Revista ADEGA
Busca

25.mar - Vinícolas argentinas apostam alto

Vinícolas argentinas apostam alto nas exportações


Com a antecipação de uma queda nas vendas no mercado interno devido à retração do consumo, este ano as vinícolas da Patagônia, na Argentina, especialmente Rio Negro e Neuquén, que representam 1,2% do total da produção, apostam tudo nas exportações.

De acordo com o jornal argentino Clarín, mesmo enquanto muitos mercados restringiram seus volumes, as vendas de vinho à 20 e 10 dólares continuam.  

Atualmente, a vinícola exporta apenas 30% da sua produção, que no ano passado foi de 1,5 milhões de garrafas. Mas "a idéia é crescer até 10% nos mercados externos para compensar, em parte, uma semelhante queda nas vendas do mercado local ou nacional", disse o especialista.


Segundo Barzi, a Argentina vende seus vinhos com preços mais elevados do que os do Chile e, portanto, mantém-se competitiva.

Localizada em San Patricio Chamar, a vinícola Neuquén, que vende para mais de 20 países, pretende exportar 40% do volume produzido. "O mercado interno vai se manter, afirma Lucas Nemesio, um dos gerentes da produtora. O presidente da vinícola, Robert Schroeder, conclui:" Talvez o consumidor estrangeiro já não compre um vinho por 45 dólares em um restaurante, mas compra por 18 dólares em um supermercado para 18 dólares".  

Redação
Publicado em 25/03/2009, às 12h35 - Atualizado em 27/07/2013, às 13h45


Mais Notícias