Traz as olivas

Conheça o estilo dos óleos de oliva de Trás-os-Montes, uma das regiões mais tradicionais na produção de azeites em Portugal

João Calderón em 13 de Outubro de 2011 às 06:52

Trás-os-Montes se situa no nordeste português, limitando-se ao norte com a região espanhola da Galícia, ao leste com outra região espanhola, León, a oeste com o rio Tâmega e ao sul com o rio Douro – limites que variaram um pouco ao longo dos anos. No ano de 1835, Portugal passou por uma reforma administrativa e foi dividido em distritos. A partir daí, a Província de Trás-os-Montes passou a agrupar os distritos de Bragança e de Vila Real.

Uma terra de contrastes, uma região remota, repleta de montanhas com suas vegetações secas e seus vales fertilizados, é no alto do Douro que as oliveiras floreiam em verdadeiros microclimas. Essa é a área conhecida como Trás-os-Montes, nome que também batiza a sua Denominação de Origem Protegida.

O cultivo de oliveiras na região nos faz viajar no tempo, já que se inicia nos anos 1600, ou antes ainda, pois já havia algumas referências à produção do azeite na região na metade do século XVI. Essa produção se inicia em pequenas escalas, passando por uma grande expansão, principalmente durante o século XIX, e hoje a área possui cerca de 62 mil hectares de olivais, o que representa aproximadamente um quinto de toda a produção nacional.

Atualmente, a produção regional de Trás-os- Montes pode ser percorrida pela “Rota do Azeite de Trás-os-Montes”, um trajeto turístico que propõe visitas aos quinze concelhos que integram essa zona geográfica de produção da Denominação de Origem Protegida, para poder degustar os óleos de oliva ali produzidos.

Muitos dos novos cultivos da região são irrigados e mecanizados, o que não é exatamente uma unanimidade nacional, e suas oliveiras costumam ser plantadas em meio às videiras – cultivo que ainda é mais importante para a região.

Passeando pelo nordeste português é comum deparar- se – quando viajando de carro – com as tradicionais placas de “Vende-se Azeite” nas beiras das estradas. Outra tradição e característica já conhecida das margens do rio Douro é o seu solo, o xisto, também chamado popularmente em Portugal de “lousa”, e que dá ao óleo uma qualidade especial às principais áreas produtoras da região: Mirandela, Vila Flor, Macedo de Cavaleiros e Alfândega da Fé.

A primeira delas, Mirandela, tem sido ao longo dos anos um centro muito importante em se tratando da produção de azeite – sem esquecer do principal produto da região, do qual o azeite é um de seus ingredientes essenciais, a alheira. A alheira é um enchido muito típico da culinária portuguesa, cujos principais ingredientes podem ser carne e gordura de porco, carne de aves, pão, azeite, alho e colorau.

#Q#
Área da Denominação de Origem Protegida de Trás-os-Montes

No entanto, segundo a tradição, esse enchido foi criado por cristãos novos que secretamente herdaram alguns costumes de sua renegada religião judaica. Como se sabe, o judaísmo proíbe o consumo da carne de porco, principal ingrediente da grande maioria dos enchidos encontrados no mundo, portanto alguns dos “recém convertidos” teriam inventado um chouriço no qual as carne de ave substituía a de porco. E foi assim que surgiram as alheiras, primeiramente elaboradas a partir de diversas carnes alternativas ao porco. Tradicionalmente, na região de Trás-os-Montes, a alheira é consumida grelhada e acompanhada por batata cozida e legumes da época, sempre regadas a óleo de oliva.

Trás-os-Montes DOP
Essa Denominação de Origem Protegida está localizada no oeste, sul e centro da província de Bragança. A DOP representa apenas uma pequena fração do azeite produzido, cerca de 5%, porém todo óleo de oliva extravirgem nela produzido costuma ser muito bem avaliado, sendo considerado um dos melhores azeites portugueses. O óleo costuma ser de um amarelo dourado, muito frutado, por vezes amendoado e com um grau de amargor e picância variado. Dentre os azeites de qualidade encontrados na região estão os premiados e já conhecidos aqui no Brasil, Quinta do Romeu e CARM (Casa Agrícola Roboredo Madeira), por exemplo.

Os cultivares permitidos na DOP Trás-os-Montes são Verdeal Transmontana, Madural, Cobrançosa e Cordovil. Todos eles, excetuando a variedade Cordovil, são especialidades da região. A Verdeal Transmontana é uma oliveira de porte mediano, que possui seu melhor período de colheita no final da estação. A Madural é considerada por muitos um clone da variedade Galega, que frutifica durante todo o ano. Além dessas, poderia ser acrescentada a variedade Negrinha, resistente à mosca da oliveira.


Azeite

Artigo publicado nesta revista


International Tasting

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 194,40R$ 367,20R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 21,60R$ 64,80R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 64,80 6x R$ 61,20
Assinando agora você GANHA também POSTER DESCRITORES AR GUIA ADEGA 2017/2018
International Tasting

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas