Mundo Vino

O que se vende e o que se compra

Pesquisa mostra quais os mercados mais “chauvinistas” do mundo


 

Uma pesquisa interna do site Wine Searcher, uma das maiores redes de busca de varejistas ao redor do mundo, quis analisar o que consumidores de cada país buscam em sua plataforma e o que os seus lojistas oferecem. E curiosamente, dos 11 países analisados (Alemanha, Estados Unidos, França, Itália, Portugal, Chile, Argentina, Austrália, Espanha e Nova Zelândia) apenas quatro mostraram que seus consumidores buscam produtos locais em primeiro lugar.

LEIA MAIS

» Produção de uva caiu em 2019 e terá nova queda este ano

» A safra das safras

Entre os usuários franceses do site, mais de 85% de todas as pesquisas são para vinho francês, uma porcentagem muito superior a qualquer outra. Os varejistas da França são ainda mais “chauvinistas”, com 90,42% de todas as ofertas na França representadas por vinhos locais.

Esses varejistas não são, no entanto, os mais nacionalistas. Essa posição ficou com o Chile, onde 93,38% de todos os vinhos oferecidos são locais. E isso reflete um pouco o menor interesse pelos vinhos importados, já que 62,1% de todas as pesquisas no Chile são para vinhos chilenos. Já os comerciantes da Argentina oferecem 91,42% de vinhos locais em seu portfólio, mas só 43,5% dos consumidores argentinos buscam por eles.

Nos Estados Unidos, os comerciantes os vinhos norte-americanos representam 43,67%. e apenas 36% das buscas são feitas por esses vinhos, com a França levando uma parcela semelhante e a Itália um pouco atrás em terceiro lugar. Curiosamente, sabe-se por outras pesquisas que 67% dos vinhos consumidos nos Estados Unidos são locais.

Cerca de 81% dos vinhos oferecidos por varejistas italianos são nacionais, embora as pesquisas apontem que 59,75% dos seus consumidores procurem por vinhos locais. Na Austrália e Portugal os vinhos domésticos respondem por 61,5% e 88,3% das ofertas, respectivamente, enquanto as pesquisas significam 56,7% e 52,3%, respectivamente.

Os enófilos da Espanha estão procurando apenas 33,7% das vezes vinhos locais enquanto 70% dos rótulos oferecidos são domésticos. Na Nova Zelândia 64% das pesquisas são para vinhos de fora e apenas 50% dos rótulos oferecidos são provenientes de fora da Nova Zelândia (a maioria é da Austrália).

O mais interessante de todos os mercados internacionais de produção de vinho é a Alemanha. Lá, apenas 18,75% dos vinhos listados pelos varejistas são alemães e só 6,15% de todas as buscas foram feitas em vinhos nacionais.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

Da redação

Publicado em 26 de Setembro de 2020 às 13:00


Mundovino mercado vinho compra venda

Artigo publicado nesta revista