Com as mãos no vinhedo

Para quem quer ter um prazer além da degustação, fevereiro e março são os meses ideais para participar da colheita de uvas no sul do Brasil


fotos: Divulgação
"Isso me faz lembrar de meu safari na África. Alguém esqueceu de levar o saca-rolhas e durante muitos dias nós tivemos que viver apenas de comida e água"
W.C.Fields, humorista americano (1880-1946)

Toda vez que viajamos, comer, beber e visitar as atrações locais estão entre os prazeres mais apreciados pelas pessoas, seja lá qual for o tipo de turismo que elas pratiquem (rural, cultural, aventura, religioso etc).

Mas uma boa parte dos turistas de hoje não está apenas à procura de uma bela praia selvagem, muitos desejam se hospedar nas casas simples dos pescadores locais, enquanto outros, que vão às grandes cidades, dispensam os passeios coletivos para andar de metrô, conhecer restaurantes de bairros afastados e "desaparecer na paisagem".

Os estudiosos de turismo dizem que essa prática é chamada de "turismo dos sentidos", que une valores locais e humanos, além de uma paisagem singular. O doutor em antropologia e professor de enoturismo da universidade de Rioja, na Espanha, Luis Vicente Elias Pastor, explica melhor: "Vivemos em espaços menores, estudamos mais, lutamos para ganhar a vida e estamos constantemente conectados com o mundo, mas ao mesmo tempo mais distantes dele, por isso, quando saímos de férias, muitos de nós precisam se reconectar com a natureza, ou com as experiências que nos faltam na rotina diária, por isso o turismo dos sentidos".

fotos: Divulgação
Deck em frente ao luxuoso Spa do Vinho, no Vale dos Vinhedos
#Q#
fotos: Divulgação
Programação da Villa Valduga é repleta depois da Festa da Vindima

No Brasil e fora dele
Até bem pouco tempo, visitar as cantinas onde se produz o vinho era uma experiência para poucos, mesmo na Europa. Era necessário ter algum conhecido no meio, fazer uma reserva com meses de antecedência ou simplesmente parar numa estrada poeirenta e tirar uma foto distante.

Felizmente, uma série de fatores (entre eles a crise e o glamour associado ao mundo do vinho) fez com que as vinícolas abrissem suas portas e transformassem aquilo que era, em muitos casos, uma simples lojinha, em um empreendimento para receber e orientar os turistas.

Atualmente, é possível visitar pequenas e grandes empresas vinícolas no mundo todo, até mesmo em locações supertradicionais como os produtores de Champagne, ou passar um dia aproveitando as belezas de uma vinícola à beira do mar na Austrália.

No entanto, no enoturismo, o equivalente da casa do pescador ou do metrô de Berlim é passar um dia colhendo uvas e observando o processo que transforma o mosto em vinho.

Para os verdadeiros amantes do vinho, não basta conhecer as instalações de uma vinícola e provar diretamente das barricas, é necessário também sujar as mãos. E o calendário brasileiro não poderia ser mais generoso com os enoturistas, pois a época da colheita coincide com o final de nossas férias de verão, estendendo-se durante o Carnaval, até o começo de março (isso no Rio Grande do Sul, pois em Santa Catarina as uvas são colhidas ainda mais tarde, e em alguns anos até mesmo em maio).

Assim, prepare as malas, aproveite as passagens mais baratas e prepare-se para ter seu dia de vinhateiro com as sugestões que ADEGA reuniu.

#Q#
fotos: Divulgação
Vista da Pizzato, que também tem seu Dia da Colheita

Vinícolas e roteiros
Para quem chega de avião em Porto Alegre, o ideal é alugar um carro e seguir para Bento Gonçalves, ou combinar com o hotel para que um motorista vá lhe buscar na cidade. Esse percurso leva, em média, 1h20.

fotos: Divulgação
Entre as atividades propostas pelos produtores estão colher uvas, fazer a pisa a pé - como demonstrado aqui -, jantares harmonizados etc

Ao chegar em Bento Gonçalves, é fácil perceber que essa é uma época festiva, pois a cidade está cheia de opções dentro do programação oficial "Bento em Vindima": "O período da vindima é nosso diferencial, o turista pode participar de muitas atividades, como colher e pisar a uva, jantar sob às estrelas, fazer cursos de degustação, participar de filós e, neste ano, até mesmo de um ciclo de cinema, seguido de debate e jantar harmonizado. É uma nova proposta de turismo para o verão brasileiro, e que oferece uma experiência e uma vivência única ao participante", conta Ivane Fávero, Secretária de Turismo da cidade.

