DOC

Prosecco Rosé vem aí com a aprovação do governo italiano e duas variedades permitidas


 

 Os novos vinhos espumantes serão safrados e o consórcio estima que a produção de Prosecco rosé pode chegar a 30 milhões de garrafas por ano

O governo italiano aprovou a produção de Prosecco rosé e essa nova categoria deve chegar ao mercado em janeiro de 2021. Até então, pela regras, só era permitido produzir Prosecco branco.

“Somos gratos a todos aqueles que contribuíram para obter um resultado tão importante”, disse Stefano Zanette, presidente do Consórcio de Prosecco.

 

LEIA MAIS

» Vinhedos na Borgonha vão instalar cabos aquecedores para proteger videiras na geada

» Chilena Kalfu é projeto da Ventisquero com vinhos no deserto do Atacama e na costa do Pacífico

 

São dois os estilos permitidos para o Prosecco DOC rosé: Brut Nature e Extra Dry. O vinho deve ser produzido pelo método Charmat e passar no mínimo 60 dias em fermentação secundária, em tanque pressurizado.

Glera e Pinot Noir são as únicas variedades admitidas, com 10-15% de Pinot Noir, rendimento máximo de 18 toneladas por hectare para Glera, e 13,5 t/ha para Pinot Noir.

 

 A uva branca Glera e a tinta Pinot Noir são as únicas variedades admitidas, com 10% a 15% da segunda no preparo dos rosés borbulhantes classificados como Prosecco

O vinho pode ser lançado a partir de 1º de janeiro, após a colheita, e deve ser um vintage com a safra indicada no rótulo (no mínimo 85% da fruta deve ser da safra declarada).

De acordo com as estimativas do consórcio, a produção total de rosé pode chegar a 30 milhões de garrafas por ano.

 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

Da redação

Publicado em 11 de Julho de 2020 às 12:00