Esta novidade é um estouro

Após 15 anos, pódio da Fórmula 1 passa a ter espumante no lugar de Champagne

A tradicional vinícola G.H Mumm perdeu posição para a australiana Chandon, submarca da Moët & Chandon


Uma temporada de Formula 1 cria oportunidades para novos pilotos e novas negociações. Entre as temporadas 2015 e 2016, alguns pilotos mudaram de escuderia, novos patrocinadores surgiram e uma nova equipe entrou na competição. Mas o que realmente mudou, e até o último GP da Austrália, em Melbourne, não havia sido revelado, foi a saída da G.H Mumm como bebida oficial da F1. 

Sebastian Vettel e Lewis Hamilton em Melbourne.

Após 15 anos no pódio da competição, a G.H Mumm, uma tradicional vinícola da cidade Champagne, perdeu sua posição no pódio da F1 para a Chandon. Uma divergência nas negociações para a nova temporada foi o motivo da quebra de contrato. A marca se dispôs a pagar um valor de 5 milhões de euros, quantia inferior aos 10 milhões pagos no último ano. A proposta não foi aceita pela FOA (Formula One Administration)

Chandon é uma submarca australiana da Moët & Chandon, produtora de Champagne. Quando os vencedores da etapa Lewis Hamilton, Nico Rosberg e Sebastian Vettel estouraram suas garrafas e gritaram “Champagne!”, estavam cometendo um grave erro, pois Champagne só é produzido em Champagne. Ali estvam celebrando com um vinho espumante. 

O espumante Chandon é feito no Vale do Yarra, na cidade de Victoria. Esta é a primeira vez na história da corrida que o pódio será celebrado com espumante. A marca Chandon também é patricionadora da escuderia McLaren.

 

Da redação

Publicado em 23 de Março de 2016 às 16:28


Notícias