Música com boa bebida

Grammy britânico, vinho e geração Y

Parceria entre a chilena Concha Y Toro e organizadores do Brit Awards mostra a busca de produtores por consumidores entre 30 e 40 anos


Vinho Frontera será servido durante premiação 

A 36º edição do Brit Awards, o Grammy britânico, que acontece nesta quarta-feira (24), mostra uma estratégia da indústria de vinhos na busca por consumidores da chamada “geração milênio”. A Concha y Toro UK, filial da tradicional produtora chilena, anunciou uma parceria milionária entre a sua marca Frontera e a BPI, casa dos BRIT Awards.

Durante a premiação dos melhores da música no Reino Unido, as garrafas e copos de vinhos sobre as mesas dos artistas serão da marca Frontera. O objetivo, segundo seus idealizadores, é cativar o público "adulto-jovem" e chamar a atenção dele para o vinho. A "geração do milênio", mais conhecida como "geração Y" ou "geração da internet", é aquela composta por pessoas nascidas após 1980 até meados de 1990. 

Mercado promissor

Segundo o Silicon Valley Bank, banco comercial de alta tecnologia com sede nos EUA, a geração y comprou apenas 16% do vinho produzido nos Estados Unidos no último ano, enquanto os baby boomers, geração nascida no pós-guerra, de 1943 a 1960, consumiram 41%. Os números também levam em conta a situação financeira de cada geração - os baby boomers possuem mais dinheiro por serem mais velhos, o que acontecerá com a geração y nas próximas décadas.

Mais um traço marcante na característica de consumo de vinho da geração milênio indentificado pela indústria é que ela é muito menos leal a um vinho de uma localização especifica e muito mais suscetível a experimentar novos sabores, caso de países como Portugal e África do Sul.

O que também vem despertando a atenção das grandes marcas de vinho é que a geração milênio não gosta apenas de vinho. São jovens que apreciam também cerveja e coqueteis. Eles estão menos propensos a comprar uma garrafa de vinho do que começar a beber um coquetel, cervejas, vodka e, talvez, vinho. Outro fato interessante é que a grande maioria, pessoas na faixa dos 30 a 40 anos, ainda está aprendendo sobre vinhos.

Esse enigma está afetando toda a indústria de vinhos, das famosas marcas do Chile e da Califórnia até os mais finos Bordeaux. Como é possível atingir estes adultos-jovens e transformá-los em amantes do vinho? A resposta vai estabelecer o que seerá a indústria para os próximos trinta anos.

 

Da redação

Publicado em 24 de Fevereiro de 2016 às 09:04


Notícias