Mundovino

Eventos do mundo do vinho



Executivo

Rótulos de vinhos tornaram-se verdadeiras obras-de-arte, desenhados por pintores e designers famosos e reconhecidos. Desta vez foi o norteamericano Michael Gillespie quem desenvolveu uma dessas “obras”. O designer criou rótulos “engravatados”, que lembram a elegância de um homem vestindo terno. Para os vinhos com menor quantidade, ideais para uma pessoa, foram feitas latinhas como as de refrigerante.


Pol Roger
Pondo um ponto final no mistério que envolveu o champagne oficial do Casamento Real, a revista inglesa Decanter revelou, dias antes do evento, o nome do escolhido: Pol Roger. A bebida foi servida para os 300 seletos convidados que participaram do almoço de casamento do príncipe William e Kate Middleton. Vale lembrar que o rótulo é um dos queridinhos da aristocracia britânica. Sir Winston Churchill, ex-primeiro ministro do país, tinha preferência por este vinho e até ganhou uma homenagem da marca em 1984, quando foi lançado o Cuvée Sir Winston Churchill.


Os 10 mais
Desde que o mundo é mundo, vinhos nobres e caros são fraudados. Por isso, nada mais natural do que produzir uma lista dos 10 que mais sofrem falsificação no mundo. Foi exatamente isso que um site norte-americano fez. Todos os vinhos citados são franceses. São eles Cheval Blanc 1921, Cheval Blanc 1947, Lafite 1787 - Thomas Jefferson, Lafite 1870, Lafleur 1947, Lafleur 1950, Latour 1961, Margaux 1900, Pétrus 1921 e Pétrus 1947.


RPG
Inspirados em jogos de RPG, algumas garrafas de vinhos de Mendoza, na Argentina, ganharam novos rótulos. A ideia da inventora do projeto foi criar um personagem inspirado nestes jogos utilizando elementos históricos, mitologia, origens, personalidades e características psicológicas associadas aos aspectos do próprio vinho. Ou seja, cada vinho, a partir de sua safra, tipo de uva, terroir e garrafa ganha um personagem específico. O objetivo do projeto é criar um meio de conexão emocional entre os consumidores e a marca.


#Q#
Foto: Divulgação


Vinhos e Vidas

Inspirados pelo vinho, artistas catarinenses compuseram 20 obras que formam a exposição “Vinhos e Vidas”, que marca a estreia da Galeria Chardonnay, espaço integrado ao Vinho e Arte, em Florianópolis. No acervo, imagens pinceladas retratam a degustação entre amigos, a sensualidade implícita, momentos, produção e a bucólica serra catarinense. A quem interessar, a exposição fica em cartaz até dia 5 de julho.

Foto: João Ramos / Bahiatursa

A todo vapor
O governo da Bahia, em parceria com a Vinícola de Ouro Verde, do Grupo Miolo, lançou o “Vapor do Vinho”, um passeio no Vale do Rio São Francisco que inclui visita à vinícola e subida à eclusa do Lago de Sobradinho. Lá o visitante conhece todo o processo de produção do vinho e no final participa de um minicurso de degustação. Segundo o secretário de Turismo, Domingos Leonelli, o passeio tem como objetivo promover e facilitar o acesso ao turismo baiano.


Dia do Malbec
O Malbec World Day, promovido em Londres, Nova York e Mendoza, também ocorreu em São Paulo no dia 18 de abril. Seis especialistas foram convidados para guiar uma degustação de vinhos ícones feitos com esta cepa argentina. Cada um selecionou 36 amostras dos vinhos mais representativos da casta e os apresentou para o público.


Cantando vinho
Fruto da paixão de artistas pelo vinho, o musical “Vinhos & Canções” trouxe à tona uma visão musicada e muito bem humorada deste mundo, contando a trajetória do vinho através de trilhas italianas, americanas, francesas, espanholas, portuguesas e principalmente brasileiras. Cada música mostra a relação da bebida com a nação em questão. Em Portugal, por exemplo, a canção “Verde Vinho” relata as terras de Braga e o amor pela bebida. As músicas nacionais ganham destaque e são de Ivan Lins e Vitor Martins. Foi composta, inclusive, uma canção inédita para os vinhos do sul do país, “Vinho da Minha Terra”, que retrata a força do trabalho, o suor e a conquista dos imigrantes vinicultores responsáveis pelo sucesso do vinho nacional.

