Revista ADEGA

Argentina Explosão de qualidade

Depois de Mendoza, nossos vizinhos mostram ao mundo Salta, ao norte, Patagônia, ao sul, e muito mais...

Luiz Gastão Bolonhez em 17 de Novembro de 2008 às 13:09

Foto: Luna Garcia

A cultura do consumo do vinho está no sangue argentino. O país sempre produziu e consumiu muito, e exportou pouco. Em 1983, era o quinto maior produtor do mundo, com quase 25 milhões de hectolitros, atrás apenas de Itália, França, Espanha e a ex-União Soviética. Essa quantidade era, em sua maioria, destinada a "matar a sede" dos próprios argentinos.

A influência dos europeus - com ênfase em espanhóis e italianos -, aliada ao clima e a uma alimentação rica em proteína e carboidratos, levou o país a ter um dos maiores consumos de vinho per capita do planeta. Enquanto nós, brasileiros, consumimos 1,8 litro por habitante por ano, nuestros hermanos bebem 28,6 litros. Essa marca os colocou como 13º maior do mundo em consumo per capta em 2004. No entanto, a Argentina já foi o quarto país em consumo por habitante em 1975, quando bateu 83,7 litros por pessoa/ano. Em área plantada, nosso vizinho está em 11º lugar, com 213 mil hectares, com produção de pouco mais de 15 milhões de hectolitros.

Esses dados mostram a importância do vinho na mesa argentina, mas, mais do que isso, revela que o elevado consumo interno - que, em princípio, seria uma grande vantagem - serve, na verdade, como um inibidor da abertura de seu mercado externo. Até o início da década de 80, a presença de vinhos argentinos de qualidade no exterior era quase insignificante. Esse cenário só mudou quando eles começaram a privilegiar a qualidade e não a quantidade. Hoje, seus fermentados são apreciados em todo mundo, inclusive nos mais tradicionais países produtores.

A terra e o clima
O mapa do vinho na Argentina é vasto. Começa em Salta, ao norte, com mais de 2 mil metros de altitude, e vai até o Vale de Rio Negro, na Patagônia, no paralelo 42. Nesta vasta região (de quase 2 mil quilômetros), podemos encontrar desde terras altas a planícies. Nem o Chile tem maior amplitude em latitude. O país só é suplantado em latitude de vinhedos pelo Brasil.

A Cordilheira dos Andes, lado oriental, é o marco de maior influência na vitivinicultura argentina. Não só em função do relevo, pois é a fonte de vida das videiras, que sobrevivem com a água do degelo. A precipitação média anual vai de 100 a 300 mm por ano, quase toda concentrada no verão. A quantidade necessária para prosperar uma vinha é de 500 mm de chuva/ ano. Esse déficit é compensado pelo degelo dos Andes. As vinhas recebem água através da irrigação.

Segundo a Escala de Winkler - que categoriza as regiões em cinco climas -, na Argentina encontramos três tipos bem definidos. O noroeste (Salta e cercanias) é descrito como quente e muito quente. Quente e moderadamente quente em Cuyo (uma grande referência em Mendoza). E moderadamente frio na Patagônia. Devido ao grande calor, que se prolonga pelo outono e que absorve rapidamente eventuais chuvas - pois as terras estão bem secas -, a colheita pode ser realizada bem tarde.

Principais regiões
A Grande Mendoza

O país tem, na Grande Mendoza, a principal máquina na produção de vinhos. Cerca três quartos vem de lá. Essa linda região, com a cordilheira ao fundo, mudou. Passou radicalmente da produção de grande volume sem qualidade para grandes vinhos que podem ser comparados aos melhores do mundo. A altitude varia entre 800 e 1.200 m e a precipitação de chuva insuficiente para o desenvolvimento das vinhas é única no mundo.

A província de Mendoza tem inúmeras sub-regiões. Entre elas, a mais tradicional, Lujan de Cuyo, é onde existe um grande número de bodegas de alta expressão: Agrelo, Perdriel, Rivadavia, Maipú, Santa Rosa e, o novo e badaladíssimo, Vale de Uco (La Consulta, Vista Flores, Tunuyan etc). Esta última tem recebido recentemente os maiores investimentos e está sendo considerada a nova região para produção de belos fermentados, consolidando a Malbec, mas com foco impressionante na Syrah. Ao sul, há a tradicional região de San Rafael, com enorme força na produção de vinhos de todas as gamas e também com bodegas de renome.

San Juan, tradição e modernidade
Ao norte de Mendoza, como numa seqüência de tipologia, está a vasta região de San Juan, com importante papel na vitivinicultura argentina. Dentre outros vales, os mais conhecidos são: Vale de Tulúm, Vale de Zonda e Vale de Pedernal. É interessante notar que as bodegas líderes dessa região também apostam na plantação da Syrah. Mas a Tannat, ícone no Uruguai, desenvolve-se muito bem por lá.

