Mundovino

Eventos do mundo do vinho


BARROS 100th Anniversary

En primeur

O grupo Sogevinus detém grandes marcas e, uma delas, a Barros, completou 100 anos em 2013. A casa de vinho do Porto foi fundada em 1913 por Manuel de Almeida, que, anos mais tarde, tornar-se-ia sócio de Manoel de Barros. Este, depois da II Guerra Mundial, assumiria o comando do grupo e formaria o Grupo Barros. Então, para comemorar a data, a empresa lançou um porto de edição limitada a 1913 garrafas. Para esta edição exclusiva, o enólogo Pedro Sá selecionou os melhores vinhos de cada década de existência da casa. A combinação de vinhos Tawny antigos – que envelheceram ao longo de décadas em pequenos cascos de carvalho de 225 litros – gerou um blend com média de idade de 65 anos. ADEGA teve a felicidade de provar em primeira mão a garrafa número 23.

AD 96 pontos
BARROS 100th Anniversary

Sogevinus, Douro, Portugal (Sem importador – € 260, em Portugal). A Barros foi fundada em 1913 por Manuel de Almeida e este Porto é uma edição especial em comemoração aos seus 100 anos. Blend de vinhos muito velhos de linda coloração âmbar. Os aromas são complexos e lembram figos secos, amêndoas e casca de laranja, além de toques florais, de especiarias doces, de alcaçuz e de tabaco. Um aroma cativante e persistente, que chega a perfumar o ambiente da degustação. Em boca, está incrivelmente vivo, é estruturado, untuoso, tem ótimo equilíbrio entre acidez e doçura e final longo, muito longo. Impressiona pela elegância e finesse, mas sempre num ar de intensidade, vibração e potência, pedindo mais um gole. Vinho de meditação, para ser tomado sem acompanhamentos, pois conta uma longa história de grandes vinhos. EM

Bebida NacionalPatrimônio

No início de julho, por 44 votos a favor e nenhum contra, o vinho foi declarado pelo senado argentino como a bebida nacional. Aprovada, a lei irá regulamentar a identificação de todos os vinhos feitos no país, que deverão levar os dizeres “Bebida Nacional” no rótulo, dando um passo além na classificação do vinho como alimento – e não apenas bebida. A decisão, que impulsiona o Plano Estratégico Vitivinícola 2020, vai ajudar a promover o vinho no exterior, difundindo as características culturais de produção, elaboração e consumo do vinho argentino e suas tradições.

Recorde

A cidade de Anadia, na Bairrada (Portugal), entrou para o livro dos recordes, o Guiness, por ter feito o maior brinde em cadeia do mundo. Na ocasião, 1.275 pessoas estiveram juntas, alinhadas, com o braço esticado e um espumante em mãos, para brindar com a pessoa ao lado. O recorde anterior estava nas mãos dos japoneses, que brindaram simultaneamente em 886 pessoas.

Ossos fortes

Mulheres que já estão na menopausa podem se prevenir da osteoporose tomando uma taça de vinho por dia, afirma um estudo realizado pela Universidade Estatal de Oregon, nos Estados Unidos. A pesquisa, publicada na revista “Menopause”, foi feita com 40 mulheres na menopausa, sem antecedentes de osteoporose. Analisando os resultados do grupo ao se tornar abstêmio, a equipe percebeu uma alteração nas substâncias que indicam osteoporose, normalizadas após a ingestão álcool, o que mostra que bebidas como o vinho têm papel protetor na formação de ossos saudáveis.

Vinho na TV

Desde abril, a BandNews TV abriu espaço em sua programação para falar sobre vinho. Todas as sextas-feiras, às 22h, o programa “Sua excelência, o Vinho”, vai ao ar com apresentação do jornalista e enófilo Salomão Schvartzman e Ciro Lilla, presidente da importadora Mistral. Os episódios são reprisados aos sábados e domingos e, neles, os apresentadores tratam dos mais variados temas e tiram dúvidas dos telespectadores. Para quem perdeu, todos os programas podem ser vistos no site da BandNews TV.

Maiquel Vignatti

Primeiros passos

No dia 23 de julho, o INPI concedeu oficialmente o registro de marcas coletivas para o Consórcio de Produtores de Espumantes de Garibaldi (CPEG) e para a Associação Catarinense dos Produtores de Vinhos Finos de Altitude (ACAVITIS). No caso de Garibaldi, o registro protege vinhos e bebidas alcoólicas feitos pelos membros consórcio, enquanto a ACAVITIS está relacionada à assessoria, consultoria e informação sobre o vinho e suas características. O registro de marcas coletivas e o registro de indicação geográfica, que também tem objetivo de proteger os produtos de uma região, são diferentes. A indicação geográfica não obriga que o produtor esteja associado a uma entidade, mas faz com que ele siga as regras de qualidade estipuladas pela marca.

