Mundovino

Eventos do mundo do vinho


Premier Cru
Depois de seis anos de tentativas, finalmente os vinhedos de Mâcon conseguiram o status de Premier Cru. A região era a única da Borgonha que não possuía nenhuma plantação com tal classificação e, durante os últimos seis anos, os produtores de Pouilly- Fuissé, Pouilly-Loché, Pouilly-Vinzelles e Saint Véran fizeram campanhas para o reconhecimento de seus melhores vinhedos. Em 2010, produziram um dossiê sobre o terroir e os 73 climas distintos existentes.

fotos: divulgação

Sideways 2?
O autor do livro Sideways, que inspirou o filme homônimo, está pressionando o diretor Alexander Payne a iniciar a gravação de sua sequência, Vertical. O novo livro, publicado em 2010, passase sete anos depois do original, quando Miles, o protagonista, é convidado para ser mestre de cerimônias no International Pinot Noir Celebration. Rex Pickett não entende por que Payne se recusa a rodar o filme, uma vez que o primeiro foi um sucesso, ganhando prêmios como o Globo de Ouro no quesito melhor comédia e melhor roteiro e, de quebra, ajudando na imagem do vinho.

Debaixo do mar
A partir de 2013, os produtores que quiserem envelhecer seus vinhos embaixo d’água terão um lugar para isso. Frank Labeyrie, proprietário do Château du Coureau, irá criar o primeiro serviço de adegas submersas do mundo. Chamado de Vin Mille Lieue Sous Les Mers, um trocadilho com o clássico de Julio Verne, Vinte Mil Léguas Submarinas, o serviço ficará a 150 quilômetros da costa do Atlântico e terá cerca de mil metros de profundidade. Labeyrie crê que a temperatura constante do oceano, zero luz e zero oxigênio irão ajudar o vinho envelhecer devagar, mantendo sua intensidade por mais tempo e produzindo um sabor mais profundo. Ele já envelheceu 10 mil garrafas de seu vinho Arcachon Bay nos últimos cinco anos.

Contra a artrite
Mais um estudo sobre os benefícios do vinho mostra que o consumo de três taças por semana reduz o risco de o organismo feminino desenvolver artrite reumatoide, uma doença autoimune que afeta as articulações. A pesquisa, levada com mais de 34 mil mulheres nascidas antes de 1950, mostrou que aquelas que consumiam três taças de vinho por semana, por pelo menos 10 anos, cortaram pela metade o risco de desenvolver a doença. Os pesquisadores disseram que o efeito pode ser causado pela habilidade que a bebida tem em reduzir a velocidade de resposta do sistema imunológico no corpo.

3 mil anos
Segundo informações de uma agência de notícias chinesa, um vinho de 3 mil anos foi encontrado em uma tumba na montanha Shigushan, na província de Shaanxi. De acordo com pesquisas do líder da expedição, a tumba é da Dinastia Zhou, que reinou de 1046 a 771 a.C., e o vinho, que foi enterrado no local, ainda estava em estado líquido dentro de um recipiente, que, no entanto, não foi aberto. Também foi descoberta uma placa de aviso, que lembrava os cidadãos de beberem com moderação, já que durante a Dinastia Shang, anterior à Zhou, o vinho era um símbolo de corrupção e excesso.

No esmalte
Uma marca italiana criou uma linha de esmaltes que tem a cor e o nome de seus vinhos. Os esmaltes fazem parte de uma ação publicitária para incentivar mais mulheres norte-americanas a apreciarem a bebida. A linha, da vinícola Santa Margherita, possui quatro esmaltes chamados Pinot Grigio, Prosecco, Chianti Classico e Sparkling Rosé. Apenas 200 unidades foram produzidas. A cada garrafa de vinho comprada, a consumidora leva um esmalte correspondente ao vinho.

