Revista ADEGA
Busca

Pinot Cinza

Fatos e curiosidades sobre a Pinot Grigio ou Pinot Gris

Apesar do nome cinzento, a cor da uva na verdade é muito variável e muito mais escura do que a da maioria das uvas brancas


Fatos e curiosidades sobre a Pinot Grigio ou Pinot Gris

A cinzenta Pinot Grigio ou Gris

No Brasil, geralmente conhecemos como Pinot Grigio, mas ela também pode ser chamada de Pinot Gris, assim como diversos outros nomes muito menos conhecidos como Fromenteau (uma das uvas “esquecidas” de Champagne), Grauburgunder (na Alemanha e Áustria), entre outros.

» ADEGA degusta diversos vinhos em lata e traz aqui os melhores

Interessante que apesar do nome sugerir uma cor acinzentada – Gris ou Grigio é “cinza” em francês e italiano, respectivamente – a cor da uva na verdade é muito variável e muito mais escura do que a da maioria das uvas brancas. Ela tem amadurecimento precoce, alguma susceptibilidade à podridão pela botrytis e potencial para altos níveis de açúcar, juntamente com acidez moderada. 

A Pinot Gris é uma mutação de cor da Pinot Noir que ocorreu em diferentes momentos e em diferentes lugares na Borgonha (principalmente em Chassagne-Montrachet na Côte d’Or), mas também em Rheinland-Pfalz e em Baden-Württemberg no sudoeste da Alemanha. 

Diz a lenda que, em 1375, o imperador Carlos IV levou a Pinot Gris da França para a Hungria, onde monges cistercienses a plantaram nas colinas de Badacsony perto do lago Balaton. Isso supostamente explica o fato de na Hungria ela ser chamada de Szürkebarát, que significa “monge cinza”.

Em 1568, a Pinot Gris foi levada de volta da Hungria para Kientzheim, na região da Alsácia, por Lazarus von Schwendi, um general que tomou posse da cidade húngara de Tokay no reinado de Carlos V e que era dono de um castelo em Kientzheim, a noroeste de Colmar. Isso também explica por que a Pinot Gris é chamada de Tokay na Alsácia, um sinônimo citado pela primeira vez em 1750 em um manuscrito no alsaciano Domaine Weinbach. Mas não há evidências dessas teorias. 

Acredita-se que a Pinot Grigio teria sido introduzida na Itália no início do século XIX por um produtor nas províncias de Alessandria e Cuneo no Piemonte, mas sua presença no Vale d’Aosta sob o nome de Malvoisie já foi atestado anteriormente e seu cultivo lá pode ser anterior à introdução da uva no Piemonte.

A Pinot Grigio ganhou fama no início do século XXI graças aos grandes volumes exportados de vinhos bastante frescos e leves, mas há diversos estilos sendo produzidos, mesmo na Itália. 

Hugel Gentil Branco 2018

Hugel Gentil Branco 2018 - AD 91 pontos - Hugel, Alsácia, França

Composto de Gewurztraminer 21,6%, Pinot Gris 18,4%, Sylvaner 21,4%, Riesling 23,3%, Pinot Blanc 10,5% e Muscat 4,8% (quanta precisão!) é um vinho frutado e gostoso de beber. Chama atenção pelo volume de boca, pela textura firme e pela acidez vibrante, que conferem profundidade e fluidez ao vinho. 

Joel Gott Oregon Pinot Gris 2018

Joel Gott Oregon Pinot Gris 2018 - AD 92 pontos - Joel Gott, Oregon, Estados Unidos

Elaborado exclusivamente a partir de Pinot Gris, sem passagem por madeira. é um vinho nítido, fluido e gostoso de beber, mostra frutas brancas e cítricas, notas florais, de ervas e de especiarias. Tem acidez refrescante, textura firme e cremosa e final persistente e sedutor.

Terre di San Vincenzo La Nave Pinot Grigio 2020

Terre di San Vincenzo La Nave Pinot Grigio 2018 - AD 89 pontos - Torrevento, Puglia, Itália

Este 100% Pinot Grigio traz boa tipicidade, mostra frutas brancas e de caroço, notas florais e de ervas frescas. Vibrante e fácil de agradar, tem boa acidez, textura cremosa e final médio/longo, com toques cítricos e de maçãs. 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

Arnaldo Grizzo
Publicado em 14/02/2022, às 17h00


Mais Escola do vinho