Revista ADEGA
Busca

O Riesling envenenado

Caso de assassinato com vinho envenenado é reaberto no Uruguai

Cecilia Fontana de Héber foi morta em 1978 depois de beber uma taça de Riesling envenenada


Caso de assassinato em 1978 no Uruguai foi reaberto

Cecilia Fontana de Héber morta em 1978 com uma taça de Riesling envenenada

Cecilia Fontana de Héber, esposa do político uruguaio Mario Héber Usher, foi morta em 1978 depois de beber uma taça de Riesling envenenada de uma garrafa destinada ao marido. 

No final de 2021, os investigadores do assassinato – que nunca foi resolvido – abriram uma nova linha de investigação após a declaração de um ex-policial, atualmente preso por estupro, e também de outra testemunha que depôs perante um tribunal criminal que conhecia uma pessoa que viu o major Hugo Campos Hermida, chefe da Brigada de Entorpecentes e Drogas Perigosas, manipulando as mesmas garrafas que foram entregues a três políticos, incluindo Mario Héber. Todos os três vinham pressionando o governo por um maior diálogo externo e um retorno a processos mais democráticos. 

» Polícia paranaense divulga balanço das apreensões de 2021 e números surpreendem

A testemunha também entrou em detalhes sobre os movimentos de Campos Hermida na época e confirmou a relação dele com os Estados Unidos, que teria recebido treinamento da DrugEnforcementAdministration e esteve ligado à CIA, e elementos de extrema direita no exército uruguaio.Campos Hermida, que morreu em 2001, foi um notório policial da década de 1970. Acusado de inúmeras violações de direitos humanos, acredita-se que ele tenha participado da Operação Condor, apoiada pela CIA – uma onda de repressão política na América do Sul e Central – e conduzido uma campanha brutal de repressão contra figuras políticas uruguaias e guerrilheiros Tupamaros de esquerda do país.

Ele é suspeito de tramar o assassinato dos políticos uruguaios exilados como ZelmarMichelini e Héctor Gutiérrez Ruiz em Buenos Aires, em 1976. Os corpos de Michelini e Ruiz, bem como de dois militantes Tupamaros (William Whitelaw e Rosariodel Carmen Barredo), foram encontrados em um carro abandonado no centro da capital argentina, todos foram torturados e fuzilados.

Apesar dos repetidos pedidos argentinos de extradição para enfrentar acusações relacionadas aos assassinatos, Campos Hermida nunca compareceu ao tribunal. O Uruguai estabeleceu uma anistia política após o fim de sua ditadura.

De acordo com o jornal uruguaio La Diaria, evidências recentes mostram que os vinhos envenenados faziam parte de uma tentativa de minar os esforços de políticos moderados de direita (como Mario Héber) para abrir o país à democracia. O jornal implica ainda o serviço secreto dos Estados Unidos no envenenamento. “A hipótese de que o assassinato foi supervisionado pela Direção Nacional de Inteligência em coordenação com a CIA foi reforçada depois que vários elementos se uniram nos últimos meses de investigação, afirmou.

A investigação reuniu vários testemunhos, incluindo o do ex-policial atualmente preso por estupro, que admitiu que suas impressões digitais podem ser aquelas encontradas em um dos envelopes que acompanharam a entrega anônima dos vinhos. As garrafas chegaram com uma nota exortando os destinatários a brindar ao país em sua nova etapa, embora não tenha ocorrido nenhum novo desenvolvimento político na época.O jornal acrescentou que o dossiê está agora com o atual ministro do Interior, Luis Alberto Heber, filho da única vítima dos vinhos envenenados.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

Redação
Publicado em 06/02/2022, às 10h00


Mais Mundovino