Revista ADEGA
Busca

Vinho com mais de 300 anos

Destroços de navio afundado em 1682 tem garrafas de vinho ainda fechadas

Roupas, sapatos, equipamentos e garrafas de vinho farão parte de uma exposição na Inglaterra que contará a história do HMS Gloucester


Destroços do HMS Gloucester encontrados em 2007
Destroços do HMS Gloucester encontrados em 2007

O HMS Gloucester, navio que encalhou e afundou em 1682, teve seus destroços encontrados e os pesquisadores identificaram entre roupas e sapatos, garrafas de vinho ainda fechadas.

O navio transportava cerca de 330 pessoas e seu acidente deixou mais de 250 mortos. Seus destroços foram encontrados em 2007, identificados em 2012 e apenas agora a história se tornou pública com o lançamento de uma exposição no Norwich Castle Museum & Art Gallery.

A história do HMS Gloucester se destaca de outros navios afundados por contar entre seus passageiros o então Duque de York James Stuart que seria, apenas três anos após a tragédia, coroado como James II, Rei da Inglaterra e Irlanda e James VII, Rei da Escócia.

A presença de tal nobreza no barco sugere que os vinhos transportados eram de alto valor e qualidade. Tanto que entre as garrafas foi encontrada uma com o selo da Família Legge, ancestrais de George Washington, o primeiro presidente dos Estados Unidos.

Por outro lado, a presença do futuro Rei também é apontada como uma das causas da tragédia. Segundo relatos da época, no dia 6 de maio, às 5h30 da manhã, o navio encalhou a 45 quilômetros da costa de Great Yarmouth. O duque de York, um ex-almirante da Marinha Real, discutiu com o capitão pelo controle do curso do navio e sobre a melhor forma de navegar pelos traiçoeiros bancos de areia de Norfolk.

O navio acabou encalhando e em uma hora afundou. O duque, acreditando que o navio poderia ser salvo, atrasou o abandono do navio até o último minuto. Como o protocolo da época dizia que outros não poderiam ser evacuados antes da realeza, a tragédia acabou sendo enorme. Quando o duque e um barco contendo seu cofre de memórias e documentos políticos foram carregados, sobrou tempo para apenas um outro barco conseguiu escapar.

Como o Gloucester fazia parte de um esquadrão de navios, muitas testemunhas oculares da tragédia disseram que o duque influenciou a rota perigosa e deliberadamente atrasou a retirada dos passageiros, porém a realeza culpou o capitão pelo desastre que foi preso.

Esse incidente virou contra o Rei e é apontado como um dos motivos maiores de questionamento sobre a aptidão do monarca em governar, principalmente sob pressão. Jaime II teve um curto reinado de 1685 até 1688, quando foi derrubado na Revolução Gloriosa.

André De Fraia
Publicado em 20/06/2022, às 09h00


Mais Mundovino