáticas. Paladar de médio corpo, equilibrado e elegante, boa acidez, macio com 12,5% de álcool, untuoso. Estilo mais moderno, no qual fruta e maciez convivem bem com a mineralidade e a boa acidez do vinho.

Chablis Premier Cru
Beauroy 2004

Philippe Pacalet, Borgonha - França (World Wine/La Pastina, R$420,00). Amadurece de 12 a 16 meses em barricas de um ano de uso. Amarelo palha com reflexos dourados. Aromas de frutas cítricas, lima, maracujá, laranja, mel, abacaxi, toque metálico de minerais, baunilha. De paladar encorpado, ótima acidez bem equilibrada com maciez, 12,5% de álcool, longo. Deve evoluir na garrafa, mostra já sua classe

CHABLIS GRAND CRU
Chablis Grand Cru
Les Clos 2004

Domaine William Fèvre, Borgonha - França (Grand Cru, R$364,00).Amadurecido de 12 a 15 meses em barricas de carvalho. Amarelo dourado brilhante. Aromas intensos e elegantes, muita fruta madura na frente (abacaxi, kiwi, pêra, cítricos como lima), especiarias, baunilha, mel, mineralidade aparece depois, bem presente. Paladar concentrado, macio, com 13% de álcool, ótima acidez, longo. Um grande Chablis, muito fino e potente, de guarda, que ainda deve evoluir.

Chablis Grand Cru
Les Clos 2004

Verget, Borgonha - França (World Wine/ La Pastina, R$460,00). Amadurecido em carvalho, mas quase todo já usado. Segundo Jean-Marie Guffens, o proprietário, “apenas cerca de 1% dos barris eram novos”. Amarelo dourado brilhante. Aromas de frutas maduras, abacaxi, pêssego, com toque mineral de “pedra de fuzil” ou fumaça. Encorpado, untuoso, 13% de álcool e excelente acidez, longo. Já mostra muitas qualidades, mas deve evoluir em garrafa.

Marcelo Copello

Publicado em 29 de Novembro de 2007 às 08:50


DOC

Artigo publicado nesta revista