Até o gado gosta
Fazendeiros criadores de gado da região de Languedoc descobriram uma maneira de alimentar os bois e aumentar a qualidade da carne: acrescentando vinho à dieta dos animais. Isso porque, segundo eles, a carne fica mais magra e saborosa. Um dos fazendeiros experimentou acrescentar uma mistura de uvas, cevada e dois litros de vinho durante o período de engorda e percebeu o bom resultado. Antes, cientistas na Austrália já haviam notado uma ligação entre acrescentar vinho à dieta das vacas e a melhora da produção do leite. Pesquisadores afirmaram que a melhora da carne não vem só da química envolvendo a dieta, mas também da bebida, que melhora a qualidade de vida dos animais.

Daniel Jouanneau

Gallé renovado
Em julho, a casa de Champagne Perrier- Jouët lançou a Edição Floral Belle Époque com o tema desenvolvido por Makoto Azuma – artista floral japonês, que “quis fazer algo extraordinário, inspirando-me na sensação do Champagne dentro da boca e no movimento delicado da hera e das folhas com destaque especial e homenagem às anêmonas de Emile Gallé”. É a primeira vez que a marca, famosa pela garrafa de tema floral criada pelo famoso ebanista francês em 1902, “recria” seu envase.

#Q#

Novas regras
Desde o dia 1º de julho, os vinhos europeus estão tendo que adaptar seus rótulos de acordo com as novas regulamentações da União Europeia – para alertar os consumidores sobre substâncias alérgicas. Os rótulos, a partir de agora, precisam informar se o vinho contém traços de proteínas de ovo ou leite (que são usados em alguns vinhos para clarear a bebida), pois há pessoas alérgicas a esse tipo de substância.

Voltou ao topo
Pela primeira vez desde 2010, os leilões norte-americanos de vinhos ultrapassaram os de Hong Kong em valor, indo para US$ 45,3 milhões no segundo trimestre de 2012. Enquanto isso, as vendas em Hong Kong chegaram apenas aos US$ 35 milhões (em 2011, no mesmo período, a arrecadação foi de 62,7 mi). A queda das vendas foi causada pela baixa nos preços de Bordeaux, como mostrou o Liv-ex. O Lafite 2004, por exemplo, caiu 20%, cotado a 5.448 libras; o 2006 caiu 20,8%, indo para 5.369 libras, e a pior baixa foi a da safra de 1995, que passou de 10.301 libras para 7.436.

Queridinho dos chineses
De acordo com o instituto de pesquisa Ipsos, o vinho tinto é a bebida alcoólica preferida dos chineses, seguida por licores e uísque. No total, ele representa cerca de 40% de todo o mercado de bebidas no país. Nos últimos cinco anos, o consumo de bebidas alcoólicas na China aumentou em 15 milhões de litros e, em 2011, os chineses gastaram mais de US$ 7 bilhões em vinho tinto.

Tchau, tchau, menopausa
Uma equipe da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, concluiu que o vinho tinto pode ajudar as mulheres mais velhas a controlarem os sintomas causados pela menopausa. O estudo mostrou que duas taças de vinho, unidas a uma dieta saudável, aumentam a densidade óssea do corpo, que, por conta da diminuição hormonal, cai bastante após essa fase.

Sílvia M. Rosa

Afirmação catarinense
A segunda edição da SC Gourmet – Mostra brasileira de delikatessen, queijos, vinhos e gastronomia –, que ocorreu de 18 a 21 de julho no Parque Vila Germânica, em Blumenau, veio para afirmar sua importância no cenário da gastronomia nacional. Com o objetivo de valorizar os produtos gourmets catarinenses, seus estandes variadíssimos apresentavam mais de 60 expositores – mas não só de Santa Catarina – que mostraram a um público de mais de 10 mil pessoas algumas delícias produzidas em solo nacional. Os produtores de vinho participaram em peso desse evento, com a presença, entre outros da Vinícola Pericó, Casa Valduga, Quinta das Neves, Quinta Santa Maria, Garibaldi, Vinícola Hermann e Vinícola Santa Augusta, que apresentaram suas novidades descrevendo uma verdadeira harmonização de gastronomia e vinhos em Blumenau. Entre os vinhos, destaques para o complexo espumante Casa Valduga Gran Reserva com 60 meses de autólise e para o espumante Moscatel Bossa IV da Vinícola Hermann, capaz de unir o melhor das características do Moscatel brasileiro a uma elegância tanto no aroma quanto no paladar. Também foi uma ótima ocasião para desfrutar o Basaltino Pinot Noir da Pericó, o blend Sangiovese, Merlot e Cabernet Sauvignon da Quinta da Neve e o Quinta de Santa Maria com seu inusitado sistema de “apassimento”.

