Revista ADEGA
Busca

Saúde na boca

Vinho tinto, dentes brancos

Todo mundo sabe que você é um enófilo por sua declarada paixão pelos vinhos ou seria pelos dentes manchados? Saiba como evitar ser reconhecido pelas manchas


Todos sabem o prazer que um bom vinho pode proporcionar. Suas características, sabores e ingredientes fazem de cada um uma experiência única. No entanto, o gosto por essa bebida requer alguns cuidados, principalmente em relação à saúde bucal dos enófilos.

A ingestão excessiva de vinho - principalmente de tinto, por conter uma quantidade maior de pigmentos em relação aos outros tipos - pode provocar alguns danos aos dentes e à estrutura bucal. Segundo o dentista Antonio Carlos Walder de Carvalho, os principais problemas ocasionados pelo consumo de vinho são a formação de indutos (ou seja, manchas externas aos dentes geradas pelos pigmentos da bebida), a diminuição do volume de saliva (causada pelo álcool, que provoca uma maior retenção de resíduos), e, eventualmente, alguns processos decorrentes da acidez, que podem gerar sensibilidade.

O álcool e a placa

A presença do álcool na boca age diretamente sobre as glândulas salivares e provoca uma diminuição - que varia de 20% a 40% - no volume de saliva, o que faz com que ocorra uma maior deposição de tártaro e resíduos na superfície dos dentes. "Eventualmente, isso pode se tornar placa bacteriana e causar alteração na percepção dos sabores e dos gostos, aspectos que são muito importantes para um enófilo", explica Carvalho, que denomina tal proteção de "efeito tampão", já que a saliva funciona como uma proteção natural para as estruturas dentais banhadas por ela.

Ter higiene é fundamental

"Os problemas bucais são ocasionados pela não-observação dos preceitos de higiene, que são obrigatórios para todos os adultos, sejam eles bebedores de vinho ou não", exalta o dentista. "É preciso atentar para os mecanismos de higiene, caso a pessoa queira desfrutar de uma boa bebida e ter um paladar saudável." Assim, para alcançar tais resultados e prevenir a boca de problemas como esses, a limpeza dental deve ser seguida à risca.

Remoção de manchas e clareamento

A Dra. Patricia Rodrigues Dias, especialista em dentística e estética, enfatiza que é necessário ir ao dentista a cada seis meses para fazer uma profilaxia ou a raspagem dos dentes, para que as manchas não fiquem tão intensas e mais difíceis de serem removidas futuramente.

Há casos, no entanto, em que a pessoa já tem as manchas e procura fazer algum tratamento para removê-las. Para isso, Patricia explica que o clareamento dental pode ser feito, mas ressalta que é preciso muito cuidado durante o processo. "O problema de fazer o branqueamento é que, em uma pessoa que toma muito vinho, vai durar menos", afirma. No entanto, durante o clareamento, o esmalte dos dentes está mais suscetível a corar de novo e, por isso, o vinho não deve ser ingerido, pois a formação de manchas será mais intensa do que antes.

Influência no paladar

Para evitar, então, mais problemas, é muito importante que os dentes e o tecido de suporte deles - a gengiva - estejam em ordem. De acordo com Carvalho, "a presença de tártaro ou de cáries na boca e nos dentes pode alterar sabor ou determinar uma supressão da definição do paladar e da possibilidade de sentir aromas mais refinados, mais sutis, da bebida ou do alimento". Portanto, é fundamental que a saúde bucal esteja em dia para que o enófilo possa se aprofundar melhor no mundo dos sabores, já que a boca estará neutra e pode proporcionar uma melhor avaliação.

Escovação regular resolve

Apesar de toda essa preocupação com a higienização bucal, não é preciso se exaltar. Já que o prazer de um adorador do vinho é apreciar a bebida e seus componentes, é bom deixar claro que não é preciso escovar os dentes imediatamente após a ingestão do fermentado. Carvalho frisa que a necessidade da escovação é dada por um espaço de tempo de, no máximo, oito horas entre elas. "Se você escovar os dentes três vezes por dia, a cada oito horas, pode beber, comer, ficar com o gosto do vinho na boca tranquilamente, pelo tempo que quiser", diz o especialista.

Fotos: Sxc.hu

Frequência correta de escovações e higienização adequada resolvem boa parte do problema

Para manter a saúde bucal em ordem, a higiene deve ser feita por uma escova macia e pequena, fácil de ser manobrada. "Escova dura só machuca e gengiva e não higieniza os dentes", diz Patricia. Os movimentos devem seguir o sentido horizontal, sendo de frequência grande e amplitude pequena, de modo que a cerda da escova entre no colo do dente e faça uma vibração nesse colo, porque é justamente em torno do dele que ficam os resíduos alimentare

Além desses procedimentos, os especialistas sugerem que o fio dental seja passado depois de todas as refeições, mas principalmente antes da última escovação, e que seja realizado também bochechos com flúor (à concentração de 0,05%), pois este vai fortalecer a camada de esmalte do dente e, desse modo, ficará mais difícil de impregnar a estrutura, que estará mais forte. Os profissionais afirmam que pastas muito abrasivas, com presença de bicarbonato, devem ser evitadas por causarem riscos na superfície dos dentes.

Patricia conclui dizendo que "se uma pessoa conseguir manter uma boa escovação, ela pode tomar vinho ou mesmo café, porque a tintura que isso provoca no meio bucal não vai impregnar". Por isso, amantes e adoradores de vinho, fiquem atentos à sua saúde bucal e nunca deixem de manter seus dentes limpos e sua boca neutra para conseguir apreciar cada vez mais e melhor os prazeres que Baco nos proporciona.

Carla Destro
Publicado em 20/04/2016, às 12h10 - Atualizado às 12h24


Mais Notícias