Revista ADEGA
Busca

Vinho - 24.Jun - Saúde

Óleo de oliva evita doenças cardiovasculares, diz estudo


Pesquisadores vêm examinando diversos aspectos da chamada "dieta mediterrânea", a fim de descobrir o motivo pelo qual as pessoas do sul da Europa vivem mais, com menos casos de doenças cardiovasculares, comparadas aos norte-americanos e o restante dos europeus.

Segundo o site Wine Spectator, um novo estudo da Universidade de Medicina de Yale, nos EUA, identificou a oleuropeína, um componente do óleo de oliva, como um possível fator.

Durante o estudo, recentemente publicado no jornal European Society for Vascular Surgery (Sociedade Europeia de Cirurgia Vascular), os pesquisadores de Yale testaram os efeitos da oleuropeína, um polifenol no óleo de oliva, em células musculares lisas (SMC, em inglês), as quais compõem os músculos nos vasos sanguíneos que regulam a pressão arterial.

Os cientistas colheram SMC de vacas e permitiram que as células crescessem no laboratório, regulando o seu desenvolvimento e adicionando doses de oleuropeína.

Normalmente, a SMC vascular controla o fluxo de sangue ao aumentar a pressão sanguínea quando o músculo se contrai, e diminuir quando ele relaxa. Quando a SMC está danificada por conta de níveis altos de colesterol LDL (o mau colesterol), o corpo envia um grupo de glóbulos brancos para combater essa inflamação.

Tais glóbulos, contudo, acabam causando um dano ainda maior, já que misturam com LDL oxidado e formam células "espumosas". SMC, então, se prolifera para tentar se curar. As novas SMC combinam com as células espumosas para formar placas nas paredes das artérias. Ao longo do tempo, esse processo leva à aterosclerose, doença vascular e de alta pressão sanguínea.

Os cientistas descobriram que quanto mais oleuropeína eles adicionavam, menos SMC se desenvolviam. O crescimento diminui 92% enquanto a equipe administrou a alta dose do composto. Eles concluíram que oleuropeína no óleo de oliva limita a proliferação de SMC e, portanto, pode proteger contra insuficiência cardíaca.

Então se você está no sul da França, por exemplo, degustando um bom peixe mergulhado em azeite, seguido de uma fatia de queijo, você irá desencadear o processo de formação de placas. Mas no momento em que SMC supostamente deve crescer e se misturar com as células espumosas, a oleuropeína está limitando esse crescimento, levando à redução das placas e a um coração mais saudável.

Mais notícias sobre vinhos...

Reino Unido não é mais número um no mercado de vinhos

Coréia do Sul pode viver segundo boom de vinho

Festival francês de cinema em torno da cultura vitivinícola premia curta espanhol

Bordeaux e Borgonha também terão safra antecipada

Com caráter fresco e toque amadeirado, rótulo representa de forma clássica conteúdo do

Redação
Publicado em 24/06/2011, às 11h31 - Atualizado em 27/07/2013, às 13h47


Mais Notícias