Adega responde

“Meu risoto fica melhor se eu usar um vinho bom nele?”


Colocar um vinho ruim em um risoto definitivamente não é uma boa pedida. Além de não melhorar, é provável que piore o sabor

Há uma máxima entre cozinheiros que diz que não se faz um bom prato sem bons ingredientes. Sendo assim, despejar um vinho ruim em um risoto definitivamente não é uma boa pedida, pois, além de não melhorar, é provável que piore o sabor. Mas colocar um Grand Cru de Montrachet, por exemplo, vai tornar a sua receita espetacular? Muito provavelmente não. 

Receitas que levam vinho (como risoto, por exemplo) não precisam de um rótulo top para ganharem em sabor, mas também não devemos pegar um vinho qualquer para o preparo. Ao ser aquecido, o álcool evaporará e uma boa parte das propriedades de aroma e sabor do vinho se perderão, ainda assim, uma parte da sua essência permanecerá e se agregará à comida. No caso, o arroz e algum outro ingrediente da preparação. Então se você acrescentar um vinho ruim, ele provavelmente deixará para trás notas não muito agradáveis. Um vinho bom, por sua vez, vai somar. 

 

LEIA MAIS:

» Dicas de harmonização entre vinho e arroz

» Dicas de harmonização com risoto

 

Quão bom precisa ser esse vinho? Depende muito do seu nível de exigência, mas a maioria das receitas não pede mais do que algo em torno de 60 a 120 ml (para preparações que rendem de uma a quatro porções), ou seja, dá para você abrir a garrafa, colocar uma taça na mistura e beber o resto quando o risoto ficar pronto. Ou seja, que o vinho possa ser pelo menos um que você beberia caso não fosse colocar na comida. 

 

Tipo de vinho 

Além da qualidade do vinho, as pessoas costumam também perguntar qual tipo de vinho seria ideal para o risoto, pois a maioria das receitas diz apenas “acrescente vinho branco”. As mais conscientes ainda apontam um detalhe importante “vinho branco seco”. Sim, evite vinhos meio secos ou doces, pois eles vão deixar um sabor adocicado pouco agradável. Prefira vinhos com bastante acidez, de preferência sem passagem por madeira, como Sauvignon Blanc e Pinot Grigio, por exemplo. Tinto? Melhor não, pois os taninos podem deixar um leve amargor. Mas se você estiver fazendo um risoto de funghi ou então de beterraba, por exemplo, pode-se arriscar um Pinot Noir. 

Da redação

Publicado em 23 de Abril de 2020 às 19:27


Notícias

Artigo publicado nesta revista

PINOT NOIR

Revista ADEGA 168 · Outubro/2019 · PINOT NOIR

A uva mais desafiadora do planeta seleção com mais de 40 rótulos