Revista ADEGA

DOC

O vinho da Alsácia na França

A região da Alsácia, na fronteira entre França e Alemanha, foi motivo de disputas seculares entre franceses e alemães

Aguinaldo Záckia Albert em 25 de Abril de 2019 às 16:30

[Colocar Alt]

Estrasburgo, cortada pelo rio Ill, afluente do Reno, é a principal cidade da província da Alsácia. Na foto acima, a cidade de Colmar

A Alsácia é a mais peculiar das regiões produtoras de vinho da França. Situada entre as margens do rio Reno (a leste), que delimita hoje a fronteira franco-alemã, e a cordilheira de Vosges (a oeste), esta região tem uma história conturbada, pontuada por guerras e conflitos, o que fez com que fosse considerada, por várias vezes e de forma alternada, território alemão e francês.

Para não irmos ainda mais longe no tempo, entre os anos 962 e 1648, a Alsácia fazia parte do Sacro Império Romano-Germânico, que cedeu à França nesse último ano, pelo Tratado de Westfália, a parte sul de seu território. Anos mais tarde, em 1681, a parte setentrional, onde se situa Estrasburgo, foi também anexada ao território francês. Dessa forma, durante um longo período, que terminou em 1871, a Alsácia (juntamente com a Lorena), foi área integrante da França.

Veja também:

+ As maravilhas da Alsácia

+ Os vinhos brancos da Alsácia

Como decifrar rótulos franceses?

Vencida na guerra de 1871 contra o Império Alemão, a França cedeu o território ao seu tradicional inimigo, só retomando-o em 1919, com a vitória dos aliados na I Guerra Mundial. O Tratado de Versalhes sacramentou o fato. A Alsácia permaneceu francesa até 1940, quando as forças do III Reich invadiram a França e tomaram-na. A retomada francesa ocorreu pouco depois, em 1945, com a derrota alemã. Desde esta data, a região pertence à França.

Tantos conflitos tem seu motivo, pois a Alsácia e a Lorena são zonas estratégicas, perto de onde começa o rio Reno, que atravessa seis países (Suíça, Áustria, Liechtenstein e Países Baixos, além de França e Alemanha) e deságua no mar do Norte. Hoje, ela é uma das províncias francesas mais ricas (a segunda do país, atrás apenas de Ilê-de-France) e de extrema importância política e econômica, lembrando que em Estrasburgo situa-se a sede do Parlamento Europeu.

Por tudo isso, a Alsácia possui hoje uma forte identidade cultural, às vezes francesa, às vezes alemã, o que torna a visita a essa belíssima região, arduamente reconstruída depois da destruição da II Guerra, uma experiência extremamente rica e curiosa.

O vinho alsaciano

[Colocar Alt]

Em uma viagem pela região, é imprescindível passar por Colmar (foto), Turkheim, Riquewir, Ribeauvillé, Selestat, Obernai e Estrasburgo

Diante de tantos conflitos ao longo dos séculos, houve algo na Alsácia que sempre esteve acima das disputas franco-germânicas: o seu vinho. Em especial, o branco, tão famoso e aclamado mundialmente. Quando alguém fala em Riesling e Gewürztraminer, a primeira associação que se faz é com essa maravilhosa província (por enquanto) francesa.

Região produtora de vinhos da Alsácia se estende por 110 quilômetros desde a cidade de Thann, perto da fronteira suíça, até Marlenheim, ao norte, próximo de Estrasburgo. A zona vitivinícola se divide em duas, Alto Reno e Baixo Reno. Percorrer a “Rota do Vinho”, que corta todo o território, e visitar suas encantadoras cidades medievais e seus vinhedos realmente vale a pena. É imprescindível passar por Colmar, Turkheim, Riquewir, Ribeauvillé, Selestat, Obernai e, finalmente, Estrasburgo, a metrópole regional, com todos seus encantos e sua rica vida cultural e gastronômica.

A variedade de microclimas e solos que se encontra pelo caminho é enorme, o que possibilita ao vinhateiro alsaciano adaptar da maneira mais sábia as uvas regionais aos terrenos mais adequados. O peso do conceito de terroir é ali levado tão a sério quanto na Borgonha, e o resultado são vinhos brancos de grande equilíbrio e fineza. Granito, argila, calcário, areia e greda são os elementos que constituem esse rico mosaico de terrenos, fruto do desmoronamento de partes das montanhas do maciço de Vosges e da Floresta Negra, ocorrido há cerca de 50 milhões de anos.

Uvas clássicas

As castas brancas dominam a Alsácia. Apenas 8% dos vinhos são tintos ou rosés (geralmente para consumo local) e os restantes 92% são utilizados na elaboração de vinhos brancos tranquilos e espumantes. As variedades principais são sete:
RIESLING – Tida por muitos como a melhor casta branca do mundo, a Riesling é a grande estrela da Alsácia, seguida perto pela Gewürztraminer. Dá origem a vinhos de grande fineza e elegância, com aromas delicados de frutas cítricas e tropicais, além de notas florais e minerais.
GEWÜRZTRAMINER – Os vinhos feitos com esta uva são célebres. Têm aspecto dourado, aromas intensos de frutas (grappefruit, lichia, marmelo), florais e de especiarias (pimenta, canela), como denuncia seu próprio nome: Würze significa especiaria em alemão. Seus vinhos são os parceiros ideais da exótica gastronomia asiática, principalmente a tailandesa. Carne de porco e de ganso também vão muito bem eles.

PINOT GRIS – Uva cinzenta e levemente azulada, com ela se produz os vinhos mais encorpados e macios e com menor presença aromática. Extremamente gastronômico, por suas características, pode lembrar um bom branco da Borgonha. Seu antigo nome era Tokay Pinot Gris. 

PINOT BLANC – Vinhos de aromas agradáveis e discretos. Frescos, macios e redondos.
MUSCAT D’ALSACE – Produz brancos com aroma bem característico. O vinho é seco, ao contrário do que acontece com as castas da família da Muscat no sul da França, que são doces.
SYLVANER – Vinhos leves e refrescantes, com aromas agradáveis, frutados e discretos. Muito popular na Alemanha (Francônia).
PINOT BLANC – Vinhos frescos e macios com aromas discretos.
PINOT NOIR – É a grande representante tinta da região, consumida mais localmente. Os vinhos são menos concentrados e mais leves que os da Borgonha.

Os Riesling e Gewürztraminer da Alsácia são famosos mundialmente e encantam por sua tipicidade

Classificações

Todos os vinhos alsacianos são da categoria AOC (Appellation d’Origine Controlée). Ligados à tradição alemã, os vinhos ostentam no rótulo o tipo de uva com que são feitos – quando são monovarietais (100% da mesma uva na maioria dos casos). Quando se utiliza uma mistura de várias cepas, o nome “Edelzwicker” aparece no rótulo. São três as categorias dos vinhos:
AOC ALSACE – 12 mil hectares de vinhedos – A denominação mais comum. Abarca a maior parte dos vinhedos.

Os vinhos Grand Cru vêm de apenas 50 vinhedos e, ao todo, 500 hectares

AOC ALSACE GRAND CRU – 500 hectares de vinhedos – Esta denominação só pode ser utilizada por quatro castas: Riesling, Gewürztraminer, Muscat e Pinot Gris. O terroir desempenha fator preponderante. Leva-se em conta também o rendimento por hectare e o grau de açúcar das uvas. São 50 os vinhedos Grand Cru da Alsácia e devem ser mencionados nos rótulos.
AOC CRÉMANT D’ALSACE – Os vinhos espumantes da região, que gozam de grande prestígio, pertencem a esta categoria . São elaborados pelo método tradicional como o Champanhe (segunda fermentação na garrafa) e são brancos na sua maioria. Pinot Blanc, Riesling, Pinot Gris, Pinot Noir e, raramente, a Chardonnay, são as uvas utilizadas. Os rosés são feitos exclusivamente com a uva Pinot Noir.

+ Acompanhe as notícias de Alsácia

+ Melhores vinhos de Alsácia avaliados pela ADEGA


Notícias vinho francês Alsácia

Artigo publicado nesta revista


Douro Primeira Prova

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
Digital
1 ano
Digital
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaDigitalDigital
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241224
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 432,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 64,80R$ 100,00
Desconto
EconomizaR$ 151,20R$ 332,00
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também Guia ADEGA Guia ADEGA Vinhos do Brasil 2018/2019 + Poster "as cores do vinho"

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas