Cartas

Escreva para redacao@revistaadega.com.br


PROMOÇÃO “POR QUE VOCÊ GOSTA DE VINHO DO PORTO?”

O livro “Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto”, lançado recentemente, é uma obra de referência sobre o mais tradicional vinho de Portugal e ADEGA vai sortear um exemplar autografado pelos autores Manuel Pintão e Carlos Cabral entre seus assinantes. Condições para participar da promoção:

1Ser assinante da revista ADEGA;
2Curtir a página da revista ADEGA no Facebook: www.facebook.com/revistaadega;
3Publicar no mural a resposta à pergunta: “Por que você gosta de Vinho do Porto?”

As respostas serão julgadas pela equipe da revista e a mais criativa – enviada até o dia 30 de setembro – ganha o exemplar do livro.

AGRADECIMENTO

Caros, gostaria de lhe informar como foi nosso evento na segunda-feira, 27 de junho. Expomos ao público os resultados de nossa pesquisa. Aproximadamente 60 pessoas. Realizamos uma mini-degustação de vinhos, em que tínhamos vinhos doados pela vinícola Cantina das Neves e também adquirimos vinhos das vinícolas Miolo, Salton, entre outras. Quisemos mostrar um pouco daquilo que o Brasil tem de melhor com relação a vinhos finos. Distribuímos folders e materiais gráficos e as revistas ADEGA e Almanaque do Vinho, que nos foram cedidas pela Inner Editora.

Contamos com a presença de Carlos Eduardo Zuim, Fiscal Federal Agrícola, que trabalha juntamente à Secretaria de Agricultura de São Paulo, e veio em nome do Ministério da Agricultura. Havia uma equipe de reportagem da TV Tem, filiada da Rede Globo no interior de São Paulo. Fizeram uma matéria conosco sobre a realização e contribuição da pesquisa de vinhos para região.

O evento foi um sucesso. Envio algumas fotos e também uma cópia de nossa pesquisa para o trabalho de conclusão de curso. Obrigado.

William de Oliveira Lima

TERROIRS BRASIL

Parabéns pela reportagem sobre “Terroirs do Brasil” (edição 69). Abrangeram o tema de forma sucinta e clara. Esse é o nosso Brasil vitícola. As fotos estão excelentes.

Luciano Vian

PARIS

Paris é mesmo um lugar divino. Nunca canso daquela cidade. Há sempre algo novo para ver. Adorei a edição 69 com as dicas da Cidade Luz. Já anotei algumas para conferir da próxima vez que viajar para lá.

Anderson Dias

GAJA

Um dos produtores que mais admiro no mundo é Angelo Gaja. Esse italiano, que na década de 1970 resolveu romper com as tradições vitivinícolas do Piemonte, é um ser estupendo. Ele não só revolucionou o Barbaresco como também partiu para outras áreas, especialmente a Toscana. Seu projeto do Ca’Marcanda não deixa dúvida de sua genialidade. Um visionário. Espero que continue assim por muitos anos ainda e, quando não mais puder, que seus herdeiros mantenham esse legado fantástico.

Lauro Vilaça

LENDAS DO VINHO

Um das coisas que mais encanta no vinho, muitas vezes mais até do que o próprio gosto da bebida, são as histórias por trás da produção, as lendas, os mitos, tudo o que faz de um determinado produtor um grande vinho. Sempre ouço aqueles que não são grandes enófilos dizerem: “Para mim, o que vale é o gosto da bebida, se for boa, está bom. Não basta ter fama e gosto ruim”. Concordo, mas como um grande apreciador, sei dar valor ao passado, a tudo o que está relacionado à produção daquela garrafa que bebo. Anos de história não podem ser negados. Anos de história não são esquecidos na hora de fazer um blend. Anos de história dizem muito de um produtor.

É verdade que hoje com tanta informação por aí e com ela tão difundida por todos os lugares, qualquer um é capaz de fazer um grande vinho. Contudo, quantos são capazes de dizer: “O vinho que você bebe hoje aqui, nesta garrafa, é resultado do que meus ancestrais estudaram há séculos”? Quantos podem dizer: “Meu vinho já foi apreciado por reis de outras épocas?” Poucos e, a eles, eu brindo.

Renato Tobias

VENCEDORA

A “tuiteira” Luciana Gall, de Petrópolis, levou o prêmio – o vinho Taipa 2010 da vinícola Pericó – da promoção #EUBEBOVINHO, divulgada na edição 69 de ADEGA. Parabéns!

FRANCESES NO BRASIL

Estamos acostumados a encontrar poucos vinhos franceses de bom custo-benefício no Brasil, infelizmente. Mesmo os vinhos mais simples de lá chegam aqui com um custo muito alto. Eu mesmo, no dia-a-dia, opto por chilenos e argentinos, que são mais baratos. Contudo, fiquei feliz em ver a reportagem “Só Grand Cru Classé? Bordeaux é muito mais”, na edição 69, pois apresentou vinhos e regiões de Bordeaux que eu desconhecia e deu um bom panorama do que se pode encontrar nessas áreas “esquecidas”.

Infelizmente a oferta ainda é pouca. Gostaria que as importadoras investissem um pouco no vinho francês – especialmente nos mais acessíveis – para que pudéssemos melhor comparar com o que há no Novo Mundo e pudéssemos, aí sim, optar pelo que acharmos melhor e não apenas pelo que tem melhor preço.

Otávio Lima

PREÇO DOS VINHOS

Há temos não temos uma taxa cambial tão favorável e fico me questionando se o preço dos vinhos importados vai baixar. Espero realmente que sim, apesar de saber que recentemente foi incorporado mais um mecanismo fiscal para encarecer e burocratizar a entrada de produtos de fora no Brasil. Tomara que as importadoras aproveitem esse momento para fazer bons contratos no exterior e trazer vinhos com melhores valores para nós consumidores, pois, sinceramente, não acho que algumas garrafas deveriam ser tão caras aqui. Essa é uma oportunidade.

O mercado está aquecido, o consumo cresce. Com bons preços, crescerá mais e o nosso povo, tendo acesso a vinhos melhores e mais baratos, certamente vai começar a aprender o que é bom e parar de beber vinho “suave” achando que isso é que é bom.

Rúbia Alves

Da redação

Publicado em 15 de Agosto de 2011 às 06:01


Cartas

Artigo publicado nesta revista