Romanee Conti Cellars

Leilão

No outono do hemisfério norte, a Sotheby’s vai leiloar uma coleção particular da Domaine Romanée-Conti, em que se espera arrecadar mais de US$ 2 milhões. Estarão à venda mais de 140 lotes, incluindo 36 garrafas Matusalém (de 6 litros, o equivalente a oito garrafas tradicionais), mais de 70 Magnum e 400 rótulos vindos de oito vinhedos da DRC. As safras colocadas no martelo vão desde 1970 até 2003. Haverá 18 lotes de Romanée-Conti, mais de 20 de La Tâche e mais de 30 de Échezeaux e Grands Échezeaux. Serena Sutcliffe, chefe do departamento internacional de vinho da Sotheby’s, descreveu a coleção como “pura e rara”.

Estilo de vida

De acordo com um estudo publicado na revista British Medical Journal, a dieta seguida por quem bebe vinho tinto é mais saudável que a alimentação daqueles que consomem as demais bebidas alcoólicas, como cerveja. Para chegar a essa conclusão, pesquisadores analisaram a relação entre os volumes comprados de cervejas e vinhos em supermercados e os demais alimentos colocados nos carrinhos dos consumidores. Desse modo, concluíram que os bebedores de vinho são os que consomem alimentos mais saudáveis em maior quantidade, como azeitonas, frutas, verduras, leites, queijos, carnes brancas etc. Já os de cerveja estão mais ligados a alimentos industrializados e congelados, bebidas açucaradas e doces.

Mais vinho oficial

Durante o ano de 2012, o governo do Reino Unido consumiu 20% mais vinho que em 2011, ano em que mais de 4.600 garrafas foram abertas. De acordo com a rede de notícias BBC, durante todos os eventos oficiais do ano passado, os ingleses consumiram 5.547 garrafas e gastaram cerca de 45 mil libras para reposição de vinhos, 3 mil a mais que em 2011. Em plena recessão, a população não gostou de saber do aumento, mas o governo foi rápido em afirmar que o crescimento se deu por conta do Jubileu de Diamante da rainha Elizabeth II no trono britânico e pela realização das Olimpíadas de Londres.

Emma

Mirim

Emma Martin, uma garotinha sul-africana de 11 anos, tornou-se a figura mais jovem do mundo a produzir um vinho – no caso, um Pinot Noir da safra de 2012 da região de Walker Bay, com a ajuda de seu pai. Membro da quarta geração de produtores da família de seu pai, Jean-Claude Martin, e da terceira geração do lado de sua mãe, Emma lançou o vinho, de produção de apenas 300 garrafas, em comemoração ao seu aniversário, no dia 16 de julho.

África do Sul pela primeira vez

O mercado brasileiro de vinho vem chamando a atenção do mundo. Dessa forma, não há região vitivinícola que não pense em promover seus vinhos por aqui. Recentemente, a Wines of South Africa decidiu fazer sua 1a Grande Degustação Anual de Vinhos da África do Sul. No dia 3 de julho, o Hotel Unique recebeu produtores das mais diversas regiões sul-africanas, que apresentaram seus vinhos para o público nacional. Matome Mbatha, gerente de mercado da WOSA, acredita que “os vinhos da África do Sul ainda são considerados ‘novos’ pelo brasileiro”, apesar de algumas vinhas tradicionais terem mais de 300 anos. Portanto, é preciso mostrar isso. ADEGA esteve lá e aponta alguns destaques:

Sauvignon Blanc 2010

AD 92 pontos
Durbanville Hills Biesjes Craal
Sauvignon Blanc 2010

Cape Legends, Stellenbosch, África do Sul (Interfood R$ 115). Sauvignon Blanc de nobre estirpe, elaborado somente em anos especiais, com uvas de vinhedo único. Permaneceu dois meses em contato com as borras, após a fermentação, para ganhar estrutura e desenvolver complexidade aromática. Conserva de aspargos e alcachofras são os aromas que se destacam, permeados por toques minerais e frutados, muito limpos. Em boca, demonstra uma acidez equilibrada, um corpo sedoso e sabores cítricos (limão) e vegetais. O final de boca é persistente e ligeiramente acalentador. Altíssima qualidade. Perfeito para acompanhar queijos de cabra, penne ao limone ou risoto de alho poró. VS

LA CAPRA SHIRAZ 2010

 

AD 88 pontos
LA CAPRA SHIRAZ 2010

Fairview, Paarl, África do Sul (Ravin R$ 58). A linha La Capra foi lançada em 2009 e segue o estilo do produtor, que está sempre a homenagear as cabras. De fato, o rótulo do La Capra não só faz menção às cabras, com também às outras atividades exercidas pelo produtor, como cultura de queijos, arte e música. De coloração rubi intenso, este Shiraz estagiou por 10 meses em barricas usadas de carvalho francês e americano. Seus aromas são essencialmente frutados, lembrando cerejas e outras frutas vermelhas, com nuances de especiarias. Tem rica presença em boca, com boa acidez, corpo médio, taninos vivos e sabores igualmente frutados e condimentados pela pimenta-preta. Fácil de beber e gastronômico. VS

