Vinho - 21.Jun - Modernista

Com arquitetura moderna, nova adega do Château Cheval-Blanc une simplicidade e elegância


Na maioria dos dias, as coisas são bem tranqüilas no Château Cheval-Blanc. Mas não essa semana. Cheval-Blanc escolheu a Vinexpo, umas das maiores feiras de vinho, para revelar sua nova adega, minimalista, ultramoderna e de $18,5 milhões. A nova construção transformou a paisagem do planalto onde St.-Emilion encontra Pomerol.

Divulgação
A construção emerge na paisagem organicamente

"É ecológica, é chique (...). É Cheval-Blanc", disse o diretor Pierre Lurton recentemente no jardim que há sobre a adega.

A "adega sob a colina", como é chamada por Christian de Portzamparc, arquiteto do projeto e o talento por trás do prédio LVMH em Nova Iorque, estende-se do château, como se "o chão levantasse, carregado por velas de cimento, na direção da luz e do céu", disse de Portzamparc.  O design marcante se parece mais com as adegas recente e de ponta da Espanha do que qualquer coisa que Bordeaux tenha feito.

Iluminada naturalmente por filtros, a adega tem um design simples, elegante e sua curva de 180º dá um tom moderno. Ao mesmo tempo, como a anterior, a adega não é muito tecnológica. "Não há tecnologia. É um atelier de vinhos com espaço para coreografar movimentos elegantes", disse Luton.

Divulgação
As cubas de cimento são características da Cheval-Blanc
O diretor técnico Pierre-Olivier Clouet disse que o design foca na abordagem da Cheval-Blanc para produzir vinho. "O conceito da nova adega gira em torno de um ponto: a seleção por lote. (...) Nós nos divertiremos procurando características de cada lote - cascalho, argila, areia, Cabernet Franc, Merlot, diferentes clones e rizomas. Nós vamos jogar com todos esses componentes para chegar ao blend de Cheval-Blanc e Petit Cheval - atentando para ganhar elegância, pureza e precisão".

Cheval-Blanc é conhecida por manter cubas de cimento, enquanto outras propriedades de Bordeaux trocaram primeiro para aço inoxidável e depois carvalho. As novas cubas de cimento são notáveis.

No interior, Lurton insistiu em uma forma cônica com controle de temperatura, envolto pela parede do fundo da cuba. Na parte externa, os barris são arte moderna pura - personalizados pelos de Portzamparc e criado para Cheval-Blanc em uma fábrica nos arredores de Veneza. No andar de baixo há uma adega subterrânea de envelhecimento, a qual precisa de relativamente pouca energia para regular a temperatura e umidade.

Lurton e sua equipe estão divulgando seu novo projeto durante a Vinexpo, a qual expõe 2400 fornecedores de 47 países.

Mais notícias sobre vinhos...

+ Abertura da Vinexpo já inicia debate sobre alta de preços e leis de plantio

+ Estudo mostra preferência de ingleses por vinhos de Rioja, Espanha

+ Ministro da França se coloca contra liberalização dos regulamentos de plantio de uva

+ Consumo de vinho no México deve aumentar 13% nesse ano

+ Famoso site de vinhos lança versão em chinês

Da redação

Publicado em 21 de Junho de 2011 às 09:04


Notícias