Escola do vinho

Blend, corte ou mistura. Saiba tudo sobre esta técnica

A ADEGA preparou um guia com a história, a método e a história dos principais blends do mundo


 

Um brinde às grandes misturas

Em uma época em que se fala tanto da “essência do terroir” e de como alguns produtores “traduzem” o sabor de uma determinada região em um vinho singular, “com o gosto do lugar”, há quem pense que é um contrassenso quando apontamos um blend como representativo de uma localidade. Mas acredite, um rótulo feito com uma mistura de uvas pode ser tão ou mais representativo do que um monovarietal. 

Quando se trata deste “gosto do terroir”, uma de nossas primeiras referências é a Borgonha, com seu retalho de vinhedos, cada um deles “traduzido” em forma de vinho pela sutileza da Pinot Noir. Uma única uva capaz de sintetizar a essência de uma parcela, muitas vezes ínfima, de terra. O mesmo raciocínio vale para os Crus de Barolo, produzidos com a Nebbiolo, e também para regiões “menos tradicionais” como as novas indicações geográficas do Vale de Uco, na Argentina, em relação à Malbec. Faz sentido então pensar que variações mínimas podem ser mais facilmente captadas por uma única variedade. 

Contudo, quando voltamos no tempo, aos primórdios da vitivinicultura mundial, o blend provavelmente veio antes do varietal. Na Antiguidade, por exemplo, uvas tintas e brancas eram misturadas sem grande distinção para produzir vinhos. Aliás, até hoje algumas regiões famosas permitem uma pequena porcentagem de uvas brancas misturadas às tintas, como em Chianti, por exemplo, em que se permite que a Trebbiano vá junto com a sempre majoritária Sangiovese. 

Várias das principais denominações de origem do planeta, por sinal, são de vinhos originariamente feitos com blends de uvas. Para quem coloca a Borgonha como pilar do “gosto do terroir”, vale lembrar que somente na França há pelo menos outras três regiões igualmente célebres, mas por misturas: Bordeaux, Champagne e Rhône. Nesses três locais é quase impossível falar de “essência do terroir” sem mencionar as variedades associadas a cada um deles. Há casos de monovarietais nas três regiões mencionadas? Sim, você tem châteaux bordaleses que usam apenas uma uva, tem os Blanc de Blancs de Champagne, tem até Châteauneuf-du-Pape – que pode utilizar até 18 castas diferentes – feito com uma cepa só. Mas eles são exceções, pois nesses locais, o que representa o terroir é, definitivamente, a mistura. 

Pensando nisso a ADEGA montou essa guia com as principais informações para você conhecer o porquê se faz um blend, qual a técnica e a história dos mais famosos cortes do mundo, navegue abaixo nas páginas e tire suas dúvidas sobre este método.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Da redação

Publicado em 3 de Março de 2021 às 14:36


Notícias Blend Corte Mistura Vinho História Escolda do vinho