Escola do Vinho

A história da lista de Bordeaux de 1855, a mais famosa classificação de vinhos do mundo


 

 

É por meio das classificações dos seus vinhos que se pode compreender melhor a história de Bordeaux. Mais do que meras listas que enumeram as melhores propriedades vinícolas, elas dizem respeito às origens do vinho na região e do comércio que fez tais listas se perpetuarem.

A principal classificação de Bordeaux é conhecida como 'Classification officielle des vins de Bordeaux', a primeira feita oficialmente, em pedido do imperador Napoleão III à Câmara de Comércio de Bordeaux, como contribuição ao grande evento da Exposição Universal de Paris, em 1855.

Vale lembrar que, durante muito tempo, os vinhos das diversas propriedades eram vendidos em barris sem identificação, no máximo indicando a cidade ou região de onde vinham. E os produtores bordaleses foram uns dos primeiros a entender a importância do marketing em torno de seus nomes.
Somente no século 17 surgiu o conceito de valorizar os vinhos de determinado produtor.

O Haut-Brion, por exemplo, foi o primeiro a vender seu produto separadamente. O conceito de terroir se fazia valer.

 

 

Com o passar do tempo, o paladar dos ingleses - donos de um dos mercados-chave para os franceses - foi incrementando e eles se tornaram mais precisos em relação ao local em que os vinhos de melhor qualidade eram produzidos. De uma visão geral de Bordeaux, passaram a focar na sub-região de Médoc e, mais tarde, a levar em conta também o produtor em questão.

E neste quesito, quatro se destacavam: Château Margaux, Château Latour, Château Lafite e Château Haut-Brion (o único que não ficava no Médoc, mas sim em Graves, e que foi o primeiro a fazer fama no mercado inglês).

Por conta do altíssimo nível destes vinhos - e também seus preços descomunais -, eles ficaram conhecidos como vinhos de "primeira propriedade", os chamados Premiers Crus.

 

 

Mouton entra em 1973

Outras propriedades, então, começaram a notar como as primeiras estavam dando certo financeiramente e como valia o esforço de se empenhar na qualidade do vinho. Elas conseguiram criar um reconhecimento similar e ficaram conhecidas como "segundas propriedades". Afinal, seus preços não eram tão altos e, além disso, tinham valores parecidos, o que ajudou a criar uma homogeneidade.

Em 1787, já se tinha bem definido uma terceira denominação, das "terceiras propriedades". O sucesso comercial dessa classificação fez com que fosse criada ainda uma quarta classe.
Em meados de 1820, com as classificações em alta e diversos livros a respeito publicados, os apreciadores de vinho passaram a ter uma ideia muito mais ampla do que significava tudo aquilo. Não era somente a qualidade da terra que estava sendo classificada, mas também a propriedade, a mão dos produtores.

 

 

Por volta de 1850, já havia cinco classes bem definidas nessa hierarquia comercial, compreendendo por volta de 60 produtores.

Em 1973 ocorreu a mudança mais importante na classificação com a inclusão do Mouton Rothschild entre os Premiers Crus, devido à influência política e econômica de seu proprietário.

Com a classificação - e na verdade, por causa dela - as décadas de 1860 e 1870 foram consideradas a 'idade de ouro', pois os produtores obtiveram lucros incríveis.

Hoje a hierarquia dos Crus Classés conta com 61 propriedades: 5 Premiers, 14 Deuxièmes (ou Séconds); 14 Troisièmes; 10 Quatrièmes; e 18 Cinquièmes.

Napoleão III e a Exposição de Paris

Um nome de peso na história francesa teve grande importância no processo de categorização dos grandes vinhos do país: Luis Napoleão Bonaparte, sobrinho de Napoleão, que foi eleito presidente da França em 1848. Em um país tumultuado, como fizera seu tio, ele deu um golpe de estado e se auto-proclamou imperador.

 

 

Apaixonado pelo neoclassicismo, Napoleão III pretendeu restaurar a grandiosidade de seu país no cenário mundial e promoveu diversas feiras e salões ditos mundiais ou universais, reunindo cientistas, pensadores, artistas e, naturalmente, vinhos.

Em 1855, a Exposição Universal de Paris foi organizada na famosa avenida Champs-Élysées, e Napoleão III pediu a cada região vinícola que estabelecesse uma classificação de seus vinhos. Apresentou-se uma lista dos vinhos de Bordeaux, elaborada a partir de um histórico de cotações e reputação dos châteaux ao longo de um extenso período.

O sistema de ranqueamento feito pelos negociantes foi baseado em resultados comerciais dos vinhos de cada propriedade durante longos períodos de tempo. O que contava era a tradição, a reputação construída em torno dos valores obtidos pelos produtos durante anos.

Assim, as categorias foram definidas por faixas de preço, o que fez com que os consumidores já tivessem uma ideia dos valores que seriam cobrados pelos vinhos de cada propriedade.

O enófilo Thomas Jefferson

Classificações não oficiais dos principais vinhos de Bordeaux sempre surgiram antes da lista apresentada em 1855. Muitos grandes enófilos da história fizeram suas próprias classificações dos melhores produtores e um dos mais célebres a citar os grandes Châteaux em seus apontamentos foi Thomas Jefferson, quando foi embaixador norte-americano na França em 1787. 

 

O futuro presidente dos Estados Unidos ficou fascinado com os vinhos ao viver no país europeu. Ao visitar Bordeaux, fez uma lista dos produtos que mais gostou e ela continha vários dos nomes que ficaram eternizados na classificação de 1855.

 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

Da redação

Publicado em 25 de Julho de 2020 às 12:36