Para Develon da Rocha, organizador do SC Gourmet, “este ano demonstrou a consolidação do evento com aumento do número de expositores e patrocinadores”, com o que concorda Wandér Weege, da Pericó, ao declarar que “o próximo prefeito de Blumenau vai receber o evento feito”.

Antioxidante
Uma pesquisa realizada em laboratórios de Tóquio concluiu que os vinhos produzidos na Bulgária são os recordistas em quantidade de antioxidantes – substâncias que trazem diversos benefícios para o corpo. Usando um método criado no Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, os cientistas analisaram diversas amostras de vinhos de vários países do mundo e, segundo os resultados, enquanto a quantidade média nos vinhos é de 3 mil unidades por garrafa, os búlgaros beiram as 8 mil unidades.

Surreal
Um dos diretores mais brilhantes de Hollywood, conhecido por seus filmes surrealistas, David Lynch assinou uma edição especial dos Vintage 2003 e o Vintage Rosé 2000 da Dom Pérignon. Chamado de “O poder da Criação”, o design demorou dois dias para ser feito. Lynch é o segundo artista ainda vivo, depois do fotógrafo e diretor artístico da marca Chanel, Karl Lagerfeld, a trabalhar com a casa de Champagne.

#Q#

Sommelier SP
A edição de 2012 do Concurso Paulista de Sommeliers terminou no último fim de semana de julho com a vitória de Tiago Locatelli, sommelier do restaurante Varanda Grill. Com um total de 23 inscritos, os participantes passaram por provas escritas e práticas até chegar na final, que contou com Diego Arrebola e Marcelo Silva, além de Locatelli. Campeão paulista, Locatelli terá direito a concorrer como o melhor do Brasil na próxima edição do Campeonato Brasileiro de Sommelier e, se vencer, representará o Brasil no Mundial.

Paulo Milreu
No dia 18 de julho de 2012, o mundo da enogastronomia ficou de luto. Aos 51 anos, Paulo Milreu, editor da revista Alta Gastronomia, faleceu em decorrência de um acidente vascular cerebral. Milreu, com sua percepção e apurado tino comercial, lançou uma das revistas pioneiras no segmento da gastronomia. Com seu espírito empreendedor, experimentou diversos outros produtos editoriais que foram de livros sobre vinhos do Brasil a revistas de receitas para a nova classe média. Um dos fundadores da Abravinho, sempre defendeu o profissionalismo do setor.

ADEGA no top of mind
A edição de junho da revista alemã Meininger’s divulgou um painel com as publicações mais influentes no mercado de vinhos do Brasil e ADEGA aparece no topo. Além disso, Christian Burgos, publisher da revista, e Sílvia Mascella Rosa, editora de vinhos, aparecem entre os 12 críticos mais influentes. O painel levou em conta votos de alguns do mais representativos players da indústria do vinho nacional, representantes das maiores importadoras, grandes produtores brasileiros etc.