Salta, as vinhas mais altas do mundo
Na província de Salta, no noroeste da Argentina, localiza-se o Vale de Calchaquies, onde podemos encontrar as vinhas mais altas do mundo. Algumas estão plantadas a mais de 2 mil metros de altitude (algumas poucas vinhas do Vale da Aosta, na Itália, também reivindicam o título de mais altas). Nessa região, talvez estejam os mais potentes vinhos do mundo. Devido às temperaturas extremas e à maturação tardia, encontramos - sem muita dificuldade - fermentados à base da Malbec que superam 15% de álcool. São vinhos potentes e de grande profundidade. O enólogo francês, Michel Rolland, iniciou seus ensaios por lá há mais de dez anos e alcançou resultados expressivos, atingindo até 16,5% de álcool. Para amantes de vinhos com alta potência, muito corpo e álcool abundante, esses são os que mais impressionam em todo o mundo.

#Q#

A encantadora Patagônia
A grande Patagônia - conhecida pelas pistas de esqui e os maravilhosos lagos - abrange, do ponto de vista vinícola, as províncias de Neuquén, ao norte de Bariloche, e Rio Negro, ao sul. A propósito - e para melhor situar -, a cidade mais importante de Rio Negro é San Carlos de Bariloche. Em Neuquén, está a lindíssima Villa La Angustura.

Tanto em Rio Negro quanto em Neuquén podemos encontrar belas plantações, com destaque para a coqueluche "argentina" Malbec, mas com grandes investimentos na Pinot Noir. Devemos ficar atentos porque vinhos dessa região, elaborados com esta casta, ainda vão encantar o mundo.

Uvas
A flagship Malbec

Poucos sabem que a Malbec é de origem francesa. Uva mestra na produção de vinhos na região de Cahors, no sudoeste da França, e nome de uma pequena cidade. Lá, ela não tem o destaque e importância que possui na Argentina.

Pois bem. A uva em questão foi adotada na Argentina e seus resultados são incríveis. Diferentemente dos vinhos de Cahors, que quase sempre são mais rústicos, os Malbec's argentinos são escuros, densos e ricos em taninos. Geralmente quando falamos dos vinhos tops de gama, eles são muito redondos, encorpados e com grande volume de frutas vermelhas e negras. Ela se adéqua e evolui muito bem em barricas de carvalho, que freqüentemente concedem aos vinhos tons muito interessantes de baunilha, couro e tabaco.

Sucesso e carro chefe em Mendoza, ultra-fashion na Patagônia e com verdadeiras potências líquidas em Salta, os vinhos produzidos a partir dela são o destaque da Argentina no mundo.

A revolução Bonarda
A Bonarda é de origem italiana. Muito difundida no Piemonte, Lombardia e Emilia Romagna. Registros informam ser a mesma que a Croatina. Na Itália, de maneira geral, produz vinhos fáceis e para consumo rápido, não sendo ideais para envelhecimento. Na Argentina, onde chegou a ser a uva tinta mais plantada, também tinha como principal função produzir fermentados muitos simples e alguns ordinários. Alberto Antonini, enólogo italiano, que migrou para a argentina há muitos anos, decidiu investir muito tempo em estudos com a Bonarda. E ela, muito bem tratada na vinha, chegou ao ápice produzindo grandes vinhos desde o final do século passado. Não são fáceis de encontrar Bonardas varietais de qualidade como as Malbec's, mas, sem dúvida, é uma revolução produzir grandes vinhos a partir de uma uva considerada antes ordinária.

A consagrada Cabernet Sauvignon
Apesar de ser reconhecido como o país da Malbec, podemos encontrar espetaculares vinhos com predominância da Cabernet Sauvignon e até mesmo varietais de alta gama. Se olharmos para o passado recente e levarmos em consideração o trabalho de muitos produtores, os fermentados à base da Cabernet Sauvignon foram os primeiros a colocar o vinho argentino de qualidade mundo afora, muito antes da Malbec.

As melhores cepas dessa uva são provenientes de Mendoza e, em especial, da sub-região de Agrelo. Em degustações às cegas de Cabernet Sauvignon ao redor do mundo, os argentinos - na maioria das vezes com pequenas porções de Malbec - são sempre destaque. Quem nunca degustou um Nicolas Catena Zapata ou mesmo um Catena Estiba Reservada, não sabe o prazer que um Cabernet Sauvignon argentino pode dar.

Foto: Wines of Argentina

A promessa Syrah
No início do novo milênio, começaram a aparecer especiais Syrah's das safras 1997, 1998 e 1999. A partir daí, a uva virou uma febre na Argentina, principalmente em San Juan e Mendoza, com destaque para o Vale de Uco.

