Revista ADEGA
Busca

Medida sustentável passa a valer para produtores de Champagne

Produtores terão de cumprir 125 medidas para poderem se enquadrar em nova norma ambiental


vinhedo de Champagne

Produtores não poderão gastar mais de 30% de seus lucros com pesticidas e combustíveis

O Comitê Interprofessional do Vinho de Champagne (CIVC) está reforçando os deveres sustentáveis com o lançamento de um novo regime de certificação, projetado para construir uma norma ambiental a ser exercida por produtores de todo o país, chamada Haut Valeur Environnementale (HVE).

Os produtores terão de cumprir uma série de normas e a principal delas é que não será possível gastar mais de 30% de suas receitas com pesticidas para cuidar de seus vinhedos e também com combustíveis. “Os pioneiros já estão cumprindo esse regime, mas não são todos”, afirmou o porta-voz do CIVC, Thibault le Mailloux.

 De acordo com Mailloux, um folheto técnico explicando as novas regras e suas 125 medidas será distribuído a todos os 20 mil produtores da região de Champagne. “Há quatro critérios principais para a certificação. O primeiro é sobre proteger a paisagem da região; algo que está ligado à nossa candidatura para o reconhecimento como Patrimônio Mundial da UNESCO. Os outros estão encorajando a biodiversidade, o que limita o desperdício e uso de produtos fitossanitários, como pesticidas, e a redução global das emissões de carbono”, detalhou.

Segundo o CIVC, Champagne foi a primeira região vinícola na França a exercer a Iniciativa de Carbono, em 2003. Vários Châteaux estão, desde então, reduzindo em 15% a quantidade do elemento em cada garrafa produzida, enquanto que o uso de pesticida diminuiu em 50%.

Para Mailloux, o incentivo para que os produtores obedeçam ao regime é a possibilidade de adquirirem uma "vantagem competitiva" no mercado. Os consumidores, disse ele, esperam boa gestão ambiental.

Porém, há uma preocupação comum entre os produtores quanto ao custo envolvido para que exerçam corretamente o novo regime e se os consumidores aceitariam pagar valores mais elevados pelos produtos.

Redação
Publicado em 10/06/2014, às 08h48 - Atualizado em 03/12/2014, às 08h04


Mais Notícias