Com tudo preparado para a vindima, as hospedagens disponíveis também entram no clima. Quem escolher ficar na Villa Valduga, pousada dentro do complexo da Casa Valduga no Vale dos Vinhedos, encontrará um roteiro completo para antes e depois da Festa da Vindima, que acontecerá todos os sábados até o dia 10 de março. A programação inclui desde um café da manhã sob o parreiral, a colheita e a pisa das uvas, degustações e refeições harmonizadas, visitas à unidade de vinificação e às caves, além de outras atividades que ocupam todo o dia. É possível, também, fazer o programa da colheita em separado, sem se hospedar (veja mais informações no box). Qualquer que seja a escolha, é diversão garantida para famílias e apaixonados por vinhos.

Ainda dentro do Vale, um programa excelente e um pouco mais curto é participar do Dia da Colheita na Pizzato, acompanhados do proprietário Plínio Pizzato, que explica tudo sobre os vinhedos e a colheita, ao mesmo tempo em que os turistas em seus chapéus de palha provam e colhem as uvas que irão poder pisar depois, enquanto se refrescam com uma taça de espumante. O passeio fica completo com a visita à cantina onde são feitos os vinhos, com o acompanhamento do enólogo e com um almoço harmonizado.

A sede da Miolo no Vale também tem um dia especial, que neste ano será em março, em que um pequeno grupo é recebido pelos enólogos para conhecer em detalhes os processos de vinificação. É o Wine Day Miolo, uma espécie de curso que mostra ao participante, com interatividade, todas as fases da preparação de um vinho, tanto que cada uma das unidades produtoras do grupo no Rio Grande do Sul o faz em uma data diferente e com um estilo de vinho. Na Campanha Gaúcha, na Seival Estate (em Candiota), o curso será sobre tintos e, na Almadén (em Santana do Livramento), o curso será sobre vinhos brancos. A programação também acontece na vinícola Lovara, em Bento Gonçalves, com vinhos tintos.

#Q#
fotos: Divulgação

Participar da colheita é uma experiência única e pode ser vivida em todos os seus detalhes durante a vindima no sul do Brasil

Colhendo e degustando
A Lovara Vinhas e Vinhos, que faz parte do grupo Miolo, também terá uma programação nova, estreando este ano, em parceria com a rede Dall'Onder. É a Colheita ao Luar. Duas vezes por semana os hóspedes poderão pegar o transfer de um dos três hotéis da rede na cidade e ser recebidos na vinícola para participar do tradicional processo de colheita e pisa da uva, seguido de uma degustação harmonizada de oito vinhos e espumantes com queijos e outros petiscos. No frescor das noites do sul, os grupos poderão optar por fazer a degustação na varanda com vista para os vinhedos iluminados da Lovara, na rústica casa de pedra que preserva traços da imigração italiana ou no deck ao lado do açude, em meio às vinhas.

Para uma opção que combina luxo e atividade de campo, a escolha pode ser a Festa da Colheita no Hotel e Spa do Vinho, o mais elegante dentro do Vale dos Vinhedos. Por lá a programação matutina inclui a colheita nos parreirais que circundam o hotel, a pisa das uvas e um almoço típico ao ar livre com a apresentação de um coral italiano. E para quem preferir passar o dia nos tratamentos do Spa (que nesta época de colheita incluem até massagem e esfoliação com cachos de uvas) existe a opção de um jantar temático italiano com harmonização com os vinhos do Vale.

