O solteiro desejado e os vinhos

Entenda como o sucesso do programa de tv americano, The Bachelor 3, funcionou como estratégia de marketing para a Vinícola Firestone


divulgação: FirestoneA indústria de vinhos não é somente boas uvas, garrafas e distribuição, mas marketing também. Muito necessário para atingir de forma rápida e precisa o mercado. Segundo dados da Universidade da Califórnia, apenas 10% dos americanos bebem vinho regularmente. Mas, se acrescentarmos a isso uma pitada de charme, história e tradição, alguns anos de experiência e um pouco de sensacionalismo, provavelmente teremos uma estratégia de sucesso, principalmente no mercado dos EUA.

#R#

Essa foi a fórmula mágica da Vinícola Firestone, atualmente uma das mais conhecidas vinícolas do mundo, graças a um reality show - The Bachelor 3 - que é transmitido no Brasil pela Warner Channel, através da tv por assinatura, aos sábados, às 20 horas. The Bachelor é um programa que mostra uma acirrada disputa em busca do amor, uma verdadeira gincana amorosa. Um homem bonito, rico, bem-sucedido e, é claro, solteiro, procura o seu "verdadeiro amor", entre 25 mulheres sensacionais. Elas foram escolhidas a dedo para participar do show e também estão em busca do seu "verdadeiro amor", num solteirão ideal.

A Vinícola Firestone era, até 2003, uma pequena vinícola familiar. Produzia 100.000 caixas por ano de vinho de boa qualidade em Los Olivos, localizada no bucólico vale de Santa Ynez, no sul do Califórnia, a 45 minutos de Santa Bárbara (o filme Sideway - Entre Umas e Outras - do diretor Alexander Payne, teve várias cenas ao ar livre rodadas lá). Andrew Firestone, bisneto do lendário Harvey S. Firestone, fundador de uma das maiores indústrias de pneus do mundo - a Firestone - e filho do fundador da Vinícola Firestone, foi escolhido pelos produtores do show da ABC Television para ser o solteiro desejado em The Bachelor 3.

O programa foi ao ar em 2003 nos Estados Unidos, colocando o nome da vinícola em cadeia nacional, em horário premium. Andrew é um rapaz de 28 anos, de olhos azuis e cabelos negros, elegante e solteiro, com um sobrenome tradicional e cara de galã de novela . Ele cuida do marketing da vinícola e conseguiu, através do reality show, transformar a empresa da família em um caso de sucesso internacional . E ele, em uma celebridade, do porte de rock star. Estratégia de marketing ou realmente um homem em busca do amor verdadeiro?

Segundo informações da ABC, nos Estados Unidos, o programa - The Bachelor 3 - atingiu 15 milhões de telespectadores e pico de 17,5 milhões , quando Andrew Firestone pediu a mão da finalista, Jennifer Schefft, em casamento. Foi a maior audiência do programa desde sua estréia. Outro dado importante, segundo a ABC, foi que 52% da audiência do programa é de adultos na faixa etária de 18 a 34 anos (consumidor maduro) e que ¼ deste público é de mulheres.

No Brasil, segundo dados da Warner Channel, o canal atinge 3 milhões de lares brasileiros e cerca de 12 milhões de telespectadores em idades de 18 a 34 anos. Portanto, estamos falando de uma estratégia de comunicação bem sucedida, principalmente porque, segundo dados da indústria americana produtora de vinho (American Wine Industry), as mulheres representam 77% das compras e 60% do consumo de vinho nos Estados Unidos. No Brasil, segundo dados do IBGE, as mulheres representam 10% da venda de vinhos no mercado. São telespectadoras desse tipo de programa - uma categoria de mulheres que os americanos chamam de chick-lit - jovens independentes, geralmente solteiras, quase sempre cosmopolitas, com bons empregos.

Quer dizer, mulheres modernas, com poder aquisitivo alto e em escalada social, embora, ao final, alimentem o sonho de um grande amor em sua vida. Ou vivem lambendo as feridas por causa do amor de suas vidas. As mulheres, cada vez mais, estão interessadas em consumir produtos que agreguem cultura, mostrem estilo de vida e sofisticação. Para o consumidor jovem (18 a 34 anos) e feminino, o vinho deixou de ser simplesmente uma bebida e transformou-se em um modo de perceber o mundo, um novo patamar sócio-cultural.

Andrew Firestone, encontrando ou não sua cara-metade, realizou uma grande estratégia de promoção da marca da Vinícola Firestone, tornando seus vinhos desejados. Agora, é só esperar que os vinhos da Firestone cheguem por aqui (recomendo o Riesling, safra de 2003), no Brasil. Ou, quem sabe, aproveitar e dar uma escapada até Los Olivos e dar a sorte de esbarrar com o bonitão da vez.
fotos: Christian Burgos

Marusia Gomez

Publicado em 13 de Fevereiro de 2006 às 14:54


Artigo

Artigo publicado nesta revista