Mundovino

Estudo aponta que últimos verões europeus são os mais secos em 2.000 anos

Efeitos podem afetar o cultivo da uva e a produção de vinho


 

vinho alteração climática

Estresse hídrico pode ser benéfico para o parreiral, porém a seca extrema traz prejuízos à uva e ao vinho 

Um estudo realizado pela Universidade de Cambridge e publicado na Nature Geoscience aponta que desde 2015 a Europa vem enfrentando as secas de verão mais severas dos últimos 2.000 anos.

Falando das uvas e do vinho, especialistas dizem que é benéfico para uma boa safra que haja um estresse hídrico durante o verão, época da colheita na maioria dos parreirais. Porém, a seca severa pode afetar os rendimentos da vindima e até o amadurecimento dos bagos.

"A mudança climática não significa que ficará mais seco em todos os lugares", disse o principal autor do estudo, o professor Ulf Büntgen. “Alguns lugares podem ficar mais úmidos ou mais frios, mas as condições extremas se tornarão mais frequentes, o que pode ser devastador para a agricultura, os ecossistemas e as sociedades como um todo”.

» Um guia rápido para o Vale do Rhône

» Vinícola californiana paga super salário para quem quiser seguir carreira no vinho

» O custo do vinho na sua adega, quais vinhos valem a pena serem guardados?

Para conseguir fazer o estudo, os pesquisadores recriaram o clima do verão ao longo dos últimos 2.000 anos analisando os anéis internos formados em carvalhos na República Tcheca e no sul da Alemanha. Apesar dos dados estarem limitados a esta parte da Europa, o estudo se junta a muitos outros que evidenciam os impactos da alteração climática na agricultura e no meio ambiente.

 » Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

André De Fraia

Publicado em 18 de Março de 2021 às 15:30


Mundovino Vinho Crise hídrica Seca Europa Aquecimento global Mudança climática