Julgamento de Paris

Julgamento de Paris: a degustação que mudou a vitivinicultura mundial

A história da degustação que marcou o fim da hegemonia francesa


Vinhos norteamericanos venceram os da França em uma degustação às cegas só com jurados franceses

Em 24 de maio de 1976, nove consagrados críticos franceses se reuniram para uma degustação que, até então, não prometia ser nada demais. Alguns grandes vinhos da França seriam avaliados, às cegas, lado a lado com desconhecidos californianos em um hotel em Paris. Era para ser uma barbada. Mas não foi e, a partir daí, o mundo do vinho mudou para sempre.

Naquele fatídico dia, o britânico Steven Spurrier – hoje um influente crítico e consultor, mas na época apenas um lojista – decidiu promover essa “brincadeira” para celebrar o bicentenário da independência dos Estados Unidos. Ele sabia que os vinhos da Califórnia estavam começando a despontar, mas ainda não eram páreos para os que vinham do “sagrado terroir francês”. Até então, a França era a terra dos melhores vinhos do mundo, sem contestação. Dessa forma, ele selecionou 20 vinhos, 10 brancos e 10 tintos, divididos igualitariamente entre franceses e norte-americanos. “Planejei a degustação para chamar a atenção para a qualidade do vinho californiano. Teria ficado feliz com um segundo e quarto lugares, não esperava duas primeiras colocações!”, afirma Spurrier.

Leia mais:

Julgamento de Paris revisitado

O que comer e beber na Paris da bistronomia

O Cabernet Sauvignon californiano que superou os franceses em 1976

Os brancos, todos Chardonnay, foram servidos primeiro. O único jornalista presente à degustação relata a cena que se seguiu: “Rapidamente percebi que eles (degustadores) estavam ficando confusos. Os juízes de um lado da mesa diziam ter certeza que tinham provado um vinho francês, enquanto o outro lado jurava que o vinho em questão vinha da Califórnia”, diz George M. Taber.

Estados Unidos vencem

De repente, a primeira surpresa: vitória de um vinho dos Estados Unidos entre os brancos, o Château Montelena (que, apesar do nome, é californiano). Assim que começou a prova dos tintos, feitos com base em Cabernet Sauvignon, os ânimos dos avaliadores estavam exaltados, pois eles não queriam se enganar novamente e dar outra vitória para os norte-americanos. Seria vergonhoso para a França.

Assim, findada a prova dos tintos e... novo primeiro lugar para os californianos, com o Stag’s Leap. Alguns jurados se angustiaram com o resultado e pediram suas anotações de volta. “Se não houvesse um jornalista na degustação seria muito fácil para qualquer um negar que aquilo de fato ocorreu, ou que ocorreu de outra maneira”, lembra Taber, que publicou seu artigo quase duas semanas depois na revista Time, com o título: “Julgamento de Paris”.

A repercussão foi imediata. Nos Estados Unidos, os vinhos californianos que participaram do evento esgotaram-se em questão de minutos. “Não esperava que o resultado do Julgamento fosse tão importante, mas ele se mostrou um divisor de águas na história do vinho”, afirma Spurrier, que lembra que, a partir daí, os consumidores passaram a olhar os vinhos de outros lugares do mundo, especialmente de fora da Europa, com outros olhos. “A degustação encorajou os produtores de todos os cantos a fazer vinhos melhores. Os vinicultores diziam que se a Califórnia conseguia produzir vinhos de qualidade superior aos da França, então eles também poderiam, desde que adotassem procedimentos similares aos dos dois países”, garante Taber, que completa: “O Julgamento abriu os olhos dos produtores europeus. Todas as grandes companhias internacionais passaram a olhar para o mundo todo como sendo um grande campo para se plantar”.

Enfim, desde então, é consenso que não é mais necessário que um vinho venha da França para estar entre os melhores do planeta, sendo possível encontrar ótimos rótulos espalhados pelo mundo. “Acredito que esse evento tenha sido benéfico para todo o mundo do vinho. Ele pode ter enfraquecido o mito dos vinhos franceses e tê-los tirado de seu trono, mas, ao mesmo tempo, trouxe mais consumidores para esse mundo, fato que beneficiou a todos, inclusive os franceses”, resume Taber.

Veja também:

+ Vinhos franceses avaliados pela ADEGA

+ Vinhos americanos avaliados pela ADEGA

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Arnaldo Grizzo

Publicado em 31 de Agosto de 2019 às 11:00


Notícias Julgamento de Paris vinhos franceses França Steven Spurrier vinho californiano