fotos: divulgação

Vertical é mais que clima
Usualmente, as degustações verticais nos permitem isolar fatores e compreender sobretudo a influência do clima em um vinho. Não foi o que aconteceu na degustação vertical que a chilena Santa Carolina apresentou recentemente no Brasil. Uma prova de que no mundo do vinho sempre temos a aprender, esta degustação vertical de VSC 2005, 2007, 2008 e 2009 pode ser categorizada como um eletrocardiograma, na medida que registra com perfeição os rumos do coração do enólogo Andrés Caballero. Enólogo e vinho amadureceram juntos até o surpreendente resultado do VSC 2009. Uma completa mudança de rota alterando a base do vinho para Petit Verdot (60%) cortado com Cabernet Sauvignon, Carménère, Malbec e Mourvèdre, tornando-o seguramente o melhor dos VSC até hoje. Caballero ressalta que “o terroir determina as dimensões do vinho” e prova, com este vinho, que entender e interpretar as mensagens do solo e clima e moldar uma visão de vinho é a presença positiva do fator humano no terroir.

VINHOS AVALIADOS
VSC 2005 - 91 pontos
VSC 2007 - 91 pontos
VSC 2008 - R$ 198 - 90 pontos
VSC 2009 - 92 pontos

ENCONTRO MISTRAL 2012

ENCONTRO DE ESTRELAS
Reunir grandes estrelas em um mesmo elenco pode ser um dor de cabeça enorme se cada um deles quiser brilhar mais do que o outro. Mas certamente não é isso o que ocorre nas edições do Encontro Mistral. Em seu sexto ano, o evento promovido pela importadora trouxe ao Brasil mais de 90 grandes nomes do mundo do vinho para quatro dias de intensas degustações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A cada ano, o Encontro Mistral vem se tornando uma grande referência para os enófilos brasileiros. Sabedores de que alguns dos principais produtores do mundo estarão presentes, os convites são extremamente disputados, especialmente agora que estão cada vez mais selecionados para não sobrecarregar o evento. Participar desse encontro significa poder provar o que há de melhor na mais diversas regiões do mundo, tornando-se assim um aprendizado e tanto para quem está iniciando no mundo do vinho ou mesmo para sommeliers que buscam aprimorar seus conhecimentos para o trabalho diário nos restaurantes.

Assim, o evento exibe, lado a lado, nomes de peso do Loire, como Pascal Jolivet e seus fresquíssimos Sauvignon, e do Líbano, como o Château Musar – que teve a presença de Serge Hochar, primeiro “Man of the Year”, da revista Decanter. Diante deles, Michel Chapoutier e seu estilo singular de vinhos no Rhône; ao lado, Cos d’Estournel, uma das grandes estrelas de Bordeaux; mais adiante Paul Hobbs com seus californianos sem par; da América do Sul ninguém menos que Catena Zapata com seu divertido enólogo Alejandro Virgil e Laura Catena, além da Casa Lapostolle com as novidades de Clos Apalta.

Apesar da “concorrência” enorme, com pelo menos dois grandes nomes de cada famosa região vitivinícola mundial, o clima, como sempre, era da mais alta cordialidade entre os participantes. Por exemplo, lado a lado ficaram Coppo e Vietti, dois nomes de peso da Itália, e uma das primeiras atitudes de ambos na feira foi provar o vinho um do outro e trocarem comentários. Mesmo distantes um do outro no evento, Phillipe Menguy, diretor da Bollinger, fez questão de levar uma taça de seu La Grande Année 2002 para Hubert de Billy, da Pol Roger, que tinha curiosidade de compará-lo com seu Vintage 2002. “Concorrentes” diretos trocando experiências entre si, mas também provando vinhos e ouvindo produtores dos quatro cantos do globo – o Encontro Mistral certamente dá um exemplo de como deve ser o mundo do vinho em tempos de pedido de salvaguarda.

VINHOS AVALIADOS
Barbera d’Asti Camp du Rouss 2008 - U$$ 56 - 91 pontos
Messorio 2007 - US$ 454 - 94 pontos
Goulée Blanc 2009 - US$ 111 - 91 pontos

Da redação

Publicado em 10 de Agosto de 2012 às 13:41


Mundovino

Artigo publicado nesta revista