Revista ADEGA
Busca

Vinho - 12.Ago - Mercado

Pouca oferta e preços elevados assustam consumidor asiático


Muitos acreditavam que a vindimia de 2009 seria a hora em que o mercado asiático iria se mostrar em toda a sua força. No entanto, apesar das vendas terem aumentado em relação à produção de 2008, comerciantes admitem que a campanha não atendeu às expectativas.

Para alguns negociantes, a pouca oferta e os preços muito altos fizeram com que a China se mostrasse relutante quanto à cultura do vinho. "A grande questão não é se a China entende o que é En Primeur, mas se eles confiam no sistema", disse Nick Pegna, gerente de distribuição da rede Berry Bross & Rudd em Hong Kong.

Pegna acredita que havia demanda, mas que os poucos vinhos que estavam disponíveis estavam sendo vendidos a preços muito elevados. "Há também uma falta de confiaça nas condições de armazenamento na China, com muitos vinhos ´sendo danificados pelo calor", acrescentou.

Outros comerciantes se mantiveram céticos quanto a presença asiática no mercado do vinhos. Laurent Ehrmann, diretor da distribuidora Barrieres Freres em Bordeaux disse que acreditar que os chineses iriam acabar com os estoques era uma fantasia. "As vendas cresceram e eles tem parte nisso, mas eles não iam comprar um vinho de qualidade a qualquer preço".

ESPECIAL:Os desafios do Oriente - Vinho combina com culinária asiática? ADEGA quis pôr à prova as combinações mais ousadas e teve sucesso



Confira as últimas notícias do mundo dos vinhos...

+ Procurando bons investimentos, irlandeses olham para mercado de vinhos

+ Pesquisadores clonam variedades de uva na Espanha

+ Querendo se modernizar, Bordeaux lançará aplicativo para iPhone

+ Dois grandes pontos de Abu Dhabi introduzem Miolo em suas cartas

+ Ibravin presenteia o maior colecionador de saca-rolhas do Brasil

Redação
Publicado em 12/08/2010, às 09h00 - Atualizado em 27/07/2013, às 13h47


Mais Notícias