Revista ADEGA
Busca

Saúde

Bebidas alcoólicas, como o vinho, podem ajudar a prevenir morte por Alzheimer

Pesquisa sugere diminuição de óbito pela doença em consumidores moderados de álcool


Outros estudos na área já foram realizados e chegaram a resultados semelhantes

Um estudo realizado por cientistas dinamarqueses da Universidade da Dinamarca do Sul, em Odense, indica que o consumo de álcool pode diminuir em mais de 70% o risco de morte por Alzheimer.

A pesquisa foi desenvolvida durante três anos e analisou um total de 321 pessoas que sofriam da doença em fase inicial. Os dados do estudo indicam que quem bebe moderadamente tem menor taxa de mortalidade do que os outros três grupos (os abstêmios, os que bebem pouco e os que bebem muito).

Mas o que é beber moderadamente? Segundo o estudo, é beber de duas a três unidades de álcool por dia, ou seja, o equivalente a uma quantidade que varia entre um copo de vinho cheio (220ml) e quase meia garrafa (330ml).

Os dois grupos extremos são os que apontaram maior mortalidade. Quando comparado a eles, quem bebe moderadamente tem cerca de 77% menos chance de morrer em função da doença neurodegenerativa.

Embora o álcool seja comumente visto como uma substância neurotóxica, o professor Frans Boch Waldorff, um dos cientistas envolvidos, afirma que “os resultados do estudo apontam para uma associação potencial e positiva do consumo moderado de álcool e a mortalidade de pacientes com a doença de Alzheimer”.

No entanto, cauteloso, ele alerta os pacientes “Não podemos aconselhar ou desaconselhar estes pacientes, só com base neste estudo, o consumo moderado de álcool”.

Redação
Publicado em 04/01/2016, às 14h56 - Atualizado às 14h48


Mais Notícias