Foto: Divulgação

Perdeu
Os espanhóis não só fundaram a província de La Rioja, na Argentina, como foram responsáveis por introduzir o vinho na região. Mas ninguém diria que isso viraria motivo de batalha judicial entre os países. Depois de 12 anos, a batalha envolvendo Espanha e Argentina pela denominação finalmente teve fim. O Tribunal de Justiça Administrativa Federal de Buenos Aires rejeitou a ação do Conselho Regulador espanhol, que tentou ter exclusividade do termo “La Rioja”. O juiz argumentou que os argentinos utilizam a denominação “La Rioja Argentina”, para diferenciar-se da homônima, e que, além disso, as uvas típicas das regiões são diferentes. Enquanto na Rioja espanhola a principal variedade é a Tempranillo, a argentina prefere uvas Torrontés.


#Q#


Bono Vino!

Durante sua passagem pelo Brasil, onde fez uma série de shows da turnê 360º, a banda U2, liderada pelo vocalista Bono Vox, fez uma visita à presidente do país, Dilma Rousseff. Dilma e a banda almoçaram juntos e, assim como havia feito com Barack Obama, foram oferecidos cinco vinhos brasileiros: o Dal Pizzol Espumante Brut Rosé, o branco Dal Pizzol Gewürztraminer e os tintos Dal Pizzol Touriga Nacional, Pinot Noir e Ancellotta. Após a refeição, Bono Vox, conhecido por seu empenho em causas humanitárias, ressaltou a importância de um governo focado na luta contra a pobreza e elogiou o programa brasileiro de combate à AIDS.


Selado
A vinícola Concha y Toro fechou a aquisição da Fetzer Vineyards e ativos relacionados da Brown-Forman Corporation na Califórnia. A compra contempla um portfólio de marcas de posicionamento atrativo no mercado americano, incluindo: Fetzer, Bonterra, Five Rivers, Jekel, vinhos Sanctuary e a licença de uso da marca Little Black Dress. “Para a Concha y Toro, o desenvolvimento posterior das marcas de Fetzer Vineyards é um importante desafio. Estou certo de que juntas as equipes serão capazes de seguir em direção a um novo estágio de desenvolvimento”, disse Eduardo Guilisasti, CEO da Concha y Toro.


Históricos
Existem vinhos históricos e também... rótulos históricos! Para os amantes do vinho que pretendem ir à República Tcheca, a capital Praga é uma passagem obrigatória. É lá que fica o Museu Mucha, que a partir de abril traz uma coleção histórica com alguns rótulos feitos sob encomenda pelo artista Alphonse Maria Mucha para marcas de Champagne como Ruinart, Möet & Chandon e Heidsieck. Os rótulos estão no museu junto com outras 100 obras dele.


Windsor Wine
Segundo a mídia inglesa, três hectares do parque Windsor Great, pertencente à família real, serão alugados pela empresa Laithwaites para a plantação de vinhas. Sob a supervisão do Duque de Edimburgo, que é o “guarda-florestal” da propriedade, mais de 16 mil videiras serão plantadas, a maioria Chardonnay, para a produção exclusiva de espumante. Esperase que a primeira safra seja em 2013.

Foto: Parque Windsor

Vinho do Chefão
Grande nome do cinema e mais recentemente do vinho, Francis Ford Coppola mostrou estar disposto a ter o mesmo sucesso nas duas profissões ao anunciar a contratação de Philippe Bascaules, enólogo do tradicional Château Margaux, para cuidar de uma de suas vinícolas. Bascaules, que trabalhou por 11 anos no Château, ao lado de Paul Pontallier, chegou para substituir Scott Macleod, que se aposentou no final do ano passado.

#Q#

Recorde
A indústria inglesa de vinhos anunciou um recorde na produção de vinhos da safra de 2010. No total, foram engarrafados 4 milhões de vinhos, contra os 3,5 milhões em 2009. O aumento é consequência da expansão da área de plantio nos últimos anos. Desde 2004, o número de hectares plantados cresceu 75%.


Rolha neles!

Segundo dados do instituto de pesquisa AC Nielsen, as rolhas portuguesas estão ganhando o mundo, principalmente os Estados Unidos. Em 12 semanas, a venda de vinhos vedados com rolhas de Portugal subiu 13,8%. Para Jeff Lloyd, diretor da campanha “100% Cork”, lançada no ano passado nos Estados Unidos, “a cortiça está fazendo sua parte para aumentar as exportações e para ajudar a aliviar a crise financeira em Portugal”.

Da redação

Publicado em 20 de Maio de 2011 às 07:25


Mundovino

Artigo publicado nesta revista