Mundovino

Eventos do mundo do vinho


Fotos: Divulgação
Vestido de vinho?
A artista australiana Donna Franklin criou o primeiro vestido do mundo feito com bactérias presentes no processo de fermentação do vinho. Em colaboração com a empresa Bioalloy, que realiza pesquisas em universidades, a artista desenvolveu um tecido de fibra de celulose de Acetobacter, bactéria que, quando mergulhada numa solução de glucose, produz celulose muito parecida com o algodão. A australiana pretende lançar o vestido no mercado até o final de 2012.

Enoarte
Desde o início de julho, a sede da Radio Televisión de Andaluzia (RTVA), em Sevilha, abriga a mostra de obras da artista Cristina Diaz intitulada ‘Vid&Arte’, que homenageiam a enocultura. Os 22 quadros da artista, pintados com vinho tinto, mostram a geografia, a origem e a cultura do vinho na região. De acordo com Cristina, “trabalhar com vinho nos pincéis é muito especial, é um material vivo, e sua resposta na tela é evolutiva, surpreendente”.

Vinho ancião
O arqueólogo biomolecular Patrick McGovern identificou, na Turquia, um vinho datado de 5.400 a.C, o mais antigo do mundo. McGovern, que é especialista na produção de vinhos e outros fermentados da antiguidade, encontrou o vinho em dois caldeirões de bronze na câmara de um túmulo e acredita que, apesar de essa ser a amostra mais antiga já encontrada, as bebidas fermentadas começaram a ser produzidas ainda antes disso.

Nova classificação
Procurando mostrar a melhora na qualidade dos vinhos da Toscana, o Conselho de Chianti Classico irá criar uma nova classificação, de alto nível, para os Chianti. Apesar de ainda não ter recebido um nome oficial, ela estará um nível acima dos vinhos Riserva e, para entrar nessa classificação, os vinhos só devem chegar ao mercado 30 meses após a colheita e precisam passar três meses na garrafa. De acordo com os vinicultores, que classificavam o sistema atual como uma “pirâmide sem topo”, o conceito será fazer vinhos excelentes a partir de excelentes vinhedos.

Divulgação

Históricas
Pela primeira vez na história uma vinícola ganhou, por um lote de vinhas com mais de 200 anos, a classificação de Monumento Histórico. As vinhas, do produtor René Pédebernade, datadas entre 1800 e 1830, ficam na AOC Saint- Mont, em Gers, e cobrem uma área de 2 mil metros quadrados. Elas são de antes da epidemia da filoxera e nunca foram enxertadas, sendo uma mistura de 20 variedades brancas e tintas, incluindo Tannat, Fer Servadou, Muscadelle e outras sete variedades sem classificação, que foram nomeadas de Pédebernade 1 a 7, em homenagem ao proprietário.

Mérito Ambiental
A Cooperativa Vinícola Garibaldi recebeu, no fim de junho, o Mérito Ambiental Luiz Henrique Roessler. A condecoração é entregue a cases de sucesso responsáveis pela implantação de uma cultura de respeito aos recursos naturais e no tratamento das questões socioambientais. “Construímos uma longa trajetória de trabalho em uma atividade que depende da força da natureza: o cultivo da uva. Conseguimos transformar os benefícios da terra em uma via dupla, com um caminho para devolver à terra os recursos que ela nos cede e, assim, manter sua vida”, afirmou o presidente da Cooperativa Vinícola Garibaldi, Oscar Ló.

Patrimônio Histórico e Cultural
O Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul, é agora Patrimônio Histórico e Cultural do Estado, segundo lei sancionada pelo governador Tarso Genro no final do mês de junho. Essa conquista agrada aos moradores e aos empreendedores que já estão na região e que, nos últimos anos, temem a especulação imobiliária: “Agora estamos resguardados quanto à instalação de empreendimentos que não estejam de acordo com o perfil do Vale dos Vinhedos. Temos mais força para proteger nosso território, priorizando investimentos alinhados com nossa vocação enoturística”, destaca Rogério Valduga, presidente da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale).

Debaixo do mar
Depois da experiência de envelhecer um barril de vinho da safra de 2009 parcialmente submerso no mar do parque de ostras de Cap Ferret, na costa do Atlântico, e ter ouvido ótimas críticas em relação a ele, o Château Larrivet Haut-Brion voltará a produzir vinhos envelhecidos debaixo de água salgada. Segundo Bruno Lemoine, diretor e enólogo do Château, é comum ouvir histórias de que envelhecer o vinho no mar melhora a qualidade, e essa é uma das principais razões que o fez desenvolver essa ideia.

Há 2 mil anos...
Depois de ouvir boatos de que o Museu de Vinho de Ronda, na Espanha, abrigou uma adega milenar, o proprietário do local, Sergio Flores, decidiu investigar o fato e, após escavações, descobriu que embaixo do museu havia uma adega subterrânea romana de mais de 2 mil anos. Com a descoberta, ele construiu uma pequena escada que dá acesso à adega antiga, que, segundo suposições, foi construída para manter uma temperatura constante de 12 a 14 graus. Por conta da descoberta, o museu é atualmente um dos pontos mais visitados da cidade.

#Q#
Divulgação

Robô
Um vendedor de lustres do estado de Arizona decidiu criar um porta-vinhos com pedaços inutilizados de bicicleta e carro um pouco diferente do usual: um robô de 1,82 metro e 453 quilos, que tem capacidade para encaixar 32 garrafas em seu “corpo”. A peça possui uma série de armamentos falsos, como em sua mão, que segura seis garrafas de vinho, e as outras 26 garrafas podem ser colocadas em volta do tronco e das pernas, para que fiquem parecendo munição extra.

