Revista ADEGA

Supertoscanos, os fora-da-lei mais famosos do mundo do vinho

Descubra o renascimento do vinho italiano e conheça os melhores supertoscanos no mercado nacional

Marcelo Copello em 16 de Maio de 2007 às 07:53

Mauro Sorze/Stock.Xchng/Charis Tsevis/Stock.Xchng
Na Toscana, imponentes castelos ornamentam a paisagem

Segundo "A Arte de Beber", livro escrito em 1963, por Marcelino de Carvalho, o pioneiro de nossa crônica eno-gastronômica, servir vinho italiano em um jantar chique era quase uma ofensa. Hoje a realidade é outra. Na inicio dos anos 2000 a revista americana Wine Spectator sacramentou o renascimento do vinho italiano ao eleger por dois anos consecutivos, como maior vinho do mundo, dois toscanos. O Solaia 1997 e Ornellaia 1998, eleitos "wine of the year", respectivamente em 2000 e 2001, não eram simples vinhos clássicos italianos, mas rebeldes "fora da lei" e parte de um movimento iniciado algumas décadas antes.

#R#

Esta revolução enológica começou no final dos anos 60. Enquanto o mundo respirava a contra-cultura, a Toscana, berço do renascimento cultural e artístico do século XVI, contestava a ordem estabelecida na produção de vinhos. O Da Vinci do renascimento dos vinhos italianos foi o Marquês Piero Antinori, produtor do já citado Solaia.

O marquês assumiu os negócios da família em 1966 e representa a 26a geração de vinhateiros, seguindo uma tradição de mais de 600 anos. Fato que não o impediu de inovar. Tornou-se o pioneiro na reação dos produtores toscanos contra o status-quo reinante na época. Segundo ele, "havia muitos erros na forma de se plantar e de se produzir o vinho". A imagem geral do vinho italiano era a de um produto de quantidade em detrimento da qualidade, o que penalizava os poucos que buscavam melhorar sua produção. Antinori, com a ajuda do enólogo Giacomo Tachis, introduziu mudanças técnicas, tais como: usar tanques de aço inox com temperatura controlada para os vinhos brancos; antecipar a colheita de alguns tipos de uvas; engarrafamento esterelizado a frio; fermentação malolática dos vinhos tintos; diminuição no rendimento dos vinhedos; uso de barris novos de carvalho sloveno e francês; e, sobretudo, uso de castas estrangeiras não permitidas na região, como a francesa Cabernet Sauvignon.

Os problemas encontrados no início foram muitos, desde aspectos técnicos, legais até culturais.

Mapa da Toscana

O início da década de 1970 foi difícil para a região, com safras de qualidade inferior e problemas de superprodução. O Chianti estava em baixa, era preciso melhorar a qualidade dos vinhos e dissociar-se da imagem das garrafas revestidas de palha penduradas nos tetos das trattorias. Neste contexto, em 1970, Antinori decidiu plantar em uma de suas grandes propridades, a Santa Cristina, bem no meio da região do Chianti Clássico, um vinhedo com Cabernet Sauvignon, além de outras experiências que fez com castas como Chardonnay, Sauvignon Blanc, Gewurztraminer, Cabernet Franc, Merlot e Pinot Noir. Em 1971, produziu pela primeira vez o Tignanelo. Não usou a branca Trebbiano, tradicionalmente utilizada para dar leveza e acidez, acrescentou 15% de Cabernet Sauvignon e 5% de Cabernet Franc, sendo o restante da casta tradicional toscana Sangiovese. Por conta destas inovações, a denominação "Chianti" não pôde ser usada e o vinho teve de ostentar em seu rótulo a classificação mais baixa da enologia italiana: "vino da tavola". O Tignanelo foi, então, o primeiro "supertoscano", expressão criada por ingleses e americanos para se referir aos vinhos desta região que, apesar de serem na época, pela lei italiana, apenas "vino da tavola", alcançavam alta qualidade e preço.

Antinori, hoje, é o mais famoso produtor de vinho da Toscana. Embora sua atuação já tenha transcendido há muito esta região, com enormes investimentos nas regiões italianas de Salento, Piemonte, Franciacorta, Úmbria, além de Hungria e EUA.

Suas vinícolas produzem uma vasta gama de vinhos, onde mesmo nos mais básicos a qualidade é admirável. Na Toscana, além do Tignanelo, produz, na mesma propiedade, o ainda mais premiado e espetacular Solaia. Neste, predomina a Cabernet Sauvignon, com 75%, complementada com 5% de Cabernet Franc e 20% de Sangiovese. Outro destaque vem da região toscana de Bolgheri, a mesma de outro "supertoscano" famoso, o Sassicaia.

