Aquecimento global pode trazer benefícios ao mapa vinícola mundial


O aquecimento global é um problema que tira o sono de muitos produtores de vinho. Muitos pesquisadores dizem que nos próximos 100 anos o mapa vinícola mundial pode estar totalmente diferente do que vemos hoje, que regiões tradicionais, como a França ou a Itália, podem deixar de produzir bons vinhos. Porém, de acordo com alguns novos estudos, o aumento da temperatura média pode, na realidade, trazer alguns benefícios, uma vez que regiões antes consideradas muito frias poderão estar aptas ao plantio de uvas viníferas.

Fernando Zamora, enólogo, pesquisador e professor da Universidade Rovira i Virgili, na Espanha, diz que prefere ser otimista quando trata do assunto. "Eu não tenho dúvidas de que nós ainda teremos vinhedos em regiões tradicionais. E tenho certeza de que novas regiões irão emergir", comenta, adicionando que, na Alemanha já estão sendo produzidos vinhos tintos muito bons em lugares onde o plantio era bem difícil. "Agora a Dinamarca também está começando a produzir vinhos".

Climatologistas que trabalham para a indústria do vinho calculam que até 2050 as temperaturas deverão subir de um a dois graus e que serão acompanhados de eventos climáticos extremos, seja para o frio ou para o calor.

"É bem improvável que as regiões continuem plantando as mesmas variedades e produzindo exatamente o mesmo estilo de vinho, porém, a mudança maior acontecerá nas regiões que têm problemas com a maturação das frutas, pois deixarão de tê-los", opina Gregory Jones, enólogo da Universidade Southern Oregon. "Se as pessoas aceitarem as mudanças de aroma, açúcar e acidez que vão acontecer nas regiões mais tradicionais, elas não terão problema algum", atesta Jean-Marc Touzard, coordenador da ACCAF, comitê internacional que trata de assuntos ligados ao aquecimento global.

De acordo com Jones, Tasmânia, partes da Nova Zelândia e do Canadá, o sul do Chile, Ontário e Inglaterra serão as maiores beneficiadas pelo aumento das temperaturas. "Qualquer lugar do mundo que já foi muito frio há 50 anos, hoje tem temperaturas mais amenas, que propiciam o cultivo da fruta, coisa que não acontecia antes, pois a uva não conseguia amadurecer", completa Jones.

Na contramão do temor, produtores de Beaujolais estão tirando proveito das temperaturas mais altas, que melhoraram a qualidade das uvas, que algumas vezes precisavam passar por processos de adição de açúcar para terem níveis de álcool aceitáveis. "A tendência é que, nos próximos dez anos, as uvas fiquem melhores. Depois disso os produtores podem ter problemas".   

Mais notícias sobre vinhos...

Novo Mundo firma acordo sobre regras para os rótulos de vinho

Equipes de corrida vão participar da Wine Run Brasil

Chineses estão cada vez mais envolvidos com os vinhos franceses

Número de visitantes da ProWein sobe significativamente

Cava pode ter denominação de origem rival em Penedès

Da redação

Publicado em 2 de Abril de 2013 às 09:47


Notícias