PARA UMA BOA COLHEITA
1. Use protetor solar e um chapéu ou boné, a colheita é feita (a maior parte das vezes) em horas bem quentes do dia sob o sol (ou mormaço) do verão;
2. Insetos são comuns nos vinhedos, por isso não deixe de usar uma generosa quantidade de repelente para não se incomodar durante a melhor parte do passeio;
3. Hidrate-se, e não apenas com vinho, o calor e a atividade física sob o sol desidratam o corpo rapidamente;
4. Use roupas confortáveis e frescas, que permitam que você se mova com desenvoltura. Tênis são os calçados mais indicados.
#Q#
fotos: Divulgação
Em um mesmo dia você pode aprender sobre os métodos de produção do vinho e depois degustá-los com ainda mais prazer

fotos: Divulgação

Quem quer apenas passear e degustar, mas sem a obrigação de colher uvas, neste ano as opções são variadas e vão além das 30 vinícolas abertas à visitação no Vale dos Vinhedos. Na região de Pinto Bandeira (um distrito de Bento Gonçalves), é possível conhecer algumas das casas que fazem espumantes muito especiais, como a Don Giovanni, que tem uma agradável pousada e todo o capricho gastronômico da proprietária Beatriz Dreher e de sua filha Paola D. Giovannini: "Presenteamos nossos hóspedes com um kit da vindima, que contém uma bolsa exclusiva de palha, luva para a colheita e toalhinha. Também colocamos mapas indicando quais os parreirais que eles poderão colher as uvas se assim quiserem e as uvas estiverem na maturação correta. Criamos ainda um minidicionário, mostrando para o público algumas palavras usadas na safra, desde os tempos dos imigrantes italianos, valorizando a cultura da região da Serra Gaúcha.
Também é uma maneira carinhosa que encontramos de presentear nossos hóspedes neste momento tão especial do ano", explica Paola.

Na quase vizinha vinícola Valmarino, a opção é o "merendin", um típico lanche italiano que será servido após a visita à pequena vinícola e seus vinhedos e que inclui frios, biscoitos, suco e espumante, tudo com a linda vista das montanhas de Pinto Bandeira.

Há opções para todos os gostos com hospedagens em lugares mais singelos ou então em luxuosos hotéis de padrão internacional

Já no roteiro das Cantinas Históricas no distrito de Faria Lemos, vale agendar uma visita a Dal Pizzol para conhecer o "Vinhedo do Mundo", uma área de cultivo com parreiras dos quatro cantos da terra, quase todas produzindo nesta época e, no mesmo caminho, parar para um fim de tarde na Vinícola Cristófoli, que oferece o edredom no parreiral para quem quer relaxar com música, fruta, frios e vinho, sob a sombra das vinhas.

Com tantas opções, ninguém vai precisar se preocupar em levar o saca-rolhas nessa viagem.

INDICAÇÕES ADEGA
Festa da Vindima na Casa Valduga
www.villavalduga.com.br, reservas@villavalduga.com.br ou (54) 2105 3154

Dia da Colheita Pizzato
vendas@pizzato.net ou (54) 3459 1155 ou www.pizzato.net

Miolo Wine Day no Vale dos Vinhedos, na Lovara em Bento Gonçalves, na Almadén em Santana do Livramento e na Seival Estate em Bagé
thais@miolo.com.br ou (54) 2102 1574

Colheita ao Luar (Lovara/Dall'Onder)
www.dallonder.com.br ou 0300 147 3000

Festa da Colheita Hotel e Spa do Vinho
reservas@spadovinho.com.br ou (54) 2102 7200

Pousada Don Giovanni
www.dongiovanni.com.br

Vinícola Valmarino
(54) 3452 2135

Vinícola Cristofoli
www.vinhoscristofoli.com.br ou (54) 3439 1190

Sílvia Mascella Rosa

Publicado em 23 de Janeiro de 2012 às 15:28


Terroir Brasil

Artigo publicado nesta revista

Top 100

Revista ADEGA 75 · Janeiro/2012 · Top 100

Os melhores vinhos do ano