Perfil

Quem é o autor do catálogo-referência com 300 páginas de vinhos raros

Biblioteca Vinário, de André Simon, é o compêndio mais importante sobre livros de vinho do planeta


André Louis Simon é um pioneiro no mundo do vinho e livros

No começo do século 20, quem cruzava com André Louis Simon em seu curto trajeto até a catedral de Westminster, em Londres, para a missa diária talvez não imaginasse sua influência no comércio de vinhos da Inglaterra e tampouco sua verve literária voltada especialmente para a enogastronomia.

» Don Melchor: como nasce o ícone cuja safra atual recebeu exuberantes AD 97 pontos

Mas André, durante mais de 60 anos, foi um dos mais atuantes “embaixadores” do vinho, e não somente em território inglês. 

Nascido em 1877 no bairro St-Germain-des-Prés, em Paris, ele era filho de um pintor que acabou falecendo cedo, deixando cinco filhos. Desde jovem, diz-se que André queria ser jornalista. Aos 17 anos, foi enviado para Southampton para aprender inglês. Lá conheceu a francófila Edith Symons, com quem se casaria anos depois.

Na Inglaterra, ele se tornou um comerciante de vinhos, mais especificamente o agente londrino da casa de Champagne Pommery, devido aos laços de amizade com a família Polignac, dona da marca. E assim começou sua história como um dos maiores embaixadores, não só de Champagne, mas do vinho em geral. 

Em pouco tempo, escreveu seu primeiro livro, A História do Comércio de Champagne na Inglaterra. Contudo, não parou por aí e logo publicou uma sequência impressionante: são três volumes, editados em 1906, 1907 e 1909, do melhor e mais original de seus (impressionantes) 104 livros escritos durante a carreira.  

Pioneiro

Em 1908, com amigos, André fundou o Wine Trade Club, um grupo que durante seis anos organizou provas e deu palestras técnicas sobre vinho, numa espécie de precursor do que, anos mais tarde, seria o Instituto Masters of Wine. Voltando à sua atuação na parte literária, em 1919, publicou o compêndio mais importante sobre livros de vinho do planeta, a Bibliotheca Vinaria – uma espécie de catálogo dos livros do Wine Trade Club – que chegou a ter mais de 300 páginas e até hoje é usado por colecionadores para referenciar os exemplares raros que existem no mundo. 

Antes disso, porém, ele lutou na I Guerra Mundial. O clube, por sinal, precisou cessar as atividades devido aos conflitos e também por que, antes mesmo de a guerra começar, André estava na França como voluntário, servindo quatro anos na Artilharia Francesa, onde foi nomeado carteiro do regimento. Durante as batalhas, escreveu o Laurie’s Elementary Russian Grammar, para ajudar soldados a aprender russo. 

Em 1908, com amigos, André fundou o Wine Trade Club

De volta à Inglaterra, comprou uma casa no campo para a família, onde fez um teatro amador (uma de suas paixões) e um campo de críquete. Sua ligação com o comércio de Champagne acabaria em 1933, quando, devido às taxas de câmbio, não pôde mais continuar com suas ações da Pommery. Ainda assim, dizia beber Champagne todos os dias, “sem deixar que isso se tornasse um tédio ou um desejo”. 

Embaixador

Fora do comércio, aos 55 anos, André se tornou um porta-voz do vinho e da gastronomia após ter fundado, com amigos, o Saintsbury Club e, junto com Alphonse James Albert Symons, a Wine & Food Society (atualmente International Wine & Food Society).

“O objetivo é reunir e servir a todos os que acreditam que uma compreensão correta de boa comida e vinho é uma parte essencial do contentamento pessoal e da saúde, e que uma abordagem inteligente dos prazeres e problemas da mesa oferece recompensas muito maiores do que a mera satisfação do apetite”, dizia.

A Concise Encyclopedia of Gastronomy, de Simon, vendeu 100 mil cópias

Após o fim da lei seca nos Estados Unidos, ele fundou a primeira filial da sociedade em Boston, em 1934, e depois em São Francisco, no ano seguinte. Naquela época, era a única associação mundial de entusiastas gastronômicos não associados comercialmente ao comércio de vinhos e alimentos. Hoje são mais de 6 mil membros espalhados por todo o planeta. 

» Vestiquero: o enólogo Felipe Tosso nos leva a um passeio por vinhos inesquecíveis

Embora seja de um período em que refeições longas e elaboradas eram comuns, André sempre evitou a proliferação de pratos complexos, preferindo uma sequência contida de vinhos para acompanhar um número limitado de pratos.

Ele tomava seus aperitivos (Champagne) sem canapés. Segundo ele, um jantar adequado deveria começar com sopa e os peixes, a seguir, exigiam apenas o preparo mais básico. Ele servia vinhos menos estruturados no início e reservava os mais maduros e importantes para o prato principal e os queijos. Ele gostava de Sauternes com sobremesa e Conhaque – ou, mais frequentemente, Porto. 

Sua meta era sempre a qualidade, não a quantidade nas refeições. 

Ao mesmo tempo, André trabalhou em um projeto literário que o consagrou: A Concise Encyclopedia of Gastronomy. Publicada em fascículos, vendeu 100 mil cópias.

Seu último livro, In the Twilight, escrito no inverno de 1969, reformulou as memórias que ele havia publicado anteriormente em 1957. No que teria sido seu 100º aniversário, em 28 de fevereiro de 1977, 400 convidados no Savoy Hotel em Londres – o mesmo que recebeu o jantar inaugural da Wine & Food Society – beberam em sua memória o vinho que ele havia guardado para a ocasião: Château Latour 1945. 

Até hoje, há um famoso prêmio literário mundial ligado a enogastronomia que leva o nome de André Louis Simon e, os vencedores recebem, entre outras coisas, garrafas especiais de Champagne Pommery. 

Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Da redação

Publicado em 27 de Agosto de 2021 às 11:00


Perfil André Louis Simon Vinho Literatura Livros sobre vinho Enciclopédia História