Gastando mais com importados

Em comparação com o primeiro semestre de 2010, vinhos importados tiveram pouco aumento em volume, mas 15% em valor


Mesmo com a implantação do Selo Fiscal, o aumento da participação (Market Share) dos vinhos importados não caiu no primeiro semestre de 2011 em comparação com o mesmo período do ano passado.

Muito pelo contrário, os importados tiveram um crescimento de 15,14% em valor e de 2,54% em volume, evidenciando que há um aumento qualitativo crescente, com uma média de 12,28% no último período.

Assim se manifestaram os principais players do mercado:

1º Chile: Mantém e consolida sua hegemonia, já que não há desde janeiro incidência de imposto de importação (I.I) sobre este exportador. Sua contribuição atinge 33,18% de valor e de 37,89% em volume, com valor médio de US$ 28,19 CX/12.

2º Argentina: Também posiciona-se como um dos principais players, com uma participação de 22,41% em valor e 23,02% em volume. Há uma interessante constatação de que este país vem valorizando. Como parâmetro os vinhos argentinos são neste momento 11,21% mais caros que os vinhos chilenos.

3º Portugal: Já observado em anos anteriores, há uma paridade nas exportações deste país versus Itália em valores, sempre muito próximos, que contribui com 14,08% em valor e 11,32% em volume. Seu valor médio é 59,09% superior aos vinhos italianos.

4º Itália: Como nesta análise não estando agrupados vinhos espumantes, doces, champagne etc, este país aparece na quarta posição. Mas, ao fechar o período de 12 meses, em janeiro, com certeza estará posicionado um posto. Sua contribuição foi de 13,67% de valor e de 17,47% em volume. Os vinhos oriundos deste país são, no momento, os mais econômicos, média de US$ 25,18 CX/12, devido à entrada de um grande volume, ainda, do vinho tipo Lambrusco, algo próximo de 70%, de baixo valor agregado.

5º França: Os vinhos originários deste país tiveram uma valoração de 5,61% sobre 2010, chegando à média de US$ 70,63 CX/12, ou seja, os mais caros produtos adquiridos em nosso mercado. Sua participação foi de 7,50% em valor e de 3,42% em volume.

6º Espanha: Atribui-se a este país a maior e melhor performance do período, apresentando crescimento de 44,86% em relação ao mesmo período de 2010. O valor médio de seus vinhos é de US$ 52,64 CX/12.

7º Demais Países: No conjunto apresentam crescimento de 39,90%, contribuindo com 4,65% de valor e de 4,13% em volume.

COMPARATIVO DE CRESCIMENTO POR PERÍODO

Clique para ampliar

Vinhos da Espanha tiveram grande crescimento em valor e volume no primeiro semestre de 2011

fotos: divulgação
Adão Morellatto

Publicado em 12 de Agosto de 2011 às 12:14


Enobusiness

Artigo publicado nesta revista