Cartas

Escreva para redacao@revistaadega.com.br


Parker (via revistaadega.com.br)

Todas as pessoas que se dispõem a divulgar os vinhos merecem o seu devido respeito, especialmente no caso do Brasil, que ainda não tem mentalidade formada e nem público. Não se deve julgar uma vinícola que ainda trabalha com seus vinhos de mesa, pois muitas vezes é a porta de entrada para os vinhos finos. Por outro lado, tampouco podemos julgar os baratos vinhos argentinos e chilenos que também realizam essa tarefa de prospectar enófilos das outras bebidas, destilados, cervejas, enfim. Sendo assim, quanto mais pessoas a falar sobre vinho, com o objetivo de atrair adeptos, é válido. Em se tratando de Robert Parker, eu o julgo como um grande degustador que soube trabalhar bem o seu marketing, afinal, muitas pessoas podem realizar a atividade de provar vinhos e escrever sobre eles, mas, no tempo que ele se disponibilizou a fazer, estava só, tornando-se assim a referência máxima do mercado. O gosto é particular, sendo então impossível uma pessoa dizer do que a outra vai gostar. Nem mesmo um grande degustador como o RP, ainda mais com a metodologia das degustações que ele utiliza, 200 vinhos em um dia? É comprovado que ocorre saturação do equipamento sensorial, tanto olfativo como gustativo. Sem falar que a metodologia de notas também é questionável e cruel, a diferença comercial que traz um de 89 pontos é diferente de um de 90 pontos. Em se tratando de vinhos produzidos em grande quantidade, estamos falando de milhões de reais, dólares ou euros. Já a diferença de qualidade entre eles pode nem existir, ou até mesmo o dia em que foi servido o de 89 pontos não ter sido favorável, no caso de ser o número 198 da lista dos 200. Vamos ensinar as pessoas a conhecer o vinho, dar as suas próprias avaliações a ele, esse é o papel de uma revista.

Renato Brasil

 

Decantar? (via revistaadega.com.br)

Minha dúvida é a questão da temperatura. Se eu mantenho meu vinho a 15ºC na adega e coloco no decanter, vou perder a temperatura dele, ainda mais se mantiver por 30 minutos, uma ou duas horas. Como devo fazer?

Fábio Magnoni

Caro Fábio, a solução é colocar um pouco de gelo debaixo do decanter, o suficiente apenas para manter a temperatura. Há alguns até já projetados pensando nisso, com uma cavidade ao centro que pode receber pedras de gelo, como este da foto ao lado, por exemplo.

Like

comentários enviados pelo Facebook

Vinho é pop?

Vinho não tem nada de pop e, sim, de glamour e elegância. Pop é cerveja...
Serginho Aggio

ADEGA no Chile?

Moro no Chile e gostaria de receber sua revista, como faço?
Gloria Sarno Arriagada

Gloria, primeiramente, obrigado pelo prestígio. A forma mais fácil de você ter acesso à revista no Chile é pelo iPad ou por outra plataforma mobile. ADEGA está na banca digital chamada Zinio. No site zinio.com, você pode comprar edições avulsas ou mesmo assinar a revista.

Comprando marca

Hoje em dia se compra muito visual e marcas, e muitas vezes as pessoas nem têm noção do que estão bebendo, se é bom ou não. O que vale é o líquido. O resto é fantasia comprada.
Gore LC

Sulfitos e alergia

Todos os vinhos têm sulfito como subproduto da fermentação, sim. Em relação à reação alérgica, bem pior que sulfito são agrotóxicos e outras substâncias fora do padrão. Estou aguardando alguns produtos que comprei para começar a análise organoléptica. Como já estou com a alergia sob controle, vou ser cobaia para este experimento em relação à reação alérgica.
Ikuyo Kiyuna

Vinho é pop?

Não vejo nada demais, quanto mais popular e simples for, melhor para todos. É por causa das frescuras que jamais veremos aos domingos em um bar qualquer, em um belo dia de sol, uma garrafa de um simples Sauvignon Blanc, um Vinho Verde, um espumante, e veremos eternamente dezenas de garrafas de cerveja ruim...
Eduardo Moura

Vinho contra a depressão?

Estava fazendo análise, pois estava muito confusa e deprimida. Aí, resolvi fazer um curso de vinho e já na primeira aula saí tão contente com o universo maravilhoso e profundo que envolve o vinho que parei com a análise. Minhas preocupações acalmaram e passei a tomar uma taça de vinho sempre que possível, além de fazer o curso de sommelier e me tornar uma sommelière. Atualmente estou trabalhando no ramo do vinho e estou muito feliz. A confusão e depressão são coisas do passado. Sou a prova viva que o vinho lhe tira da depressão. Claro, bebendo com conhecimento, qualidade e moderação.
Tereza Moraes

Da redação

Publicado em 4 de Outubro de 2013 às 00:00


Cartas Robert Parker descantar

Artigo publicado nesta revista