Baco reencontrado

Mega ação do FBI localiza obra do século XVII


Foi necessária uma ação do FBI para que uma pintura do século XVII retratando o deus Baco pudesse voltar às mãos da família de Max Stern, um judeu dono de galeria de arte que precisou fugir da Europa durante o nazismo na Alemanha.



Em 1935, ele foi forçado a vender as obras e as que sobraram foram confiscadas. Entre as
pinturas estava uma do jovem deus Baco, pintada pelo mestre holandês Jan Franse
Verzijl, que viveu entre 1599 e 1647.

A pintura foi vendida pelos nazistas em 1936 e é considerada propriedade roubada desde então. Somente mais de 80 anos depois é que ela voltou para as mãos dos herdeiros de Max Stern. Em 2015, o FBI teve a primeira pista sobre o paradeiro da obra, que foi vista em uma feira de arte em Nova York. No ano seguinte, ela foi recuperada.

O então proprietário, a Galeria Luigi Caretto, em Turim, na Itália, cedeu voluntariamente
os direitos sobre a pintura para a fundação Max e Iris Stern.

Da redação

Publicado em 2 de Janeiro de 2018 às 11:25


Notícias

Artigo publicado nesta revista