Escola do vinho

Colocar gelo no vinho é "sacrilégio"?

Pode ou não pode? E como resfriar o vinho na taça sem necessariamente colocar gelo


gelo no vinho

Na Antiguidade, algumas das primeiras leis relacionadas ao vinho giravam em torno da adição de água na bebida. Sim, havia punições severas para quem fosse pego colocando água no vinho. Essa ideia de que água e vinho não devem ser misturados foi ainda mais forte durante a Idade Média, quando o consumo de vinho podia ser considerado mais saudável do que o de água, pois esta última, geralmente, estava contaminada e podia causar doenças.

Mas, convenhamos, já deixamos esses tempos de ciência ainda incipiente para chegarmos a épocas muito mais tecnológicas, onde a higiene manda. Ainda assim, quando se fala em água no vinho muitos ainda alardeiam: “Sacrilégio!” Será mesmo? Colocar um gelinho no vinho quando ele está quente, faz mal?

Se quisermos ser puristas, sim, colocar gelo no vinho é um problema e é fácil entender o porquê. A água vai diluir os sabores, mudar o equilíbrio da bebida, dificilmente ela ficará tão boa quanto se consumida sem essa interferência. “Mas mesmo se o vinho estiver ‘quente’ não posso usar gelo?” Prefira outras formas de refrescar a bebida, como, por exemplo, um balde de gelo, ou ainda aqueles “gelos plastificados”, ou mesmo uma uva congelada. Assim a bebida resfria sem diluir.

“Mas não posso colocar gelo nem mesmo quando o vinho está ‘quente’ e é muito alcoólico?” A ideia de diluir o vinho com gelo para “suavizá-lo” dificilmente trará um bom resultado. Se o produtor quisesse que seu vinho fosse diluído, ele mesmo teria dado um jeito de diminuir o volume de álcool e os taninos. Se você está diante de um vinho que não está lhe agradando em um dia de calor na piscina, é porque provavelmente não escolheu o vinho certo para a ocasião.

Contudo, há sim vinhos em que uma pedrinha de gelo é bem-vinda. Cada vez mais produtores estão criando rótulos pensados para serem degustados refrescados com gelo, os ditos “Ice” (favor não confundir com Ice Wine). Esses vinhos (geralmente espumantes, brancos e rosés) são feitos para receber gelo e, acreditem os céticos ou não, ficam bem melhor com esse “ingrediente”.

Portanto, se quiser colocar uma pedra de gelo na taça, prefira esse tipo de vinho. Para os outros, tente refrescar de outra forma menos “intrusiva”. Ou então, prepare uma sangria ou um clericot.

Da redação

Publicado em 10 de Agosto de 2018 às 12:00


Notícias "gelo no vinho clericó sangria sacrilégio"

Artigo publicado nesta revista