Entrevista

Um mercado em expansão


AEP/divulgação
Sandra Silva
A coordenadora do Espaço de Portugal e funcionária da AEP (Associação Empresarial de Portugal), Sandra Silva, é a mulher forte por trás da participação portuguesa na ExpoVinis Brasil, feira que no início de maio se fixa como o principal evento de divulgação do vinho de no Brasil. Com graça e leveza ela encara o desafio como uma missão cultural, na qual o vinho sai da mesa e leva o consumidor por uma excursão através do país onde ela nasceu. Aos que se aventurarem, um bom passeio! #R#

Iniciativas como feiras e exposições, em especial a EXPOVINIS, representam que papel na divulgação do vinho e da cultura de Portugal?
Constituem um instrumento fundamental na divulgação de produtos e culturas. A EXPONOR assume um papel dinamizador deste tipo de eventos, traduzindo-se a ExpoVinis Brasil num acontecimento marcante de divulgação do vinho como um elemento marcante da cultura portuguesa. Um evento com estas características permite transmitir aos profissionais e ao público em geral, interessado pelo mercado dos vinhos, a excelência do vinho português.

O vinho português é bem divulgado no Brasil? Como pode melhorar?
Todas as iniciativas que visem à promoção e a divulgação dos vinhos portugueses no Brasil nunca serão demais. É determinante numa economia globalizada que todos os produtos, e neste particular o vinho português, incrementem a sua comunicação com os mercados potencialmente consumidores. A ExpoVinis é um acontecimento atualmente reconhecido em todo o Brasil, como um marco referencial da divulgação do vinho português. Será sempre um objetivo da AEP incrementar o impacto desta ação, mediante o reforço da presença de expositores no evento, bem como na sua crescente divulgação.

Como você vê a relação de outros países com os vinhos portugueses?
Os vinhos portugueses são atualmente reconhecidos pelas suas características únicas e pela sua excelência, praticamente em todo o mundo. A sua crescente procura, deve-se, sem dúvida, ao fato dos produtores portugueses apostarem numa qualidade rigorosa das suas produções, dotando-as de qualidades, que poderão competir diretamente em praticamente todos os mercados. Esta aposta tem contribuído para o crescimento das exportações do vinho português, não só para os mercados tradicionais, mas fundamentalmente para novos mercados.

O vinho é um bom caminho de aproximação de Portugal com o Brasil?
O vinho é um elo de Portugal com o Brasil. As inúmeras gerações de portugueses, ao longo da história, sempre tiveram presentes este representante da cultura e das suas tradições. Nos nossos dias, o reforço dos laços entre os dois povos se beneficia claramente com o vinho, mediante a renovação e o rejuvenescimento das suas características, mas sem perder a força e o peso dos seus traços ancestrais.

Conhecer os vinhos portugueses é uma forma de viajar pelo País?
Talvez uma das formas mais enriquecedoras e únicas de fazê-lo. O vinho revela um Portugal diversificado no seu povo e tradições, permitindo percorrer de Norte a Sul, bem como as ilhas, o melhor que o país pode oferecer. Associamos o Verde do Minho a um vinho único no mundo, as encostas recortadas do Douro a um Porto idolatrado, bem como aos tintos nascidos de uvas de cor rubi. Também são marcantes o esplendor dos vinhos Alentejanos, a cor da Estremadura e o sabor de um Madeira. Conhecer Portugal é também uma viagem pela vinha e pelo esplendor das suas paisagens, bem como pelos rostos e traços das pessoas que o criam.

Pelo ponto de vista de Portugal, o vinho é também uma maneira de divulgar o País?
Sem dúvida que o vinho é um dos principais embaixadores de Portugal no mundo. A sua presença entre outros povos é secular, transmitindo o melhor da cultura e das tradições de Portugal, mas também o seu espírito jovem e inovador. Revela-se determinante para divulgar outras atividades reconhecidamente apreciadas, desde a gastronomia à moda, do turismo ao desporto, do vestuário e calçado às novas indústrias de base tecnológica.

Em Maio, entre os dias 2 e 4, acontece a ExpoVinis em São Paulo. Qual o impacto que se espera deste evento?
As nossas expectativas são francamente otimistas. Estão a ser desenvolvidos todos os esforços, simultaneamente com os nossos parceiros e expositores, no sentido de dotar a ExpoVinis de uma grande capacidade de atração de potenciais negócios a desenvolver a curto e a médio prazo. A aposta passa por uma participação significativa e diversificada, do que de melhor se produz em Portugal, permitindo que a ExpoVinis se assuma como o evento privilegiado para a divulgação do setor no mercado brasileiro.

Da redação

Publicado em 18 de Abril de 2006 às 13:50


Entrevista

Artigo publicado nesta revista

Escolha a sua safra

Revista ADEGA 7 · Maio/2006 · Escolha a sua safra