Oficial
Após um acordo entre a Baron Philippe de Rothschild SA e o European Tour de golfe, o Mouton Cadet estará disponível de forma exclusiva em alguns dos maiores eventos do circuito. O acordo, firmado pelos próximos sete anos, tornou a companhia a provedora oficial dos vinhos não só no European Tour como também em alguns eventos ligados a ele, como o BMW PGA Championship, o Irish Open e o DP World Tour Championship. Além do circuito de golfe, o Mouton Cadet está presente em outros tantos eventos de grande porte, como o Festival de Cannes, onde é o vinho oficial desde 1992.

Divulgação

Espumantes certificados
O CPEG (Consórcio de Produtores de Espumantes de Garibaldi) realizou, no final de junho, a degustação dos produtos que poderão levar o selo de conformidade que, desde 2010, identifica as garrafas que passam por um elevado controle de métodos de produção. “É o primeiro passo para conquistarmos a denominação de origem de nossos espumantes e, em seguida, registrarmos a singularidade de nossos vinhedos e do nosso terroir no mapa internacional da viticultura”, afirma Oscar Ló, presidente da entidade. As nove amostras certificadas foram degustadas por uma equipe de enólogos que contou com a participação do vice-presidente da ABE, Luciano Vian, e dos pesquisadores da Embrapa Uva e Vinho, Mauro Zanus e Irineo Dal’Agnol.

Fotos: Guilherme Jordani

Espumante em leituras múltiplas
A Confraria do Champanhe da Serra Gaúcha, fundada em 1998 e que conta hoje com 70 mulheres, lançou na Vinícola Luiz Argenta, em Flores da Cunha, o projeto itinerante “Vivências Sensoriais - Leituras Múltiplas”, unindo obras de 10 gaúchos que se dispuseram a traduzir nas mais variadas formas de arte a trajetória e a influência do espumante na região. O projeto, lançado em Caxias do Sul, na Galeria Municipal de Arte Gerd Bornheim, poderá ser visitado na Luiz Argenta até dezembro deste ano, permeando os diversos espaços da vinícola com esculturas, pinturas, fotografias e instalações.

Decanter Wine Show
Em sua quarta edição, a Decanter Wine Show reuniu 70 produtores do mundo todo de 25 a 29 de junho no Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte. A empresa vem crescendo galgando cada vez mais novos produtores ao seu portfólio que criou uma nova operação, com a Cálix, e também resolveu dividir sua feira em duas, tornando-a anual, um ano só com marcas do Novo Mundo e, no outro, com vinícolas do Velho Mundo. Neste ano, os europeus vieram ao Brasil, com grandes nomes da França, Itália, Espanha, Portugal, Alemanha, mas também de países que pouco costumam chamar a atenção, como Croácia, Eslovênia, Hungria, Áustria e Grécia.

Fotos: Josemar Alves

Durante o evento o que mais chamou atenção foi a variedade de rótulos de lugares pouco comuns, bem como de uvas inusitadas só encontrados no catálogo da Decanter. Um exemplo disso são os vinhos produzidos na Eslovênia, no região de Brda, pelo entusiasmado Marjan Simcic, que assumiu a vinícola familiar com 150 de tradição aos 20 anos. Conversar com Simcic é reconhecer acima de tudo um apaixonado e um defensor do potencial de sua região e da uva Rebula, mesma casta plantada na vizinha Itália, no Collio, conhecida como Ribolla Gialla. Mas o que mais surpreendeu foi seu Pinot Noir, que demonstra, além da vocação da região para essa uva, o incrível talento de quem o produz.

Outra estrela do catálogo que surpreendeu bastante foi Atilla Gere, produtor com tradição de mais de sete gerações na região de Villány, na Hungria, que mostra que esse país tem muito mais a oferecer que os conhecidos vinhos doces de Tokaj. Além do inusitado Kopar, corte bordalês num estilo mais austero e clássico que chegou a superar o Pétrus 1989 numa degustação realizada nos Estados Unidos, mostrou qualidade o tinto elaborado a partir de Portugieser, frutado, limpo e gostoso de beber. Mostrando uma outra faceta dessa uva muito difundida no país, mas com fama de originar vinhos rústicos e corpulentos.

Fotos: Josemar Alves

Um pouco mais conhecida em terras brasileiras a Grüner Veltliner, variedade autóctone da Áustria, mostrou toda sua qualidade nos vinhos elaborados por Ludwig e Maria Angeles Hiedler, profundos conhecedores do terroir de Kamptal e adeptos dos vinhos Single Vineyard. Seus Grüner são profundos e minerais, um retrato puro do local em que são produzidos. O curioso tinto da autóctone Zweigelt, um cruzamento de Blaufränkisch e St. Laurent, une elegância e uma acidez pulsante. ADEGA esteve no evento e avaliou algumas das boas novidades apresentadas.

VINHOS AVALIADOS
Attila Gere Portugieser Villány 2009
De Sousa Zoémie Cuvée Precieuse Brut Grand Cru
Hiedler Grüner Veltliner Thal 2010
Marjan Simcic Pinot Noir 2008

R$ 65
R$ 331

R$ 130
R$ 184

88 pontos
92 pontos

91 pontos
90 pontos





Da redação

Publicado em 12 de Julho de 2012 às 12:59


Mundovino

Artigo publicado nesta revista