Conexão Portugal


ICEP/divulgação
João Pedro Figueiredo da Mota Pinto
Grande incentivador da economia portuguesa pelo mundo afora, João Pedro Figueiredo da Mota Pinto é hoje diretor da ICEP Portugal (Instituto de Empresas para os Mercados Externos), onde trabalha desde 1991. Há quase seis anos no Brasil acompanhado de sua esposa e uma filha de 3 aninhos, quando questionado sobre seu vinho predileto, ele revela: "Vinho, todos, desde que sejam portugueses!". #R#

Qual a importância da ICEP para a economia de Portugal?
O ICEP Portugal é uma entidade pertencente ao Ministério da Economia e Inovação de Portugal responsável pela internacionalização da economia portuguesa - promoção dos produtos portugueses pelo mundo, promoção do turismo em Portugal, promoção da imagem de Portugal e apoio ao investimento direto português no exterior - assim, pode-se dizer que o ICEP Portugal tem um papel fundamental no crescimento da economia portuguesa.

Entre os mercados mundiais, quais os três mais importantes para Portugal e os três mais promissores?
Como mercado mais importante para as relações econômicas de Portugal temos o mercado Europeu com destaque especial para a Espanha, França e Alemanha. Como mercados promissores e prioritários para Portugal existe um grupo definido com 7 países, entre os quais se encontra o Brasil.

Como o senhor analisa o Brasil nessa fatia de mercado, tanto de importação como exportação?
As relações econômicas entre Portugal e o Brasil ainda estão muito aquém do potencial de ambos os países. Em 2005 Portugal exportou para o Brasil 227.654 milhões de dólares sendo somente o 46º fornecedor do Brasil e importou cerca de um bilhão de dólares, sendo o 34º cliente do Brasil. No entanto, é necessário ressaltar que os fluxos comerciais entre ambos os países têm aumentado, tendo Portugal registrado em 2005 um aumento de 19% no volume de exportações para o Brasil em relação ao ano de 2004. Enquanto que o Brasil registrou um crescimento de 5% no volume de exportações para Portugal durante esse mesmo período.

Entre os produtos exportados de Portugal, em que lugar está o vinho?
Do total das exportações portuguesas para o Brasil (ano 2005), os vinhos aparecem como o quinto mais exportado, representando mais de 15 milhões de dólares.

Dá para saber qual o tipo de vinho mais exportado? Os brancos, licorosos, tintos....?
Para o Brasil os vinhos portugueses mais exportados são os tintos.

Que país mais compra vinho de Portugal?
Os países que tradicionalmente mais compram vinho de Portugal são Angola, França, Itália e o Reino Unido.

E o Brasil, qual a relação de importação de vinho português?
Segundo as estatísticas de 2004, o Brasil foi o 10º mercado para os vinhos Portugueses representando 3,9% do total das nossas exportações de vinho.

Qual a importância de feiras especializadas em vinho, como a ExpoVinis?
As feiras são importantes para que os produtores portugueses possam estabelecer contactos com potenciais compradores e observar a concorrência e tendências do mercado. No entanto, para se "fecharem" negócios é necessário que as empresas marquem reuniões individuais com potenciais importadores, e invistam nas suas ações de promoção no mercado.

Existe uma estratégia própria para a promoção do mercado de vinhos?
Nos últimos anos, a nossa estratégia (com resultados visíveis) tem sido a de promover vinhos de qualidade. Na minha opinião, é necessário trazer vinhos de uma excelente relação preço/qualidade para o mercado brasileiro para diferenciar os nossos vinhos dos produzidos localmente ou dos vinhos importados da Argentina ou do Chile. Como é do conhecimento geral, o grande fator penalizardor e inibidor da exportação de vinho para o Brasil é o elevadíssimo imposto de importação. Uma vez que nem a Argentina (por ser membro do Mercosul) nem o Chile (por ter um acordo com o Mercosul) pagam este imposto de importação, a única forma de tentarmos conquistar mercado é através da qualidade diferenciada dos vinhos do velho mundo. No que diz respeito à concorrência dos vinhos dos outros Países Europeus, temos apostado no fator preço. Assim, o fator preço/qualidade tem sido preponderante no crescimento das exportações do vinho português para o Brasil.

O senhor enxerga o Brasil como um mercado em ascensão no quesito vinho?
Certamente. O consumo de vinho tem aumentado de forma sustentável no Brasil e a boa notícia é que o potencial de crescimento é enorme (O consumo per capita de vinho no Brasil ainda é muito baixo, cerca de 2 litros por ano. Por outro lado, o consumidor brasileiro está ficando mais exigente e conhecedor dos vinhos, destacando os vinhos de melhor relação preço/qualidade. Este é o caso claro dos vinhos portugueses cuja exportação para o Brasil, tem crescido mais de 23% ao ano. Nos últimos 2 anos, Portugal foi o país Europeu que mais exportou vinho para o Brasil.


Da redação

Publicado em 18 de Abril de 2006 às 13:37


Entrevista

Artigo publicado nesta revista

Escolha a sua safra

Revista ADEGA 7 · Maio/2006 · Escolha a sua safra