Evolução do vinho português

Um brinde a Dom Fernando

Ao longo dos séculos, a começar por dois milênios antes de Cristo, guerras, invasões, delírios expansionistas e claro, interesses comerciais fizeram de Portugal pioneiro na arte da produção de vinhos que conquistaram o Mundo.


fotos: Pavel Jedlicka/Stock.Xchng e Marcelo Copello

Agradeçam a D. Fernando. Foi dele a iniciativa de exportar o primeiro vinho português. Isso há mais de seis séculos, em 1367. Claro que a idéia original não era o altruísmo de presentear o resto do planeta com a descoberta das qualidades únicas dos vinhos patrícios. O objetivo era comercial. E deu tão certo, do ponto de vista comercial, que em 1756 o Marquês de Pombal criou a primeira designação de origem de vinhos, e o privilégio coube à Demarca do Douro. Foi uma iniciativa pioneira e visionária, pois somente no século XX o mercado internacional adotou o processo de regulamentação oficial de denominações de origem.

#R#

E esta não é a única contribuição de Portugal para o que a cultura do vinho se transformou hoje em dia. A história do vinho no País se confunde com a história da origem do vinho propriamente dito. Entre os vários mitos e lendas sobre o surgimento das primeiras vinhas, acredita-se que o crédito deva ir para os Tartessos, um dos mais antigos habitantes da Península Ibérica, mais especificamente, nos vales do Tejo e do Sado. Isso, 2.000 anos a.C., ou seja - nunca é demais lembrar - mais de quatro mil anos atrás. Já naquela época, vinho era moeda de troca por metais com outros povos, o que antecipava em treze séculos a visão comercial de D. Fernando.

fotos: Pavel Jedlicka/Stock.Xchng e Marcelo Copello

Já no século X a.C., os Fenícios se apoderaram do comércio que até então pertencia aos Tartessos, e deram um up-grade ao negócio com a introdução de algumas castas de videiras na Lusitânia.

A próxima ruptura significativa aconteceu no século VII a.C. com a chegada dos gregos à Península Ibérica. Ulisses, fundador de Lisboa - àquela época Ulisseis ou Olisipo - era conhecido por regar comemorações a vinho, por isso, a arte de se fazer a bebida ganhou atenção especial.

A contribuição seguinte, por assim dizer, deve-se ao espírito expansionista e guerreiro de Roma, que chegou à península em 194 a.C. para quase dois séculos de confronto. Quando enfim conquistaram a região, no ano 15 a.C., modernizaram o cultivo da vinha. As novas técnicas aliadas às características da região fizeram sucesso imediato em Roma, que tinha uma demanda crescente pelo vinho lusitano.

fotos: Pavel Jedlicka/Stock.Xchng e Marcelo Copello

#Q#

Esta produção efervescente durou até as Invasões Bárbaras. Em seguida veio o fortalecimento do cristianismo - séculos VI e VII d.C. - quando o vinho ganha um valor sagrado e torna-se indispensável na comunhão. E mesmo durante a influência árabe, no século seguinte, o consumo de vinho pelos cristãos era tolerado, embora o Alcorão proíba o consumo de bebidas fermentadas. Por trás desse gesto de boa vontade havia, naturalmente, a força comercial da exportação do vinho.

fotos: Pavel Jedlicka/Stock.Xchng e Marcelo Copello

Na Baixa Idade Média, entre os séculos XII e XIII, era o vinho o principal produto de exportação da região, antes mesmo do reconhecimento da nacionalidade. A fundação de Portugal só se deu em 1143 por D. Afonso Henriques. Os vinhos ganharam então uma identidade e fama por toda Europa, graças também, um pouco mais tarde, à expansão marítima na Idade Moderna.

Os mais valorizados, já no século XVI, eram os que ficaram conhecidos como vinhos de "Roda" ou de "Torna Viagem". Eram barricas transportadas por cerca de seis meses nos porões úmidos dos navios, sacudidas no ritmo das ondas dos sete mares e algumas vezes expostos ao sol e ao calor das rotas que cruzavam a linha do Equador a caminho do Brasil ou das Índias. O resultado dessa combinação inusitada e pouco ortodoxa de transporte é que o vinho melhorava!

fotos: Pavel Jedlicka/Stock.Xchng e Marcelo Copello

A partir deste ponto já nos aproximamos da Idade Contemporânea e a necessidade organizou a Companhia Geral das Vinhas do Alto Douro, criada pelo Marquês de Pombal, preocupado com a qualidade, antes que ela perdesse de vez o espaço para a quantidade.

Mas foi só em 1908 que outras denominações de origem portuguesas foram regulamentadas, para além do Vinho do Porto e dos vinhos de mesa Douro. Foram oficializadas então as já famosas Madeira, Moscatel de Setúbal, Carvelos, Dão, Colares e Vinho Verde.

Portugal é um país de longa tradição vinícola, mas a vitivinicultura portuguesa demorou a evoluir tecnologicamente e, por muito tempo, produziu poucos vinhos de alta qualidade. Esse quadro, no entanto, é coisa do passado. Nas últimas duas décadas, como conseqüência do fantástico desenvolvimento econômico, político e social do país, a vitivinicultura portuguesa sofreu sensíveis avanços, particularmente no campo tecnológico.

A D. Fernando, o nosso muito obrigado!

fotos: Pavel Jedlicka/Stock.Xchng e Marcelo Copello

Da redação

Publicado em 18 de Abril de 2006 às 11:39


DOC

Artigo publicado nesta revista

Escolha a sua safra

Revista ADEGA 7 · Maio/2006 · Escolha a sua safra