Revista ADEGA
Busca

Vinho - 29.Ago - Inovação

Vinicultor italiano envelhece espumantes embaixo d'água


Idéias brilhantes costumam aparecer por necessidade. Considere Piero Lugano, 63, um artista italiano que se tornou comerciante de vinhos e abriu uma loja chamada Bisson, na Riviera italiana, em 1978.

Não contente em apenas vender vinho, ele logo começou a produzi-lo. Dez anos atrás, Piero decidiu tentar produzir espumantes com variedades nativas em vinhedos no Mediterrâneo.

Mas ele encontrou um problema: não havia mais espaço na sua já apertada loja para o envelhecimento necessário para produzir uma garrafa fermentada de vinho espumante com os métodos clássicos de Champagne. Mas logo ocorreu a ele: por que não colocar os vinhos sob o mar?

Lugano dá um argumento interessante: "É melhor que a mais perfeita adega subterrânea. A temperatura é perfeita, não há luz, a água evita que um mínimo de ar entre, e a constante pressão contrária mantém as bolhas do vinho. Além disso, as correntes submarinas agem como um berço, balançando suavemente os frascos".

Antes de colocar os vinhos no mar, ele obteve autorização da marinha nacional, e cientistas foram pesquisar a área para garantir que não houvesse impacto ambiental. No dia 20 de maio de 2009, 6500 garrafas foram colocadas em gaiolas de aço inoxidável, a 200 metros abaixo do nível do mar, em um local chamado Cala degli Inglesi.

Quando eles foram recuperar as garrafas, 13 meses depois, eles as encontraram intactas, porém transformadas. Elas estavam cobertas de algas e crustáceos, mas o seu conteúdo estava perfeito.

Redação
Publicado em 29/08/2011, às 10h16 - Atualizado em 27/07/2013, às 13h48


Mais Notícias