Bernard Arnault

Império do vinho

No ranking anual das 500 maiores fortunas da França pela revista Challenges, 15 delas estão nas mãos de executivos ligados ao vinho, mais especificamente ao Champagne. Donas de 16% do PIB francês, as 500 personalidades somaram 330 bilhões de euros, 25% a mais que em 2012. A primeira posição do ranking é ocupada por Bernard Arnault (foto), o maior acionista da LVMH e proprietário da Moët & Chandon, Dom Pérignon, Veuve Clicquot, Krug, Ruinart e Mercier, cuja fortuna chega a 24.300 milhões de euros. Em seguida, na lista dos executivos do vinho, estão, em 13º lugar, Alexander Richard e família (Mumm, Perrier-Jouët), 32º  Família Hennessy (idem Bernard Arnault), 60º Christophe Descours e família (Piper Heidsieck), 64º Frederic Rouzaud e família (Louis Roederer, Deutz), 143º Jean-Jacques Frey e família (Billecart Salmon), 185º Alain Thienot (Thienot, Joseph Perrier, Canard-Duchene, Marie Stuart), 189º  família Bollinger (Bollinger, Ayala), 193º Carol Duval-Leroy e família (Duval-Leroy), 211º Josephe Henriot e família (Henriot), 214º Alexandra Nonancourt e família (Laurent-Perrier), 229º Paul-François Vranken e família (Vranken, Pommery, Charles Lafitte, Heidsieck), 331º Bruno Paillard (Lanson, Chanoine Freres, Boizel, Besserat de Bellefon, De Venoge, Philipponnat, Alexandre Bonnet, Paillart), 410º Pierre-Emmanuel Taittinger e família (Taittinger) e 487º famílias Pol-Roger e Billy (Pol Roger).

Para viver mais

Um estudo realizado pela Universidade Paris Ouest Nanterre La Défense e pela Universidade Bordeaux Segalen, ambas na França, concluiu que o consumo moderado de vinho está ligado a uma taxa menor de mortalidade em homens de meia idade. Durante 28 anos, os pesquisadores acompanharam 35 mil homens e encontraram forte relação entre o consumo de vinho e baixo risco de morte por doenças ligadas ao coração, pulmão, bexiga e câncer. Em números, esse consumo moderado pode baixar até 40% a mortalidade por doenças cardiovasculares e 20% por câncer. Um outro estudo, publicado no Journal of Epidemiology and Community Health, afirmou que beber uma taça de vinho por dia pode aumentar a expectativa de vida dos homens em até cinco anos.

Em barricas

Em busca de uma maneira mais intimista de hospedar os enoturistas, uma vinícola de Saint-Émilion inaugurou uma nova forma de hospedagem: em grandes barricas de carvalho. O Château Vieux Lartigue abraçou a ideia de Frederick Charles Chassagne de transformar barricas de vinho gigantes em pequenas casas de cerca de 20 m², no estilo quitinete, com sofá, cama, televisão e banheiro num mesmo ambiente, levando os convidados para dormir em uma área tradicionalmente dedicada à agricultura e vinificação, mas com os benefícios de um hotel. A barrica foi colocada em meio aos vinhedos do Château e o preço por noite é de 129 euros.

Grandes marcas italianas

O Istituto Italiano del Vino de Qualitá novamente promoveu no Brasil suas degustações “Grandi Marchi”. Desta vez, os eventos ocorreram em 16 e 18 de julho, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Nomes de peso do vinho italiano puderam ser provados, como Gaja, Sassicaia, Pio Cesare, Antinori e tantos outros. ADEGA destaca dois vinhos a seguir:

 

CAMPOFIORIN 2008

AD 89 pontos
CAMPOFIORIN 2008

Masi, Vêneto, Itália (Mistral US$ 53). Ripasso muito bem equilibrado e saboroso. Frutas negras maduras despontam nos aromas, envolvidas pelo frescor do álcool e especiarias. Em boca, conserva as frutas amadurecidas, lembrando ameixas e uvas passas. É encorpado, com boa acidez e taninos redondos. VS

FIDES 2009

AD 91 pontos
FIDES 2009

Pio Cesare, Piemonte, Itália (Decanter R$ 220). Barbera d’Alba de bela cor rubi brilhante, com predomínio das frutas vermelhas silvestres e especiarias nos aromas. Em boca, apresenta acidez feroz, corpo médio, taninos aparados e delicados sabores tostados e picantes. Está ótimo agora e deixa indícios que ainda pode ficar melhor. Extremamente gastronômico. VS

Da redação

Publicado em 14 de Agosto de 2013 às 00:00


Mundovino Barros 100th Anniversary Vino Argentino Anadia Bairrada Vinho na TV Domaine Romanée-Conti Emma Martin

Artigo publicado nesta revista