#Q#

Os argentinos apostaram na Syrah - também conhecida como Shiraz -, pois acreditaram na sua adequação a alguns terroirs do país. Esta uva conquista paladares em todo planeta por sua versatilidade. Fica no intermezzo entre a potência e a profundidade da Cabernet Sauvignon (sem aqueles quase indomáveis taninos) e os aromas explosivos e as sutis complexidades da Pinot Noir.

Investimento Externo e Flying Winemakers
Não há dúvida que dentre todos os países produtores, a Argentina é o que mais atenção chama para investimentos. Não é por menos que Alberto Antonini, ex-enólogo chefe do conglomerado toscano Antinori, partiu para a Argentina há tanto tempo. O controverso mago enólogo francês, Michel Rolland, montou grandes projetos em terras argentinas e dá consultoria para bodegas tanto em Mendoza quanto em Salta. O genial norte-americano, Paul Hobbs, apostou muitas fichas em terras de nosso vizinho e tem produzido vinhos com alto reconhecimento internacional. O revolucionário enólogo italiano, Roberto Cipresso, com sócios argentinos, montou o projeto de sua vida por lá.

Investimentos de megaempresas como a francesa, Domaine Barons Rothschild (Lafite); a megaluxury company LVMH; a portuguesa Sogrape e a espanhola Martins; ao lado de grandes conglomerados ingleses, austríacos e suíços, fazem da Argentina a grande aposta na produção de vinhos. Desde confiáveis e simples, até os de alta expressão. Não há dúvida que esse intercâmbio agrega muito valor à sua produção.

Abertura para o mundo: sinônimo Nicolas Catena Zapata
Poderíamos mencionar muitos pioneiros da abertura das portas do vinho argentino no mercado mundial, mas, sem dúvida, o grande nome - que podemos chamar de embaixador dos fermentados da Argentina - é Nicolas Catena Zapata. Não há como negar que a visão, determinação e a coragem desse homem colocaram o vinho do país como uma das novas sensações do mundo vitivinícola. Seus vinhos básicos são muito confiáveis e seus tops de linha não perdem em nada se comparados com os grandes vinhos do mundo.

Safras recentes
2007 - Safra irregular com chuva de granizo em algumas regiões. Temperaturas baixas. Colheita tardia. Vinhos com graduação alcoólica menor e taninos suaves.

2006 - Excelentes resultados. Safra fria e muito seca com estresse das vinhas pouco antes da colheita. Vinhos com muita estrutura e muito consistentes em todas as regiões. Fabulosos Malbec's e Pinot Noir's da Patagônia. Os grandes vinhos terão boa vida pela frente. Safra que promete muito.

2005 - É considerada por muitos a sucessora da fantástica safra de 2002, ao lado da ainda jovem 2006. Temperaturas baixas no início. Esta condição fez com que o rendimento fosse mais baixo que o normal. As temperaturas altas em março e abril ajudaram o amadurecimento adequado. Excepcionais Cabernet Sauvignon e Malbec de maturação tardia. Vinhos com bom potencial de guarda.

2004 - Safra de temperatura moderada. Por ter a colheita antes, a Malbec foi a estrela. As chuvas fortes no final prejudicaram a colheita da mais tardia Cabernet Sauvignon. Mesmo com dificuldades, podemos encontrar vinhos fenomenais, principalmente em Mendoza (Lujan de Cuyo, Agrelo e Vale de Uco) e San Juan.

2003 - Ano quente, com temperaturas recordes em fevereiro e pouca chuva. Como foi uma safra muito seca, podemos encontrar algumas inconsistências. Malbec's espetaculares. A maioria dos vinhos é para consumo rápido.

Vinhos argentinos

#Q#

2002 - Safra modelo. Desde a floração até a colheita houve condições ideais. Excelente rendimento com fruta madura e de ótima qualidade. Entre as melhores safras da história do país. Tanto Cabernet Sauvignon quanto Malbec e Syrah de altíssima qualidade. Safra de boa longevidade.

2001 - Temporada considerada fria com algumas chuvas na colheita. Em geral, foi um ano mais para Cabernet Sauvignon do que para Malbec. Na Patagônia, há espetaculares Malbec's.

2000 - Ano frio e úmido com uma estação de maturação mais longa que o normal. Esse fenômeno gerou uma safra de colheita mais tardia. Excelentes Malbec's com destaque para os de Salta.

Grande degustação
Em nossa seção CAVE, apresentamos dezenas de vinhos desse país que produz vivos, potentes e encorpados tintos, agradáveis brancos e excelentes "Champán's", como carinhosamente os portenhos chamam os espumantes por lá. Vale conferir.


Capa

Artigo publicado nesta revista


Os segredos de Galvão Bueno

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também Guia ADEGA Guia ADEGA Vinhos do Brasil 2018/2019 + Poster "as cores do vinho"

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas