Brasil cresce acima dos 30 %

Mercado de vinhos no País apresenta forte crescimento nos seis primeiros meses de 2010 e mostra que podemos consolidar uma massa consumidora sustentável


Por: Luna Garcia

Contrariando prognósticos e após alguns anos de baixo crescimento, 2010 parece fadado a mostrar uma grande arrancada no crescimento do mercado de vinhos importados no Brasil. Estamos falando de 33% em volume e valor, uma cifra que há muito não se via em nosso País.

Um das explicações para tal performance está na entrada de consumidores novos, especialmente da classe média. Contudo, há ainda muito espaço para crescimento, basta incentivo, orientação, informação para o consumo e, principalmente, desoneração, para que, em curto espaço de tempo, tenhamos uma massa crítica consumidora sustentável e atuante.
Seguem os números relativos ao primeiro semestre de 2010, em comparação com 2009:


Chile
Mantém sua hegemonia no mercado, com participação de 33,61% em valor, mesmo índice do Share e, surpreendente, 41,86% em volume, mostrando uma tendência observada anteriormente de custos mais baixos. Hoje os vinhos do Chile são 12,74% mais baratos que os da Argentina.


Argentina
Apresenta um espetacular crescimento de 37,70% em valor e de apenas 25,03% em volume, evidenciando uma qualificação vinícola já identificada há algum tempo. Seus vinhos têm um custo médio hoje de US 3,03 por garrafa. Finalmente deixaram de ser meros coadjuvantes em preços, para se firmarem como protagonistas em qualidade.


Itália
Um dado curioso é que este país possui, neste momento, os vinhos mais baratos importados pelo Brasil, isso é facilmente interpretado pela desvalorização do euro frente ao dólar, em quase 25% nos últimos 12 meses, e também refletido no imenso volume de importação de vinho tipo Lambrusco, algo como 78%, com valores médios na origem, em torno de 0,92 euros. No primeiro semestre, apresentou um crescimento de 39,26% com Share de 12,56% em valor e de 50,79% em volume com Share de 16,16%.


#Q#

Portugal
Bem próximo da Itália em valores, mas com apenas 15,66% de crescimento em valor e 20,41% em volume, mantendo a quarta posição.


França
Cresce abaixo da média, com exatos 26,45% em valor e 21,92% em volume, com preço médio de US$ 7,43 por garrafa.


Espanha
Apresenta crescimento dentro da média, com 34,90% em valor e 11,83% em volume, e custo médio de US$ 6,67 por garrafa.


Demais Países
Evoluíram com 54,61% em valor e 12,14% em volume, com destaque para o Uruguai, que mostrou a melhor performance, com crescimento de 130,53%.

*Não estão computados nesta pesquisa vinhos espumantes e champanhes, somente vinhos na classificação de N.C.M.: 2204.21.00

Adão

Publicado em 23 de Julho de 2010 às 07:33


Enobusiness

Artigo publicado nesta revista