O Guado Al Tasso, vinho produzido a partir da safra de 1990, é um corte de 60% Cabernet Sauvignon, 30% Merlot, 10% Syrah.

O caminho de Antinori foi rapidamente seguido por outros produtores toscanos e de outras regiões. O renascimento do vinho italiano só aconteceu porque foi em bloco, mudando o paradigma da quantidade para o da qualidade. "O processo, contudo, ainda não está concluído. 60 a 70% dos vinhos da península ainda precisam melhorar sua qualidade", conclui o marquês.

#Q#
fotos: Mauro Sorze/Stock.Xchng
Alguns produtores deixaram a tradição de lado e modernizaram o estilo de vinho da região

A própria legislação italiana, vilã do início desta história, vem se adaptando e absorvendo as mudanças nos vinhos. Em 1994, um decreto ministerial criou a DOC (Denominazione di Origine Controllata) Bolgheri, que permitia ao Sassicaia ser rotulado como "DOC". Hoje algumas DOC muito tradicionais já permitem adição de um certo percentual de uvas "estrangeiras". Muitos dos supertoscanos também recebem atualmente a classificação de IGT-Toscana ou Indicazione Goegrafica Típica, mais flexível que uma DOC.

O importante a ressaltar a respeito dos vinhos que refizeram o nome da Itália é que, apesar de muitos serem feitos com castas estrangeiras e seguindo novas tendências do consumo, são vinhos inconfundivelmente italianos. Enquanto muitos exemplares californianos, chilenos ou australianos, feitos com Cabernet Sauvignon, e amadurecidos em carvalho novo, se confundem, sendo difícil distinguir sua origem, os "supertoscanos" têm um caráter claramente italiano. O Tignanelo não deixa de ser um Chianti, modificado e refinado. O renascimento do vinho italiano baniu o conservadorismo, o amadorismo e a falta de imaginação, confirmando que vinho se faz não só de uvas, mas de pessoas e idéias.

Vinhedo na Toscana

O renascimento italiano passo-a-passo
Até a década de 1960, a grande maioria dos vinhos italianos era de qualidade inferior, com algumas exceções, como os Barolos e Brunellos, que apenas confirmam a regra. Ao longo desta década uma nova geração de vinhateiros surgiu, entre eles nomes como o do Marquês Piero Antinori,atualque assumiu, em 1966, a vinícola da família, e Ângelo Gaja que, em 1961, tomou o lugar de seu pai na direção da vinícola piemontesa.

Os primeiros anos da década de 70 foram de safras inferiores o que, junto com a superprodução e a rigidez das leis nacionais fizeram com que a indústria do vinho italiano entrasse em crise. O fato suscitou uma reação dos produtores em busca de soluções para aprimorar a qualidade de seus vinhos.

Em 1971, foi feita a primeira colheita do Tignanelo, produzido por Piero Antinori, que marca o início embrionário da produção de vinhos "fora da lei" na Itália. Outros começaram a ser feitos nestes moldes durante os anos seguintes, como o Sassicaia, produzido pela Tenuta di San Guido. Esta vinícola pertencia ao Marquês Niccolò Incisa, primo de Piero Antinori, que emprestou seu enólogo Giacomo Tachis para aperfeiçoar o vinho e comercializou as primeiras safras do mesmo. Seguiram-se outros como o Darmagi, produzido por Angelo Gaja, um Cabernet Sauvignon 100% que viria a receber prêmios em todo o mundo. E o mítico L´Aparita, um Merlot 100%, feito pelo do Castello di Ama.

O primeiro reconhecimento veio em 1979, quando a importante revista inglesa Decanter elegeu o Sassicaia o melhor em um concurso de Cabernet Sauvignons de onze países. A partir deste evento, os vinhos italianos começaram a ser aclamados em todo o mundo, culminando com os recentes prêmios da revista americana Wine Spectator, uma das mais importantes publicações do gênero. Ela elegeu em 2000 o Solaia 1997, de Piero Antinori, o melhor vinho do mundo naquele ano. Em 2001, a dose se repetiu com o número 1 ocupado pelo Ornellaia 1998, da Tenuta dell'Ornellaia, pertencente a Lodovico Antinori, irmão de Piero.

Hoje a qualidade italiana se estendeu a novos vinhos de todas a regiões e também a alguns vinhos clássicos que outrora andaram decandetes, como os Brunellos di Montalcino, que se renovaram e conquistaram com o Brunello di Montalcino Casanova di Neri 2001, da Tenuta Nuova, o mais recente "wine of the year" da Wine Spectator.

Adega testou 12 supertoscanos do mais alto gabarito. Confira na CAVE (página 72).


Grands Châteaux

Artigo publicado nesta revista


Supertoscanos

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também Guia ADEGA Guia ADEGA Vinhos do Brasil 2018/2019 + Poster "as cores do vinho"

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas