Em busca do melhor óleo

Dicas para não errar ao escolher um azeite em meio à imensidão de variedades no mercado e de como armazená-lo apropriadamente


Agora que já conhecemos um pouco mais sobre as origens, as principais características e como harmonizar o óleo de oliva com seu prato, resta somente ir às compras. As prateleiras dos supermercados estão repletas de azeites. Assim, escolher um torna-se uma tarefa difícil diante da diversidade de rótulos, que só aumenta com os dias. Então, o que fazer para escolher os melhores?



Como deve ser a embalagem

Uma boa maneira de simplificar sua escolha é a análise das embalagens. Muitas delas são incolores, o que é visualmente muito interessante, pois a cor dourada – por vezes um pouco esverdeada – do óleo, é muito atraente. Porém, estas lindas embalagens não são desejáveis. A luz é um dos principais inimigos do azeite, porque facilita sua oxidação. Portanto, prefira sempre as embalagens opacas, que impeçam a ação da luz.

Outro fator importante na embalagem é seu tamanho. Busque sempre um volume que você, depois de abrir, utilize em até cerca de um mês. Depois disso, o azeite começa a apresentar características indesejáveis.

Atenção ao rótulo

A análise do rótulo também é muito importante para sua escolha. A origem do azeite e a região onde é produzido podem ser úteis em sua decisão. É um erro generalizar, mas, o conhecimento das principais características da região de onde vem o produto que você está comprando podem auxiliar sua decisão.

Ignore frases que sugiram um produto ser melhor que o outro, como por exemplo: “primeira prensagem” – uma vez que todos os azeites de oliva extravirgem são elaborados a partir da primeira prensa. Releve também a baixa acidez. Esta é uma característica importantíssima para o azeite, porém não significa que quanto menor, melhor a qualidade do óleo.

Data de fabricação

Preste muita atenção à data de colheita e envasamento do produto. Diferentemente do que acontece com os vinhos, o azeite nunca melhora com o tempo. Pelo contrário, ele só deteriorará com o passar dos dias, perdendo suas características mais marcantes de aromas e paladar. Alguns cultivares inclusive, como é o caso da Arbequina, perdem seu frescor muito rapidamente.

Caso você compre um azeite, podendo ser o melhor deles, e o utilize em uma data muito distante de sua colheita – ainda que este esteja dentro de seu prazo de validade – ele terá, seguramente, perdido suas principais qualidades. Esse fato pôde ser constatado em uma das degustações de azeite da Revista ADEGA. Um dos óleos, que quando jovem tende a ser um dos melhores italianos, apareceu completamente descaracterizado durante a avaliação às cegas e recebeu duras críticas de nossos especialistas.

#Q#

Quando revelado o nome do produto, houve algum espanto, já que o rótulo deveria ser um dos melhores avaliados. Contudo, ao verificar a data de envasamento, percebeu-se que ele estava “velho” e, com isso, tinha perdido suas propriedades.

Preço faz diferença?

Outro elemento que pode ser determinante de qualidade é o preço. Isso, no entanto, não significa que o óleo de oliva mais caro será o melhor de todos. Mas, os mais baratos, em geral, são produtos elaborados com uma mistura muito grande de cultivares, de diferentes regiões e possivelmente até de diferentes países. Eles são “commodities”, como costumam dizer os especialistas, ou seja, produtos sem uma identidade marcante.

Dicas de armazenagem

A busca da qualidade não termina quando concluímos a compra. O cuidado com óleo deve se estender até o lar. O armazenamento do azeite também é muito importante. Não adianta comprar um bom produto e não guardá- lo da maneira correta.

Por exemplo, nunca mude o óleo de recipiente. O hábito que quase todos possuem – seja em casa, seja em restaurantes – de utilizar galheteiros, é um erro. A troca de recipiente pode influenciar negativamente nessa preciosidade, oxidando-o. Mantendo-o em seu devido recipiente, armazene o óleo em um local fresco, entre 14 e 16 graus Celsius, longe da luz e do ar, seus principais inimigos.

Estas são algumas dicas que auxiliam na escolha de um produto que, ao contrário do que muitos imaginam, é tão difícil de ser realizada. Boa sorte nas compras!

João Calderón

Publicado em 25 de Maio de 2009 às 12:19


Azeite

Artigo publicado nesta revista