Temporada de caça

Editorial - Edição 101


Vasculhar e desenterrar preciosidades são coisas que todo enófilo adora fazer. Estamos sempre buscando, incansáveis e insaciáveis, pelas melhores garrafas. Reviramos lojas, empórios, supermercados atrás daquela garrafa especial. E, quando a encontramos, é uma alegria enorme, seguida da vontade de levá-la logo para casa, guardá-la com todo o cuidado, como se fosse um tesouro. E quando juntamos o mundo do vinho com a gastronomia, essa sensação não é diferente.

Encontrar a mistura perfeita de ingredientes numa receita, ou mesmo se deparar com um ingrediente fenomenal é o máximo. Imagine então a experiência de, literalmente, caçar trufas, uma das maiores iguarias do mundo. ADEGA teve o privilégio de participar de uma caçada às trufas negras espanholas, seguindo o encalço dos cães treinados e escavando o ponto certo onde elas estavam escondidas. Uma experiência única. E, melhor ainda, seguida de uma degustação de pratos preparados com as trufas recém caçadas e harmonizados com precisão.

Definitivamente um evento que sempre será lembrado, ficará guardado, assim como aqueles vinhos especiais que levamos tanto tempo procurando e que levarão ainda mais tempo aguardando o instante ideal para serem desfrutados. E, para que você não se perca em meio à sua ânsia de colecionar garrafas, damos alguns conselhos importantes na hora de organizar sua adega. Quantas garrafas de cada vinho deve-se guardar? Por quanto tempo?

Segundo Erwan Faiveley, que mudou o estilo dos vinhos do Domaine Faiveley, na Borgonha, tornando-os mais acessíveis quando jovens, depende da origem e do enólogo. Em uma entrevista exclusiva, ele defende seus pontos de vista sobre esse tema e outros assuntos polêmicos com opiniões contundentes.

Por outro lado, na Herdade do Esporão, o presidente João Roquette aponta a safra como um dos fatores determinantes da guarda e, para demonstrar isso, trouxe 10 safras do clássico Esporão Reserva para uma prova exclusiva da Revista ADEGA – em homenagem aos 40 anos da empresa.

Esta edição traz ainda dicas de viagem para os enófilos que querem aproveitar Munique, a capital bávara, conhecida pela Oktoberfest, mas que tem muito mais atrações do que a cerveja. Também contamos a história de Omar Khayyam, o poeta persa que desafiou as leis islâmicas para cantar as benesses do vinho. Tudo isso e muito mais você confere a seguir em nossas páginas.

Saúde,
Christian Burgos e Arnaldo Grizzo

Da redação

Publicado em 30 de Março de 2014 às 00:00


Editorial caçada enófilo Erwan Faiveley Domaine Faiveley João Roquette Munique Oktoberfest Omar Khayyam

Artigo publicado nesta revista